Menu
2019-06-07T18:46:34+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Ladeira abaixo

Itaú reduz projeção para o PIB brasileiro de 2019, de 1,3% para 1%

Com base nos indicadores de março, a instituição cortou a estimativa para o PIB do primeiro trimestre de recuo de 0,1% para declínio de 0,2%

13 de maio de 2019
15:09 - atualizado às 18:46
Gráfico desenhado por um homem mostra queda
Principal causa para a mudança na projeção foi a produção industrialImagem: Shutterstock

O Itaú Unibanco voltou a piorar as expectativas para o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, informa relatório divulgado nesta segunda-feira, 13.

Com base nos indicadores de atividade de março, a instituição financeira cortou a estimativa para o PIB do primeiro trimestre de recuo de 0,1% para declínio de 0,2% na comparação com o último trimestre de 2018.

Além disso, também alterou as expectativas para o crescimento econômico em 2019 e em 2020. Para este ano, a previsão do PIB passou de alta de 1,3% para 1,0%, inferior ao visto na pesquisa Focus do Banco Central (BC) desta segunda-feira, de 1,45%, em sua 11ª revisão. Já a estimativa para 2020 saiu de expansão de 2,5% para 2,0%, se alinhando à registrada no Focus.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O Itaú explica que a principal contribuição para a mudança na projeção para o PIB do primeiro trimestre foi a produção industrial. No terceiro mês, a produção caiu 1,3% em relação a fevereiro, com ajuste sazonal.

Além disso, acrescenta, a confiança do empresário não se recuperou em abril, após forte queda em março, e a criação de empregos medida pelo Caged está desacelerando.

"Fatores que nos levam a crer, em linha com as impressões colhidas junto ao setor real, que a incerteza associada à implementação de reformas tem pesado em alguma medida sobre a atividade econômica", avalia o banco que tem como economista-chefe Mario Mesquita.

O resultado do PIB do primeiro trimestre será divulgado no dia 30 deste mês pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

"Como principal motivo por trás dessa fraqueza, acreditamos que a taxa de juros neutra tenha se deslocado para baixo, devido ao ajuste fiscal e à redução dos subsídios creditícios", afirma a nota.

Para o banco, a fraqueza da atividade e a inflação baixa devem abrir espaço para novos cortes, mas este cenário continua sendo condicional à aprovação da reforma da Previdência.

"Acreditamos que o crescimento do PIB poderá acelerar para 2,0% no próximo ano, após corte da taxa Selic para 5,5%, levando a taxa de juro real ex-ante para 1,8% no início de 2020. Essa visão é baseada em modelos estimados com séries de dados a partir de 2015, de forma a capturar apenas o período de ajuste fiscal", explica. Para 2019, estima Selic em 5,75%.

O banco também revisou a estimativa de déficit primário para 2019 de 1,5% para 0,8% do PIB (-R$ 60 bilhões), após incluir a receita extraordinária esperada com o leilão da cessão onerosa.

Para 2020, piorou a projeção de 1,0% para 1,1% do PIB (-R$ 86 bilhões). Conforme a instituição, o cenário é estritamente dependente da aprovação da reforma da Previdência, cujo impacto em termos fiscais deve ser entre 50% e 75% da proposta enviada pelo governo.

Sem reformas, o cumprimento do teto de gastos dificilmente será viável a partir de 2020, e o reequilíbrio fiscal estará ameaçado, cita.

Já as expectativas para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deste ano e do seguinte foram mantidas em 3,6%.

Da mesma forma, deixou inalterada em R$ 3,80 a projeção para a taxa de câmbio de 2019 e em R$ 3,90 para 2020.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Nada de aumento

“Há zero possibilidade de aumentar a carga de impostos”, diz Waldery

Waldery explicou que a meta de déficit primário de 2019 está mantida em R$ 139 bilhões, mas lembrou que o saldo negativo deve ficar abaixo dos R$ 80 bilhões

Contas públicas

Governo central deve fechar 2019 com déficit abaixo de R$ 80 bi, diz Guedes

Guedes voltou a dizer que o sucesso do leilão da cessão onerosa também ajudou a fazer um resultado fiscal melhor, além de permitir um maior repasse de recursos para Estados e municípios. “O ano de 2019 foi interessante, porque conseguimos muita colaboração com Congresso nas reformas econômicas. Também houve muita colaboração do Judiciário”, completou

Novidades na cervejaria

Ambev anuncia Jean Jereissati como presidente da companhia em 2020

A partir de 1º janeiro de 2020, Jereissati Neto acumulará as funções de diretor-presidente e diretor de vendas e de marketing

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Game over? A vida com o dólar acima de R$ 4,20

A primeira vez que o dólar atingiu o patamar de R$ 4,20 foi em setembro de 2015. Eu me lembro de receber a notícia de uma forma bem inusitada, no meio da plateia de um evento voltado a grandes investidores. Enquanto o palestrante da vez tentava injetar alguma esperança sobre as perspectivas da economia brasileira em […]

Olho nos números

BMG não agrada mercado em primeiro balanço após IPO e ações caem

Apesar da queda acentuada dos papéis, ao comentar o balanço do BMG, os analistas do BTG Eduardo Rosman e Thomas Peredo se mostraram mais tranquilos com o resultado e destacaram que os números vieram dentro do esperado pela maioria dos investidores com quem conversaram

Gestoras

JGP segue comprada em bolsa enquanto acompanha guerra de narrativas

Gestora discute tese de que a manufatura e o comércio global estão próximos ao fundo do poço e prestes a se recuperar

Mudança de coleção

Dona da Le Lis Blanc e Dudalina, a Restoque tenta pôr ordem na casa. O mercado está cético

Em meio a um processo de mudança de estratégia, a Restoque reportou mais um conjunto de resultados trimestrais desanimadores, o que fez suas ações chegarem às mínimas em mais de três anos

Mudanças à vista

Desoneração da cesta básica vai acabar, diz Tostes Neto

Para compensar o gasto com tributo, o governo deve devolver dinheiro aos mais pobres como adicional aos programas sociais

Briga de gigantes

Softbank planeja criar rival japonesa para competir com gigantes como Google e Amazon

O grupo anunciou acordo para a fusão de uma de suas subsidiárias conhecida como Yahoo Japan com a empresa Line Corp. Com isso, as duas companhias podem criar mais um “super app”

olho na reforma tributária

Governo confirma que quer tributar dividendos

Plano faz parte do projeto de reduzir imposto de empresas e elevar sobre as Pessoas Físicas; deve entrar em fases posteriores da reforma tributária

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements