Menu
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Contas externas

Investimento externo é o maior desde 2001

Contas externas mostram situação confortável do país na sua relação comercial e financeira com o resto do mundo. Ações e fundos tiveram saque anual pela primeira vez desde 2008, mas dinheiro já começou a retornar

28 de janeiro de 2019
11:17 - atualizado às 12:25
Dólar
Imagem: Shutterstock

O déficit em transações correntes, que mede a relação comercial e financeira do Brasil com o resto do mundo, encerrou 2018 em US$ 14,511 bilhões, ou 0,77% do Produto Interno Bruto (PIB). Em 2017, o déficit tinha sido de 0,35% do produto.

A ampliação do déficit era esperada em função do melhor desempenho da economia, que eleva a demanda por bens e serviços importados. Segundo o chefe do Departamento de Estatísticas do Banco Central (BC), Fernando Rocha, o déficit é baixo para padrões brasileiros e não apresenta riscos.

O que importa é que esse déficit é financiado com folga pelo investimento externo, que somou US$ 88,314 bilhões ou 4,7% do PIB, avançando do 3,42% de 2017. Em termos nominais, esse é o maior Investimento Direto no País desde 2012. Em percentual do PIB é a maior leitura desde junho de 2001 (4,79%).

Investimento Direto no País - Imagem: Banco Central

Olhando a composição do IDP, há uma redução do volume de participação no capital, visto com o IDP propriamente dito, de US$ 64 bilhões em 2017 para US$ 55,994 bilhões em 2018. Já os empréstimos intercompanhia apresentaram alta de US$ 6,3 bilhões para US$ 32,32 bilhões no ano passado. Os setores de coque, derivados de petróleo, celulose, telecom e eletricidade foram os destaques nos empréstimos.

Rocha avalia que a redução no IDP modalidade participação de capital capta menores operações de grande valor, aquelas acima de US$ 1 bilhão. Em 2018 também ocorreram menos operações de privatizações e concessões, que movimentam volumes maiores de recursos.

Os dados mostram que no lado dos fundamentos, o país apresenta uma robusta situação externa, o que afasta crises no balanço de pagamentos como as que atingiram Argentina e Turquia em 2018.

Em tese, isso limita o espaço para grandes desvalorizações do real, mas é importante lembrar que o mercado também reage a expectativas com relação ao cenário interno (reformas) e externos (liquidez e crescimento mundial) na formação de preço da taxa de câmbio.

Ações e títulos

Os investimentos em carteira fecharam o ano com saída líquida de US$ 8,404 bilhões, sendo US$ 5,1 bilhões perdidos apenas em dezembro. Essa conta é influenciada por sazonalidade de fim de ano, com agentes reduzindo posições em ações e títulos para fechamento de balanços. Geralmente, o dinheiro que sai em dezembro já começa a retornar em janeiro e as parciais confirmam isso.

No mercado de ações, a saída líquida do ano ficou em US$ 2,217 bilhões, em comparação com um ingresso de US$ 2,963 bilhões um ano antes. Considerando, ações e fundos de investimento, a saída fica em US$ 7,682 bilhões, primeiro resultado negativo desde 2008.

Na renda fixa negociada no país, os saques líquidos ficaram em US$ 4,348 bilhões, depois de fechar 2017 com perda de US$ 5 bilhões.

O dados parcial de janeiro, até dia 24, mostram ingresso em ações e fundos de investimento de US$ 3,88 bilhões, e a renda fixa tinha resultado positivo de US$ 1,04 bilhão.

Lucros e dividendos

Dólar um pouco mais valorizado e melhora, mesmo que breve na atividade, influem nas remessas de lucros e dividendos, que fecharam o ano em US$ 16,946 bilhões, acima dos US$ 15,827 bilhões de 2017.

Na conta de juros, os pagamentos líquidos fecharam 2018 em R$ 19,970 bilhões, montante menor que os US$ 24,5 bilhões desembolsados em 2017. A conta capta um maior ganho com a renda das reservas internacionais.

Turismo

Ao longo do ano passado, os brasileiros gastaram US$ 18,263 bilhões em viagens internacionais, pouco menos que os US$ 19 bilhões de 2017. Descontando o que os estrangeiros deixaram por aqui (US$ 5,9 bilhões), essa conta do balanço fechou o ano deficitária em US$ 12,346 bilhões.

Projeções janeiro

Para janeiro, a previsão do BC é de um déficit externo de US$ 5,8 bilhões, contra US$ 6,3 bilhões em janeiro de 2018. Para o IDP, a projeção está em US$ 4,3 bilhões em janeiro. No mês até o dia 24, o ingresso estava em US$ 3,3 bilhões. Em janeiro de 2018, o ingresso tinha sido de US$ 8,363 bilhões.

A parcial para remessas de lucros e dividendos, agora em janeiro, até o dia 24, estava em US$ 1 bilhão, e o pagamento de juros consumia US$ 3,7 bilhões.

O BC também atualizou o fluxo cambial em janeiro até o dia 24. O resultado é negativo em US$ 822 milhões, sendo US$ 625 milhões na conta comercial e outros US$ 197 milhões na conta financeira. Com fluxo negativo, os bancos são têm de prover liquidez ao mercado, ampliando sua posição vendida de US$ 24,865 bilhões, em dezembro, para US$ 25,518 bilhões agora em janeiro.

 

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Transparência

Guedes defende mesma transparência do Copom para política de preços da Petrobras

Em entrevista, ministro voltou a defender que a estatal é livre para definir os preços

Petróleo

ANP nega mais prazo à Petrobras; campos terrestres irão para oferta permanente

Agência reguladora negou mais prazo para a estatal apresentar um plano de desativação de campos terrestres que não estão em produção há mais de seis meses

BOMBOU NA SEMANA

MAIS LIDAS: Siga o dinheiro

A vida dos milionários costuma fascinar as pessoas que ainda não chegaram e talvez nunca cheguem lá. Esse é o tipo de tema que costuma despertar as paixões humanas: admiração, inveja, raiva ou simplesmente a questão aspiracional. Quem não nasceu em uma família endinheirada certamente já pensou em como seria a sua vida se fosse […]

Atualização

Avianca cancela mais de 1.300 voos até dia 28

Guarulhos, Brasília e Galeão são os aeroportos mais prejudicados pelos cancelamentos. Já Congonhas e Santos Dumont parecem ter sido poupados

Entrevista

‘O Brasil precisa apressar o passo nas reformas’, diz conselheiro de Paulo Guedes

Para Carlos Langoni, Brasil precisa se apressar porque o processo de “desaceleração sincronizada” da economia mundial impõe desafios ao país. Confira na entrevista

Piora nas contas

Déficit estrutural do setor público chega a 0,7% do PIB em 2018

Devido à deterioração das contas dos Estados e municípios, movimento de melhora das contas públicas pelo resultado oficial não aconteceu no estrutural, que apresentou piora no ano passado

Preço do diesel

Em áudio, Onyx diz que deu uma ‘trava na Petrobras’

Ministro da Casa Civil diz que os caminhoneiros podem ficar sossegados que o governo tem trabalhado para resolver o problema deles

Na mira de quem tem grana

Para que cidades os milionários estão se mudando?

Estudo mostra que Dubai, Los Angeles, Melbourne, Nova York, Sydney, Miami e São Francisco caíram nas graças dos endinheirados

Mercados

O que preocupa gestores de US$ 12 trilhões e uma oportunidade para o Brasil

O país tem que abocanhar trilhão ou menos centenas de bilhões desse dinheiro que está à procura de retornos atrativos

Partido Comunista Chinês diz que economia enfrenta pressões negativas

Dificuldades econômicas se devem a mais fatores estruturais e sistêmicos que cíclicos, diz o partido

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu