Menu
2019-06-24T11:56:51+00:00
Valor menor que as estimativas

Investimento direto no país soma US$ 7,070 bi em maio, diz BC

No acumulado do ano até maio, o ingresso de investimentos estrangeiros destinados ao setor produtivo somou US$ 35,137 bilhões

24 de junho de 2019
11:56
Dólar
Imagem: Shutterstock

Os Investimentos Diretos no País (IDP) somaram US$ 7,070 bilhões em maio, informou nesta segunda-feira, 24, o Banco Central. O resultado ficou abaixo da mediana, de US$ 7,500 bilhões, das estimativas apuradas pelo Projeções Broadcast, que iam de US$ 3,200 bilhões a US$ 8,500 bilhões. Pelos cálculos prévios do Banco Central, o IDP de maio indicaria entrada de US$ 7,500 bilhões.

No acumulado do ano até maio, o ingresso de investimentos estrangeiros destinados ao setor produtivo somou US$ 35,137 bilhões. A estimativa do BC para este ano, atualizada em março, é de IDP de US$ 90,0 bilhões em 2019.

No acumulado dos 12 meses até maio deste ano, o saldo de investimento estrangeiro ficou em US$ 96,569 bilhões, o que representa 5,19% do Produto Interno Bruto (PIB).

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Investimento em ações

O investimento estrangeiro em ações brasileiras ficou negativo em US$ 2,866 bilhões em maio, informou o Banco Central. Em igual mês do ano passado, o resultado havia sido negativo em US$ 1,578 bilhão.

No acumulado do ano até maio, o saldo estava negativo em US$ 4,236 bilhões. Pelos cálculos do BC, o saldo das operações de investidores estrangeiros no mercado de ações será positivo em US$ 5,0 bilhões em 2019. Esta projeção considera as ações negociadas em bolsas brasileiras e no exterior e os fundos.

O investimento em fundos de investimentos no Brasil ficou positivo em US$ 417 milhões em maio. No mesmo mês do ano passado, havia sido negativo em US$ 2,825 bilhões. No acumulado do ano até maio, houve aportes de US$ 2,192 bilhões dos fundos de investimentos.

Renda fixa

Já o saldo de investimento estrangeiro em títulos de renda fixa negociados no País ficou positivo em US$ 2,163 bilhões em maio. No mesmo mês do ano passado, havia ficado negativo em US$ 1,982 bilhão.

No ano até maio, o saldo em renda fixa ficou positivo em US$ 12,098 bilhões. Para 2019, a estimativa do BC é de entradas de US$ 10,0 bilhões nas operações com renda fixa.

Taxa de rolagem

O Banco Central informou que a taxa de rolagem de empréstimos de médio e longo prazos captados no exterior ficou em 86% em maio. Esse patamar significa que não houve captação de valor em quantidade para rolar compromissos das empresas no período.

O resultado ficou abaixo do verificado em maio do ano passado, quando a taxa havia sido de 104%.

De acordo com os números apresentados nesta segunda-feira pelo BC, a taxa de rolagem dos títulos de longo prazo ficou em 7% em maio. Em igual mês de 2018, havia sido de 128%. Já os empréstimos diretos atingiram 153% no mês passado, ante 94% de maio do ano anterior.

No ano até maio, a taxa de rolagem total ficou em 61%. Os títulos de longo prazo tiveram taxa de 34% e os empréstimos diretos, de 97% no período. O BC estima taxa de rolagem de 100,0% para 2019.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

SÃO OS NEGÓCIOS

Influenciadores dão “jeitinho” após fim da contagem de curtidas no Instagram

A rede começou a esconder o número de curtidas em fotos no Brasil. Agora, cada pessoa só acessa os próprios números – uma forma, diz o Instagram, de reduzir o impacto à saúde mental

A FONTE DO PROBLEMA

“Desigualdade tem de ser combatida no imposto de renda”, diz Orair

No primeiro trimestre deste ano, a desigualdade de renda dos trabalhadores brasileiros atingiu seu maior nível em pelo menos sete anos

5º MAIS RICO DO MUNDO

Carlos Slim, o bilionário que lucrou com um monopólio e virou o ‘dono do México’

Com conglomerado de mais de 200 empresas, empresário acumulou fortuna de US$ 60 bilhões, que equivale a 6% do PIB do país, e se tornou o quinto homem mais rico do mundo.

MAIS UMA

Bolsonaro afirma que governadores do Nordeste tentam manipular eleitor

O uso de um termo pejorativo para se referir aos nordestinos provocou a reação de governadores da região, que manifestaram “espanto e profunda indignação”

BNDES

Com BNDES menor, pode faltar crédito para investimento

O patamar de desembolsos em torno de R$ 70 bilhões por ano, sinalizado pelo novo presidente, equivale a 1% do Produto Interno Bruto, menor nível em 20 anos.

Boa notícia

Risco volta ao nível de quando país tinha selo de bom pagador

Além do avanço na reforma previdenciária, contribuiu para a redução do risco país o cenário de um mercado internacional mais calmo

Bandeira eleitoral

Tema “corrupção” perde espaço no Twitter de Bolsonaro

Depois de assumir o poder, o assunto perdeu espaço em sua timeline e, segundo levantamento no perfil do presidente, apareceu em apenas 1,4% das postagens.

Uma dose de realismo

Bilionários garantem: este é o melhor momento para se estar vivo

Bill Gates, Warren Buffett, Elon Musk e Barack Obama são categóricos: se você pudesse escolher qualquer momento na história para nascer, seria este.

Promessa é dívida

MAIS LIDAS: Oi e FGTS foram as grandes promessas da semana

São elas: a liberação do saque do FGTS pelo governo Bolsonaro e o plano da diretoria da Oi de tirar a empresa do buraco. Confira

Dá para se arrepender?

Opção do saque do FGTS será reversível

A ideia é que a nova opção de saque permita ao trabalhador resgatar uma parcela em troca de abrir mão da retirada de todo o fundo caso seja demitido sem justa causa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements