Menu
Vinícius Pinheiro
O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
2019-06-18T19:43:50+00:00
Seu Dinheiro na sua noite

Insiste em zero a zero e eu quero um a um

18 de junho de 2019
19:43
O Melhor do Seu Dinheiro
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Você disse que não sabe se não. Mas também não tem certeza que sim. Se Djavan fosse um analista de mercado, representaria o sentimento dos investidores sobre o que vai acontecer com as taxas de juros no país.

Para muita gente, não é mais uma questão de “se”, mas de “quando” a Selic vai cair. Esse refrão ganhou força hoje depois de Mario Draghi, o presidente do BC europeu, anunciar que pode reduzir as taxas lá fora para dar um gás na economia da zona do euro.

Com uma possível queda dos juros na Europa e a certeza de que as taxas não vão subir nos Estados Unidos, a visibilidade para o Banco Central brasileiro atuar ficou bem maior.

"Pode ser, se é assim, você tem que largar a mão do não", aconselharia Djavan a Roberto Campos Neto, o presidente do Banco Central.

Até então, ele tem deixado claro que não vai mexer nos juros enquanto não houver uma definição do Congresso sobre a reforma da Previdência. Por isso quase ninguém espera que um novo ciclo de queda tenha início na reunião do Copom de amanhã.

Só que, diante da enxurrada de dados mostrando que a economia segue patinando e a inflação não preocupa, o mercado espera que o BC sinalize de forma mais clara a intenção de baixar os juros.

Seja como for, a perspectiva de um mundo com taxas de juros baixas por mais tempo tirou o mercado do zero a zero. As bolsas subiram forte mundo afora e por aqui o Ibovespa foi de carona. Com a alta de hoje, a bolsa brasileira ficou a apenas 596 pontos dos 100 mil. Os detalhes desse dia de euforia nos mercados você confere com o Victor Aguiar.

Sina

O dia pode até ser de decolagens, mas o sentimento que ainda predomina entre os investidores está mais para pouso forçado. Uma pesquisa do Bank of America Merrill Lynch divulgada hoje mostrou que os gestores globais de recursos estão com a confiança lá embaixo, e os níveis dessa medida se equiparam à famosa crise financeira de 2008. O Edu Campos traz os motivos que sustentam esse pessimismo ou, no jargão do mercado financeiro, esse monte de ursos.

Eu te devoro

Queda dos preços das matérias-primas, redução da concorrência, câmbio favorável. O cenário não podia ser melhor para as ações das companhias aéreas. Hoje, por exemplo, o setor teve mais uma boa notícia com a decisão do presidente Jair Bolsonaro de vetar a proibição para que as empresas cobrem pelas bagagens nos voos. Por essas e outras, os papéis da Gol e da Azul dispararam recentemente na B3. Mas será que o mercado não vem exagerando nesse otimismo? Eu tive acesso a um relatório do UBS em que os analistas comentam justamente sobre esse assunto. Confira qual a recomendação do banco suíço para as ações nesta matéria que eu escrevi.

Samurai

Paulo Guedes parece que conseguiu fazer a cabeça dos deputados e agora conta com um exército de políticos ao seu lado na guerra pelo R$ 1 trilhão de economia com a reforma da Previdência. A prova disso é que na comissão especial da reforma a pauta parecer ser uma só: como chegar a tal cifra. Não importa o caminho, quem entra ou quem sai, o que os parlamentares parecem decididos é pela manutenção da economia, como você confere nesta matéria.

Meu bem querer

Depois das turbulências recentes em Brasília, Bolsonaro resolveu dar um jeito na casa. E o caminho escolhido foi justamente o xadrez das posições no governo. O presidente fará mudanças no modelo da articulação política, e a ideia é transferir a Subchefia de Assuntos Parlamentares, hoje abrigada na Casa Civil, para a Secretaria de Governo, que agora será comandada pelo general Luiz Eduardo Ramos. Mas o que interessa (e surpreende) é o novo nome que vai fazer a coordenação política de todo o governo.

Nem um dia

Na onda de reestruturar a equipe, Bolsonaro também está na busca por um novo presidente dos Correios. O presidente já anunciou a saída de Juarez Cunha do cargo por agir como "um sindicalista". A indicação, inclusive, pode ser a última do governo federal, já que o capitão deu sinal verde para que a companhia fosse privatizada. Mas o presidente afirmou hoje que essa venda não é tão simples como parece e precisa do aval do Congresso.

Faltando um pedaço

Como uma empresa que chegou a faturar mais de R$ 130 bilhões entra em recuperação judicial? O caso Odebrecht ainda será muito estudado, mas pode trazer lições para você, investidor. É claro que não se trata apenas de uma questão de ética e condução dos negócios, mas de como o sucesso pode muitas vezes nos fazer tomar decisões erradas. O nosso colunista Felipe Miranda aproveitou a história da maior recuperação judicial do país para falar do seu comportamento no mercado financeiro, e como você deve estar sempre atento para não se afastar de suas origens. Recomendo a leitura!

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Sopa de letrinhas

Entenda como funciona o rating, a nota de crédito dos países e das empresas

A avaliação sobre a capacidade financeira de países e empresas de uma maneira padronizada serve para que os investidores conheçam o nível de risco a que estão se expondo na hora de comprar títulos de dívida. Eu conto para você o conceito que está por trás dessas notas

De olho na economia

Armínio Fraga vê ‘obscurantismo’ e ambiente ‘envenenado’ como entraves à economia

Fraga destacou que o Brasil nunca investiu tão pouco na sua história e que para destravar o investimento será preciso dar mais clareza em áreas que vão além da econômica, como “temas de natureza distributiva”

Novidades à vista?

Petrobras negocia potencial consórcio para leilão de pré-sal, diz presidente

Muitas das maiores petroleiras do mundo, entre elas ExxonMobil, Royal Dutch Shell e BP, além da própria Petrobras, estão registradas para participar da disputa, marcada para 6 de novembro

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

As duas faces do dólar

No filme “As duas faces de um crime”, o eterno canastrão Richard Gere faz o advogado oportunista que defende um jovem acusado de assassinato. A coisa complica quando ele descobre que o garoto interpretado por Edward Norton sofre de múltiplas personalidades. Eu me lembro do filme toda vez que tento encontrar alguma explicação para o […]

Na gringa

Campos Neto: O que foi prometido está sendo entregue

Em encontros no exterior, presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, passa a mensagem de que existe um plano de reinvenção do país com dinheiro privado

OUÇA O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast Touros e Ursos: O cabo de guerra no PSL

Repórteres do Seu Dinheiro trazem em podcast semanal um panorama sobre tudo o que movimentou os seus investimentos nesta semana

Situação delicada

Papéis da Boeing caem 7% em NY com notícia de que companhia pode ter “enganado” FAA

De acordo com o periódico, o piloto Mark Forkner teria reclamado que o sistema conhecido como MCAS, na sigla em inglês, o teria deixado em apuros dois anos antes dos acidentes que tiraram a vida de várias pessoas

Boas novas

Ações da Eletrobras sobem após MME dizer que pode encaminhar PL sobre privatização da empresa até início de novembro

De , a proposta do governo federal para a privatização da Eletrobras ainda é a capitalização, com a diluição da participação da União na holding elétrica

nos eua

Reservas são vistas como seguro e não se fala em mudar isso, diz presidente do BC

Campos Neto mencionou que o que se lê sobre os altos custos para se manter as reservas internacionais no Brasil “não é a realidade” e que nos últimos 15 anos, os custos se igualaram às receitas

no velho continente

Há ‘sinais leves’ de supervalorização dos mercados, diz presidente do Banco Central Europeu

Draghi destaca ainda que o setor financeiro não bancário da zona do euro continua tomando risco, mas pontua que a resiliência do setor bancário permanece “sólida”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements