Menu
2019-04-05T09:53:34+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Política Monetária

Inflação abre o ano surpreendendo para baixo

IPCA-15 é o menor para meses de janeiro desde 1995. E o que a Selic tem com isso?

23 de janeiro de 2019
10:38 - atualizado às 9:53
Ilan-Goldfajn-metas-inflação
Imagem: Vanessa Eyer

Visto como prévia da inflação oficial, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) marcou 0,3% em janeiro, ficando pouco da mediana de 0,33% da “Projeções Broadcast”, com estimativas que variavam entre 0,27% a 0,51%. Em 12 meses, a inflação é de 3,77%.

Desde o fim do ano passado, a surpresa positiva com a inflação vem fomentado um debate sobre o espaço para o Banco Central (BC) deixar a política monetária ainda mais estimulativa. Em português claro, nas contas de alguns especialistas, a Selic poderia testar patamares abaixo de 6,5% ao ano, que vem sendo respeitado desde março do ano passado.

A discussão toda passa pela taxa neutra ou estrutural de juros. Essa é taxa que permite crescimento com inflação nas metas. É uma variável não observável e estaria variando entre 4% a 4,5% segundo pesquisa feita pelo BC em 2017.

No entanto, algumas estimativas alternativas já sugerem que essa taxa poderia estar na casa dos 3% ou menos, reflexo de mudanças no mercado de crédito e outros fatores. Atualmente nossa taxa real (juro nominal descontado da inflação projetada em 12 meses) está ao redor de 2,4% ao ano.

Essa conversa toda nos interessa, pois quanto menor a Selic, melhor o cenário para os ativos de risco como bolsa de valores. Boa notícia, também, para o setor imobiliário e fundos imobiliários. Na renda fixa, os prêmios já caíram bastante nos papéis do Tesouro Direto, mas ainda é possível garimpar oportunidades. Mas há outros bons negócios em outros ativos de renda fixa.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Reafirmando a mensagem

Na terça-feira, uma entrevista do presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, à agência de notícias “Reuters” gerou algum ruído no mercado conforme uma frase do presidente foi lida como um sinal de que o BC estaria disposto a avaliar quão estimulativa está a política monetária, ou seja, quanto o juro real atual está abaixo da chamada taxa neutra ou estrutural.

No fim dia, após um firme ajuste de baixa nos contratos de juros futuros, o BC divulgou uma nota de esclarecimento, dizendo que: “a mensagem de política monetária não se alterou desde a última reunião do Copom e a autoridade monetária continua priorizando a cautela, a perseverança e a serenidade”.

Essa mensagem vem sendo reafirmada desde o fim do ano passado, quando Ilan disse que o Comitê de Política Monetária (Copom) se pauta por mudanças de tendências e não embarca em momentos nos quais os cenários para as variáveis econômicas são mais voláteis para a definição da taxa Selic.

De fato, inflação passada não têm influência sobre as decisões futuras de juro, pois a ingrata tarefa do BC é mirar a inflação de 12 meses a 18 meses para frente. O compromisso do BC é com um IPCA de 4,25% neste ano e de 4% em 2020.

Por ora, a avaliação do Copom é de que Selic em 6,5% é compatível com o atingimento desse objetivo. Estamos em um processo de convergência da inflação às metas “por baixo” desde o IPCA de 2,95% de 2017.

IPCA, metas e expectativas. - Imagem: Banco Central do Brasil

O BC também presta especial atenção aos núcleos de preços, que são uma forma de tentar captar a tendência da inflação. Apesar de continuarem em patamares considerados consistentes com as metas, algumas medidas se aceleraram na passagem de dezembro para janeiro.

O próximo encontro do Copom acontece no dia 6 de fevereiro, quando o Copom volta a analisar o conjunto de dados macroeconômicos e também julga como diferentes fatores podem vir a influir no comportamento da inflação e das expectativas ao longo do tempo.

Outro fator que pode vir a influir na inflação de 2019 é o regime de chuvas, que tem se mostrado aquém do esperado. Algo que pode impacto sobre as bandeiras tarifarias de energia e sobre o preço dos alimentos.

A ver, mas tudo indica que o BC vai seguir com cautela, perseverança e serenidade ao menos até março, quando Ilan deve passar o comando a Roberto Campos Neto, que ainda precisa ser sabatinado pelo Senado.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

De olho nos valores

Preço médio dos imóveis residenciais sobe 0,36% em junho em dez capitais

A pesquisa mostrou que, no mês, todas as dez capitais pesquisadas tiveram alta nos preços médios: Brasília (0,04%), Fortaleza (0,06%), Salvador (0,08%), Porto Alegre (0,16%), Rio de Janeiro (0,18%), Belo Horizonte (0,19%), Curitiba (0,19%), Goiânia (0,22%), Recife (0,38%) e São Paulo (0,68%)

DE OLHO NO GRÁFICO

Bitcoin em nova alta e S&P no sinal amarelo

Fausto Botelho está estupidamente otimista com o bitcoin, que pode ter uma nova onda de valorização. Já o S&P, principal índice americano, pode trazer um terremoto para o resto do mundo

De olho nos próximos recebidos

Preparação de atendimento pela Caixa contribuiu para adiamento de saque do FGTS

Em 2017, para que 25,9 milhões de trabalhadores retirassem R$ 44 bilhões das contas inativas (de contratos anteriores) do FGTS, a Caixa preparou um esquema de atendimento que previu a abertura das agências mais cedo e nos fins de semana no período, que foi de 10 de março a 31 de julho

Entenda o caso

Depois de fixar o preço dos papéis em R$ 1,10 no follow-on, ações da Tecnisa despencam mais de 9%

O mais provável é que a queda vertiginosa esteja associada ao fato de que o papel esteja se ajustando ao preço estipulado na oferta de ações

A hora é agora

Como consultar o seu saldo do FGTS

Medida que injeta até R$ 30 bilhões na economia deve ser anunciada na próxima semana. Saiba como consultar o seu saldo do FGTS

Novidades na prateleira

RCI Brasil, das montadoras Renault e Nissan, passa a oferecer CDB com liquidez diária e rentabilidade de 102% do CDI

A desvantagem é que o valor inicial de aplicação do investimento é um pouco alto. No caso do Banco Sofisa, por exemplo, o valor inicial de aplicação é de R$ 1. Já no Inter e no C6 Bank, a aplicação inicial é de R$ 100

Aos números

Economia com reforma da Previdência após 1º turno fica em R$ 914,3 bilhões

Impacto fiscal ao longo de 10 anos sobe a R$ 933,5 bilhões, considerando aumento CSLL sobre os bancos. MP de fraudes pode render outros R$ 200 bilhões

alteração na agenda

Anúncio sobre FGTS fica para a próxima semana, diz Onyx

Segundo o ministro, as equipes técnicas do Ministério da Economia ainda trabalham em cima dos ajustes necessários

dinheiro na mão

Economistas recomendam sacar recursos do fundo

Aprovada a medida do governo para o saque das contas do FGTS, a orientação dos especialistas é para que os trabalhadores quitem débitos ou invistam

controvérsia

Setor de construção critica liberação de saques do FGTS

Recursos para o trabalhador devem diminuir o total disponível para a construção, o que pode aumentar o déficit habitacional do País, diz vice-presidente de sindicato

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements