Menu
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Política Monetária

Inflação abre o ano surpreendendo para baixo

IPCA-15 é o menor para meses de janeiro desde 1995. E o que a Selic tem com isso?

23 de janeiro de 2019
10:38 - atualizado às 9:53
Ilan-Goldfajn-metas-inflação
Imagem: Vanessa Eyer

Visto como prévia da inflação oficial, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) marcou 0,3% em janeiro, ficando pouco da mediana de 0,33% da “Projeções Broadcast”, com estimativas que variavam entre 0,27% a 0,51%. Em 12 meses, a inflação é de 3,77%.

Desde o fim do ano passado, a surpresa positiva com a inflação vem fomentado um debate sobre o espaço para o Banco Central (BC) deixar a política monetária ainda mais estimulativa. Em português claro, nas contas de alguns especialistas, a Selic poderia testar patamares abaixo de 6,5% ao ano, que vem sendo respeitado desde março do ano passado.

A discussão toda passa pela taxa neutra ou estrutural de juros. Essa é taxa que permite crescimento com inflação nas metas. É uma variável não observável e estaria variando entre 4% a 4,5% segundo pesquisa feita pelo BC em 2017.

No entanto, algumas estimativas alternativas já sugerem que essa taxa poderia estar na casa dos 3% ou menos, reflexo de mudanças no mercado de crédito e outros fatores. Atualmente nossa taxa real (juro nominal descontado da inflação projetada em 12 meses) está ao redor de 2,4% ao ano.

Essa conversa toda nos interessa, pois quanto menor a Selic, melhor o cenário para os ativos de risco como bolsa de valores. Boa notícia, também, para o setor imobiliário e fundos imobiliários. Na renda fixa, os prêmios já caíram bastante nos papéis do Tesouro Direto, mas ainda é possível garimpar oportunidades. Mas há outros bons negócios em outros ativos de renda fixa.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Reafirmando a mensagem

Na terça-feira, uma entrevista do presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, à agência de notícias “Reuters” gerou algum ruído no mercado conforme uma frase do presidente foi lida como um sinal de que o BC estaria disposto a avaliar quão estimulativa está a política monetária, ou seja, quanto o juro real atual está abaixo da chamada taxa neutra ou estrutural.

No fim dia, após um firme ajuste de baixa nos contratos de juros futuros, o BC divulgou uma nota de esclarecimento, dizendo que: “a mensagem de política monetária não se alterou desde a última reunião do Copom e a autoridade monetária continua priorizando a cautela, a perseverança e a serenidade”.

Essa mensagem vem sendo reafirmada desde o fim do ano passado, quando Ilan disse que o Comitê de Política Monetária (Copom) se pauta por mudanças de tendências e não embarca em momentos nos quais os cenários para as variáveis econômicas são mais voláteis para a definição da taxa Selic.

De fato, inflação passada não têm influência sobre as decisões futuras de juro, pois a ingrata tarefa do BC é mirar a inflação de 12 meses a 18 meses para frente. O compromisso do BC é com um IPCA de 4,25% neste ano e de 4% em 2020.

Por ora, a avaliação do Copom é de que Selic em 6,5% é compatível com o atingimento desse objetivo. Estamos em um processo de convergência da inflação às metas “por baixo” desde o IPCA de 2,95% de 2017.

IPCA, metas e expectativas. - Imagem: Banco Central do Brasil

O BC também presta especial atenção aos núcleos de preços, que são uma forma de tentar captar a tendência da inflação. Apesar de continuarem em patamares considerados consistentes com as metas, algumas medidas se aceleraram na passagem de dezembro para janeiro.

O próximo encontro do Copom acontece no dia 6 de fevereiro, quando o Copom volta a analisar o conjunto de dados macroeconômicos e também julga como diferentes fatores podem vir a influir no comportamento da inflação e das expectativas ao longo do tempo.

Outro fator que pode vir a influir na inflação de 2019 é o regime de chuvas, que tem se mostrado aquém do esperado. Algo que pode impacto sobre as bandeiras tarifarias de energia e sobre o preço dos alimentos.

A ver, mas tudo indica que o BC vai seguir com cautela, perseverança e serenidade ao menos até março, quando Ilan deve passar o comando a Roberto Campos Neto, que ainda precisa ser sabatinado pelo Senado.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Partido Comunista Chinês diz que economia enfrenta pressões negativas

Dificuldades econômicas se devem a mais fatores estruturais e sistêmicos que cíclicos, diz o partido

Guerra das maquininhas

Ofensiva da Rede chancela discurso do Itaú que defendia pagamento em dois dias

Ao isentar a taxa de antecipação de recebíveis para alguns clientes, a Rede faz um contra-ataque agressivo para ganhar escala; Associação Brasileira de Instituições de Pagamentos, presidida por um diretor da Stone, vê prática anticompetitiva

Enquanto isso, no WhatsApp

Plano de Guedes para gás mais barato encontra resistência na Petrobras

Setores da Petrobras resistem ao plano do ministro da Economia, Paulo Guedes, de abrir o mercado de gás e acabar com o monopólio da estatal

Petrobras

Alta da gasolina este ano é superior à do óleo diesel

Petrobras, contudo, não repassou integralmente os ajustes da cotação do petróleo no mercado internacional, e gasolina aumentou menos do que deveria

Reforma da Previdência

Centrão diz que pode votar reforma na CCJ na terça, mas espera novo relatório

De acordo com parlamentares ouvidos pela reportagem, há avanços para a retirada de quatro pontos do relatório

IPO

Rede social Pinterest estreia na bolsa com alta de 28%

IPO da rede social na bolsa de Nova York ocorreu na última quinta. A valorização fez a empresa ser avaliada em US$ 16 bilhões

TUDO QUE VAI MEXER COM SEU DINHEIRO HOJE

Hora do acerto de contas

Caro leitor, Desde que eu comecei a cobrir finanças pessoais e investimentos, o mês de abril tem sido de especial agitação. E isso não apenas por causa do meu inferno astral, já que meu aniversário é no começo de maio, mas também porque se avizinha o fim do prazo para entregar a famigerada declaração de […]

Disputa pelos ares

Cade analisará Latam e Gol no caso Avianca

Órgão de defesa da concorrência abre processo para investigar conduta anticompetitiva de Gol e Latam. A suspeita é que companhias tenham entrado na disputa de forma a tirar a Azul da jogada

Vídeo

Por que a política tem tanta influência na bolsa brasileira?

Nas últimas semanas, canetadas presidenciais mexeram com o Ibovespa. Entenda por que quem investe em ações no Brasil tem que ficar mais de olho na política do que o normal

IR 2019

Como declarar o imposto de renda 2019: tudo que você precisa saber para prestar contas ao Leão

Neste guia, você encontra o caminho das pedras para preencher e entregar a sua declaração de imposto de renda, mesmo que seja a sua primeira vez

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

GUIA GRATUITO

Como declarar seus investimentos no IR 2019