Menu
2019-08-01T13:33:43-03:00
dados do campo

Índice de preços de alimentos da FAO cai 1,21% em julho ante junho

Indicador foi pressionado por preços mais baixos de cereais, laticínios e açúcar, que mais que compensaram os aumentos nos preços de carnes e óleos vegetais

1 de agosto de 2019
13:33
Agricultura no Brasil
Agricultura no Brasil - Imagem: Shutterstock

O Índice de Preços de Alimentos da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) alcançou média de 170,9 pontos em julho de 2019, recuo de 2,1 pontos (1,21%) em relação a junho, interrompendo seis altas consecutivas. Em relação a igual mês de 2018, o Índice registrou queda de 1,1%. Conforme comunicado da FAO, divulgado nesta quinta-feira, 1º de agosto, o indicador foi pressionado por preços mais baixos de cereais, laticínios e açúcar, que mais que compensaram os aumentos nos preços de carnes e óleos vegetais.

O subíndice de preços dos Cereais registrou média de 168,6 pontos em julho, queda de 4,6 pontos (2,7%) em relação ao mês anterior, mas cerca de 4,1% superior ao reportado em igual mês do ano passado. De acordo com a organização, o declínio mensal deve-se à redução nos preços do trigo e do milho.

"No mercado de trigo, apesar dos ajustes para baixo nas perspectivas de produção em vários países, as ofertas volumosas para exportação e as expectativas contínuas de produção mundial recorde nesta safra pesaram sobre os preços internacionais", apontou a FAO.

Da mesma forma, segundo a entidade, as cotações internacionais do milho recuaram em virtude das amplas disponibilidades de exportação, especialmente na Argentina e no Brasil. Em compensação, o índice de preços do arroz da FAO manteve-se estável pelo quinto mês consecutivo, em meio a baixo volume de negócios.

O levantamento mensal da FAO também apontou que o Índice de Preços do Óleo Vegetal registrou média de 126,5 pontos em julho, alta de 1 ponto (0,8%) em comparação com junho, mas 11% abaixo do nível observado no mesmo mês do ano anterior. "A alta nos preços dos óleos de soja e de girassol mais do que compensaram uma nova queda nas cotações do óleo de palma", apontou a entidade.

De acordo com a FAO, os preços internacionais do óleo de palma esticaram a queda, pressionados pela fraca demanda global de importação e pelas perspectivas de aumento sazonal da produção nos principais países exportadores do Sudeste Asiático. Em compensação, a organização indicou também que os preços do óleo de soja avançaram acompanhando a alta do complexo da oleaginosa e o menor volume de esmagamento nos Estados Unidos. As cotações dos óleos de girassol também registraram avanço, sustentado pela desaceleração na moagem na região do Mar Negro e pela demanda robusta de importação mundial.

Na sondagem mensal da FAO, o Índice de Preços da Carne apresentou média de 176,2 pontos em julho, o que indica avanço de 0,2 ponto (0,11%) em relação a junho, "continuando com os moderados aumentos de preços registrados nos últimos seis meses".

Conforme a FAO, o índice está quase 10% acima do nível reportado em janeiro deste ano, porém cerca de 17% abaixo do seu pico em agosto de 2014. O documento da organização mostrou, ainda, que as cotações internacionais de carne ovina e bovina aumentaram ainda mais, impulsionadas pela forte demanda de importação da Ásia.

"No entanto, os preços da carne suína recuaram ligeiramente após quatro meses de aumentos contínuos, refletindo maiores disponibilidades de exportação do Brasil e dos Estados Unidos", destacou a FAO.

Os preços de carne de frango permaneceram estáveis em relação ao patamar de junho, informa a entidade, em função da demanda estável.

Já o Índice de Preços de Laticínios registrou média de 193,5 pontos em julho, queda de 5,7 pontos (2,9%) em relação ao registrado em junho, marcando a segunda queda consecutivo, mas ainda 6% maior em relação ao início do ano. O nível está também 3% abaixo do reportado no mesmo mês do ano passado.

Segundo a FAO, em julho, as cotações da manteiga, do queijo e do leite em pó integral declinaram ainda mais com fraca comercialização no spot e com a demanda no Hemisfério Norte prejudicada pelo período de ferias escolares. "Em contrapartida, os preços do leite em pó desnatado se recuperaram, apoiados por um maior interesse de compra dos países do Oriente Médio e da Ásia", explicou a entidade.

A organização calculou, ainda, que o subíndice de preços do açúcar ficou, em média, em 183,3 pontos em julho, queda de 1,1 ponto (0,6%) em relação a junho. Conforme a FAO, os preços do adoçante foram influenciados, em grande parte, pela expectativa de maior produção de cana-de-açúcar na Índia com chuvas acima da média nas principais regiões produtoras do país.

"O declínio nos preços mundiais foi, no entanto, de certa forma contido pelo fortalecimento da moeda brasileira em relação ao dólar norte-americano, movimento que tende a restringir as exportações do Brasil", informa o relatório.

Ainda, segundo a FAO, as estimativas que mostram menor produção do adoçante no Centro-Sul do Brasil forneceram certo suporte aos preços mundiais.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

melhor no indicador

‘Prévia’ do PIB avança 0,17% em outubro

IBC-Br considera a trajetória das variáveis da agropecuária, indústria e serviços, além de impostos sobre produtos.

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

No radar: 33º recorde na bolsa e fraude na Via Varejo

O Ibovespa bateu seu 33º recorde neste ano ontem e o dólar fechou abaixo de R$ 4,10. Entre as empresas o destaque é a Via Varejo, que deixou todo mundo de cabelo em pé ao confirmar uma fraude bilionária. Combina bem com o clima de sexta-feira 13. O que você precisa saber hoje: Mercados • O […]

Hora de dar tchau

BNDES avalia vender sua fatia na Petrobras em oferta que pode chegar a R$ 24 bi

Intenção do banco é vender toda a fatia que detém hoje da petroleira, ou seja, 10% do total de ações ordinárias emitidas pela Petrobras via oferta pública de ações

avanço no paraná

Ânima compra UniCuritiba por R$ 130 milhões

Dono de conceito máximo do MEC (nota 5) e prestes a completar 70 anos de história, o UniCuritiba é a quinta maior instituição privada da região Sul

voltando atrás

Sob pressão, relator propõe reduzir fundo eleitoral para R$ 2 bilhões

Comissão Mista do Orçamento, formada por deputados e senadores, aprovou na semana passada relatório de Domingos Neto que prevê R$ 3,8 bilhões para o fundo usado para financiar as campanhas eleitorais

Novidades no setor

Ford pode investir R$ 1,4 bi na Bahia, afirma sindicato

Segundo o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, o que o presidente da Ford América do Sul, Lylle Watters, pediu na semana passada, em reunião com os trabalhadores, “é a precarização da mão de obra”

Entrevista

‘Sinais sugerem trajetória de crescimento’, diz ex-diretor do BC

Alexandre Schwartsman diz acreditar que o Banco Central ainda tem espaço para novos cortes dos juros básico, hoje em 4,5% ao ano

para marcar na agenda

Caixa anuncia saques de até R$ 998 do FGTS para 20 de dezembro

Bolsonaro sancionou nesta quinta-feira (12) a Medida Provisória que aumenta o limite do saque imediato do FGTS, anteriormente em R$ 500

cada vez mais br

Amazon anuncia centro de distribuição em Pernambuco

Anúncio representa mais um avanço sobre o mercado local; em setembro deste ano americana lançou no Brasil o serviço “Prime”, ao custo de R$ 9,90 mensais

reputação melhor

S&P eleva perspectiva de crédito da Petrobras

Agência alterou de estável para positiva a perspectiva dos ratings de todas as entidades corporativas e de infraestrutura cujos níveis de risco são direta ou indiretamente limitados pelo rating soberano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements