Menu
2019-07-22T16:22:13-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Olha só...

Indicada para o FED, Judy Shelton é a favor de corte de juros em 50 pontos-base já neste mês

As informações são do jornal Washington Post. Em declarações feitas por e-mail, ela ressaltou que defenderia um corte já na reunião feita em junho em que o banco optou por manter o juro entre 2,25% e 2,5% ao ano

22 de julho de 2019
16:22
Dólar
Imagem: Shutterstock

Com a aproximação de um dos encontros de política monetária mais relevantes do último ano, a indicada para uma vaga no conselho do Fed, ou banco central norte-americano, Judy Shelton, foi taxativa ao dizer que apoiaria um corte de 50 pontos-base na taxa básica de juros do país, na reunião que ocorre no próximo dia 31. As informações são do jornal Washington Post e foram publicadas hoje (22).

Em declarações feitas por e-mail, Shelton disse que há argumentos favoráveis a um corte maior do que está prevendo a maioria do mercado, que antecipa uma redução de 25 pontos-base. Um dos maiores motivos seria a fraqueza econômica no exterior. Ela ainda destacou que mesmo que o corte seja de 50 pontos-base, a taxa ficaria bem acima de zero.

"Eu acredito que as condições globais e o caminho que está sendo traçado por outros bancos centrais são fatores que o Federal Reserve deve levar em consideração para ver quanto deve baixar no dia 31", destacou a indicada.

Ela ressaltou ainda que defenderia um corte já na reunião feita em junho em que o banco optou por manter o juro entre 2,25% e 2,5% ao ano e acenou para uma redução caso visse o crescimento ameaçado.

Os juros nos EUA

Na divulgação do Livro Bege feita na semana passada, o Fed pontuou que "a perspectiva geral é positiva para os próximos meses, com manutenção de expectativas de crescimento modesto, apesar das preocupações generalizadas sobre o possível impacto negativo da incerteza relacionada ao comércio".

Mas apesar do tom mais positivo com a performance da economia dos EUA, o presidente do Fed, Jerome Powell, tem sinalizado em discursos recentes que a autoridade monetária está pronta para cortar a taxa de juros diante da crescente tensão comercial, da desaceleração econômica global e da inflação branda.

Assim como pontuou a nossa colunista Angela Bittencourt na semana passada, o Fed poderá iniciar o ciclo de redução da taxa básica de juro, após quase um ano e meio de alta iniciada em março de 2017 no encontro da próxima semana. Isso porque, de lá para cá, o juro americano aumentou 10 vezes, do intervalo de zero a 0,25% para 2,25% a 2,50%.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Recado ao mercado

O BC até pode cortar a Selic em 2020, mas deixou claro que o ciclo está perto do fim

O Copom deixou a porta aberta para mais um corte de 0,25 ponto na Selic em 2020. E, ao não se comprometer com o próximo passo, o BC passou a mensagem de que a onda de reduções nos juros está quase terminando

Seu mentor de investimentos

Caça ao tesouro: as joias descobertas em minha longa carreira no mercado financeiro

Ivan Sant’Anna lembra das grandes tacadas que deu em sua carreira como broker e fala sobre o processo de descobrimento dos tesouros enterrados no mercado

A Bula do Mercado

Copom se prepara para aterrissar e Brasil, para decolar

BC brasileiro indica que fim do ciclo de cortes da Selic está próximo, mas mantém porta aberta para novas quedas, enquanto S&P melhora perspectiva do rating do país

UM DOS IPOs DO ANO

Presidente da XP diz que não descarta listar a companhia na bolsa brasileira

O executivo disse que a ideia sempre foi fazer uma listagem no Brasil, visto que a empresa sempre se posicionou “como disruptora do mercado local, democratizando investimentos”

POLÍTICA

Justiça derruba suspensão de deputados do PSL; Joice pode perder liderança

Nesta quarta-feira, Joice foi confirmada líder do PSL na Câmara e em sua primeira coletiva no cargo afirmou que vai buscar uma pacificação na bancada

Até que enfim!

Agência de risco S&P eleva perspectiva para nota do Brasil para “positiva”

Embora atrasada, a decisão da S&P abre caminho para a recuperação no selo de bom pagador do país, perdido em setembro de 2015

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

A última superquarta do ano

Nesta última superquarta de 2019, o mercado ficou em compasso de espera pelas decisões de política monetária do Federal Reserve (Fed), o banco central americano, e do Banco Central brasileiro. No meio da tarde, o Fed anunciou a manutenção das taxas de juros, interrompendo um ciclo de três reduções consecutivas. Mas como o resultado já […]

Sessão tranquila

Sem surpresas com o Fed, dólar cai a R$ 4,11 e Ibovespa fecha em leve alta

A primeira parte do script imaginado pelos mercados foi cumprida à risca: o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) manteve a taxa de juros no país na faixa de 1,50% e 1,75% ao ano, conforme era esperado pelos agentes financeiros. E, sem nenhuma surpresa, o dólar à vista encontrou espaço para continuar caindo, enquanto […]

Menor juro da história

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 4,5% ao ano

Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras de renda fixa agora que o Banco Central cortou a Selic mais uma vez

Juros

Banco Central reduz juros para 4,5% ao ano, mas não garante novos cortes

Com a nova redução de 0,5 ponto percentual em decisão unânime tomada pelo Copom, a Selic renova a mínima histórica

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements