Menu
2019-10-10T16:14:44+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Siga o dinheiro

IIF projeta fluxo de US$ 760 bilhões para emergentes em 2020

Agora em 2019, valor projetado é de US$ 704 bilhões. Instituição prevê crescimento global de 2,6% neste ano, menor desde 2012

10 de outubro de 2019
16:14
mercados emergentes
Imagem: Shutterstock

A expectativa é de menor crescimento mundial agora em 2019, mas esse vetor não deve afetar o fluxo de recursos para os mercados emergentes, que se beneficiam dos cortes de juros feitos pelos principais Bancos Centrais globais e pela busca por retorno dos investidores em um ambiente de juros negativos.

Segundo estudo do Instituto Internacional de Finanças (IIF), a economia mundial deve crescer 2,6% agora em 2019, menor leitura desde 2012, após alta de 3,2% em 2018. Para 2020, a projeção é de breve aceleração para 2,8%, puxada pelos emergentes. As revisões para baixo foram lideradas  pelos países desenvolvidos. O Brasil deve crescer 0,9% neste ano e 2,1% em 2020, nas contas do instituto.

Mesmo com crescimento menor, o IIF estima que o fluxo de recursos para emergentes (desconsiderando a China) será de US$ 704 bilhões neste ano, maior que os US$ 626 bilhões de 2018. Para 2020, a projeção é de novo avanço para US$ 760 bilhões. Para dar mais um parâmetro, 2017 teve US$ 817 bilhões.

Olhando as projeções para o fluxo de portfólio, voltado para ações e dívida emergente, a projeção é de alta de US$ 82 bilhões em 2018 para US$ 185 bilhões agora em 2019 e US$ 208 bilhões em 2020.

O IIF avalia que apesar de alguma melhora no sentimento com relação ao mercado de ações emergentes, um aumento muito forte no fluxo para esse segmento de mercado deve ser dificultado em função do grande volume de “hot money” que já foi aportado nos últimos dez anos. Assim, os aportes no mercado de dívida devem continuar preponderando.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

BCs e risco

Na avaliação do IIF, os cortes de juros feitos pelos BCs em âmbito global dão suporte à exposição dos investidores aos ativos de risco. Há outros dois vetores que influenciam o comportamento dos mercados emergentes: a guerra comercial, que acentua a volatilidade, e fatores técnicos, como o balanceamento de índices globais, como o MSCI.

Embora eventos locais influenciem cada um dos mercados, o IIF chama atenção para o impacto dos vetores globais, especialmente nos fluxos de renda fixa. Com cerca de US$ 15 trilhões alocados em ativos de juro negativo, os investidores estão buscando retornos, expandindo exposição a dívidas emergentes e outros mercados.

Nas suas conclusões, o IIF se diz cautelosamente otimista com o fluxo de capitais para emergentes no fim de 2019 e 2020. Não há dúvida de que vulnerabilidades financeiras se acumularam nos anos de juros baixos. Assim, uma queda mais acentuada do crescimento mundial pode resultar em nova rodada de instabilidade.

O IIF também chama atenção para o comportamento sincronizado dos preços dos ativos emergentes, o que traz algumas preocupações com movimentos de contágio. No entanto, se as tensões comerciais se aliviarem, as boas condições globais de liquidez ajudarão a impulsionar o fluxo de recursos para emergentes.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Reviravolta na trama

Após uma temporada no mundo invertido, a Netflix voltou a brilhar no terceiro trimestre

A Netflix reportou um crescimento surpreendente no lucro líquido e uma recuperação no total de novos assinantes pagos — resultados que agradaram o mercado

Voos mais altos

Azul vai expandir rotas internacionais, mas não anuncia agora por causa do dólar

O executivo frisou, porém, que o foco da Azul está no mercado doméstico – a intenção é “elevar” o nível do Brasil em termos de conectividade aérea

De olho no crédito

BC lança nova página sobre informações do mercado imobiliário

O Banco Central explica que a nova publicação é resultado da compilação de informações recebidas pelo Banco Central através do Sistema de Informações de Créditos (SCR), Sistema de Informações Contábeis (Cosif), Direcionamento dos Depósitos de Poupança (RCO) e dados das entidades de depósito e registro de ativos

Colocando os pingos nos "is"

Não houve pressão para capitalizar companhia, diz presidente da Eletrobras

Ele defendeu que, se o governo efetivamente quisesse os recursos da Eletrobras, seria mais fácil realizar diretamente a capitalização dos cerca de R$ 4 bilhões de Adiantamentos para Futuro Aumento de Capital (AFACs) e com esse recurso pagar os dividendos, alternativa em que a União receberia um volume maior de recursos

Juros

Selic abaixo de 4%? Itaú Asset acredita em 3,75% em 2020

Descontando a inflação esperada dessa projeção para a Selic, temos juro real próximo de zero. Na verdade, um toquinho de 0,14% ao ano

Vai que vai

É hora delas? Bradesco BBI aposta alto nos números de Unidas e Movida

No setor de locação, todos os três papéis (Localiza, Unidas e Movida) estão com recomendações de compra pela casa, mas a Localiza não está na lista das preferidas do analista Victor Mizusaki

Siga o dinheiro

Fuga de dólares bate US$ 40 bilhões em 12 meses. Surpreso? Não deveria…

Saída de recursos é a maior desde que abandonamos o regime de bandas cambiais em 1999. Desde abril, o BC vem alertando para uma mudança estrutural no mercado de câmbio

Boas novas

Juro baixo faz BlackRock ampliar aposta no Brasil

A projeção é que a Selic baixa empurre investidores para ativos de mais risco, incluindo investimentos no exterior, que ainda engatinham por aqui

dinheiro no bolso

36,9 milhões de correntistas da Caixa já sacaram recurso do FGTS

Saque de até R$ 500 por conta ativa ou inativa do fundo tem sido feito de forma escalonada, dependendo da data de aniversário de trabalhador

novas funções

Relator de MP que permite saque do FGTS vai ampliar forma de aplicação do fundo

Hoje, a lei só permite que o dinheiro seja usado para financiar moradias, saneamento e infraestrutura

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements