Menu
Pesquisa global com CEOs

Humor de executivos com o Brasil melhora em 2019, mas país está longe de empolgar, diz PwC

Relatório mostra que Brasil é o sexto destino potencial para novos investimentos no curto prazo

21 de janeiro de 2019
17:20 - atualizado às 14:41

Após o humor despencar em 2017 em relação ao Brasil e mostrar alguma recuperação no ano passado, executivos melhoraram suas percepções em relação à retomada econômica do País nos próximos 12 meses, conforme uma pesquisa da PwC divulgada nesta segunda-feira, 21, em Davos, na véspera da abertura oficial do Fórum Econômico Mundial de 2019. Na 22ª Pesquisa Global com os CEOs da PwC, 43% dos entrevistados brasileiros projetaram crescimento de suas empresas em 2019. O otimismo dos profissionais domésticos supera a média global e é maior do que os 39% registrados um ano antes.

A melhora, no entanto, está muito longe de ser empolgante. No levantamento geral, realizado com 1.378 CEOs de 91 países dos cinco continentes, de setembro a outubro passado, o Brasil é apontado como o sexto destino potencial para novos investimentos no curto prazo. A sondagem identificou que, em um momento de muitas incertezas globais, os profissionais estão preferindo focar as atividades - e o dinheiro - em seus próprios países.

Os entrevistados foram solicitados a identificar os três mercados mais atraentes para investimento fora de seu território, e, em meio a essas incertezas dos últimos meses, uma fatia nada desprezível, de 15%, respondeu "não saber" - no levantamento anterior era uma parcela de apenas 8%. Esse não comprometimento dos líderes ficou na terceira posição, atrás de Estados Unidos (27%) e China (24%). Apesar de as duas maiores potências econômicas do globo ainda atraírem a atenção de investidores, sentiram o baque da diminuição do interesse, uma vez que, no ano passado, tinham fatias de, respectivamente, 46% e 33%.

Na terceira posição entre os países está a Alemanha, que passou de 20% para 13%, e, na quinta, a Índia, de 9% para 8%. Antes de qualquer outro país, figurou "nenhum outro território", que disparou de 1% para 8% de 2018 para 2019, revelando que esses CEOs não conseguiram nomear três países separadamente além do lugar onde atuam. "Dado o nível de incerteza em torno das questões comerciais e políticas, não é de surpreender que os CEOs estejam se concentrando em casa", observou a PwC, acrescentando que os governos podem ver isso como uma oportunidade para lembrar às empresas que seus países estão abertos para negócios.

O Reino Unido, por sua vez, passou de 15% para 8% e o Brasil, de 7% para 6%, exatamente como ocorreu com a França. "Apesar da retração econômica dos últimos anos, a pesquisa mostra que o Brasil segue em destaque no cenário global: o País ocupa o sexto lugar entre os mais citados pelos CEOs globais como possíveis focos de investimentos ao longo de 2019, atrás de EUA, China, Alemanha, Índia e Reino Unido", considerou a PwC.

Bolsonaro

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, chega ao Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suíça, no primeiro mês de seu mandato, para usar o evento como uma vitrine para o novo governo. O ministro da Economia, Paulo Guedes, terá a partir de terça-feira uma série de encontros com investidores e empresários. Basicamente, o Brasil está aberto a receber recursos estrangeiros. Muitos investidores de fora, no entanto, dizem estar prestes a definir o País como destino de seus recursos, mas querem ter a certeza, antes, de que haverá um compromisso com a questão fiscal, que, neste momento, se traduz como o ponto mais urgente a reforma da Previdência.

A pesquisa da PwC mostra que a média global de executivos que espera aumentar o faturamento de suas empresas nos próximos 12 meses é de 35%. Por outro lado, quando perguntados sobre a expectativa para os próximos três anos, 48% dos CEOs brasileiros acreditam que suas companhias devem crescer, ante 54% na pesquisa anterior.

Para confirmar o aumento no faturamento de suas empresas, cerca de 91% dos CEOs brasileiros esperam ter crescimento orgânico em 2019, enquanto 89% buscarão aprimorar a eficiência operacional, 76% devem lançar novos produtos e serviços e 57% visam trabalhos conjuntos com empreendedores e startups. As alianças e possíveis joint ventures estão nos planos de 52% dos líderes brasileiros nos próximos 12 meses e outros 39% devem participar de processos de fusões e aquisições.

Entre as principais preocupações dos líderes locais para o próximo ano, destaque para o crescimento da carga tributária (mencionada por 96%), seguida do excesso de regulação (93%). Fatores políticos seguem como motivo de preocupação: incertezas como o cenário da política nacional foram citadas por 91%, enquanto a instabilidade social representou 89% e o populismo, outros 85%.

"A retomada do crescimento econômico brasileiro dá sinais de avanços. A pesquisa mostra que o País não saiu do radar internacional para fins de investimentos. O momento exige esforços das empresas para focar processos disruptivos que mantenham suas organizações em destaque aos olhos do mundo", afirmou o sócio-presidente da PwC Brasil, Fernando Alves.

Ainda sobre o contexto atual de tensões no globo, o levantamento revelou que a maior ameaça para as companhias é a incerteza política nos países de atuação, fator citado por 78% dos CEOs, seguida pelas incertezas geopolíticas (75%), excesso de regulação e instabilidade no crescimento global (ambos com 73%), conflitos comerciais (70%), protecionismo (68%), volatilidade do câmbio (66%) e crescimento da carga tributária nos países de atuação (62%).

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Investigação aberta

Cade coloca BB, Bradesco, Caixa e Santander na mira por suposta discriminação ao Nubank

Indícios mostram que essas instituições estariam dificultando o acesso ao débito automático para os clientes do banco digital

Seu Dinheiro na sua noite

O tenista quer voltar ao topo

Antes de conquistar o mundo das cervejas e dos hambúrgueres, o bilionário brasileiro Jorge Paulo Lemann foi jogador profissional de tênis. Ele revelou recentemente que ainda dá suas raquetadas, e com ninguém menos que o suíço Roger Federer do outro lado da quadra. Aos 79 anos, Lemann é um veterano no mundo dos negócios e […]

Transparência na reforma?

Secretário da Previdência diz a Radio que “não há decretação de sigilo, dados são públicos”

Rogério Marinho também afirmou que a equipe econômica está refinando os números para levá-los à comissão especial de mérito

Nós pagamos

Gasto com subsídios somou R$ 314 bilhões em 2018, ou 4,6% do PIB

Número é elevado, mas marca terceiro ano de queda, depois de somar 6,7% do PIB em 2015. Essa é uma boa ilustração da política de custos difusos e benefícios concentrados

Sem informação, sem acordo

Oposição quer barrar votação da reforma da Previdência na CCJ exigindo divulgação de dados

Parlamentares também avaliam pedir uma nova fase de discussões se o parecer do relator Marcelo Freitas (PSL-MG) for alterado

Com o balanço no forno

A campeã voltou? Calor e Carnaval devem impulsionar resultado da Ambev, diz Goldman Sachs

Analistas do banco americano reiteraram a compra das ações depois de participarem de uma reunião com diretores da cervejaria, que apontaram o crescimento no segmento “premium”

Tensões e farpas no governo

Mourão alfineta Olavo de Carvalho e diz que ele deve voltar para a função de astrólogo

Vice-presidente rebateu o guru do bolsonarismo após um vídeo em que Olavo aparece fazendo duras críticas aos militares

IR 2019

Plantão do IR: como retificar a declaração para incluir um bem que vinha sendo omitido?

A repórter Julia Wiltgen conversou com o advogado tributarista Samir Choaib, da Choaib, Paiva e Justo Advogados, e respondeu às principais dúvidas dos leitores do Seu Dinheiro

lenda viva

As previsões do bilionário Warren Buffett: criptomoedas, ‘terra-planistas’ e a própria morte

Site reúne uma série de “previsões” que o investidor americano fez nas últimas décadas; ele acertou a maior parte

IR 2019

Plantão do IR: como calcular o valor do meu patrimônio se tenho bens junto com meu cônjuge?

A repórter Julia Wiltgen conversou com o advogado tributarista Samir Choaib, da Choaib, Paiva e Justo Advogados, e respondeu às principais dúvidas dos leitores do Seu Dinheiro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

GUIA GRATUITO

Como declarar seus investimentos no IR 2019