Menu
2019-06-10T20:13:07+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Palestra na OAB

Guedes fala que caso envolvendo Moro não é coincidência, mas uma das muitas bombinhas que tentam paralisar a reforma da Previdência

Ministro também falou que quem é marxista do ponto de vista econômico é um ignorante. É como se o sujeito defendesse a terra plana

10 de junho de 2019
20:13
Paulo Guedes ministro da economia na CCJ
Ministro da Economia, Paulo Guedes. -

O ministro da Economia, Paulo Guedes, comentou o caso envolvendo o vazamento de conversas de Sergio Moro, quando juiz, com procuradores da Operação Lava Jato. O ministrou disse que o evento não é uma coincidência e colocou o caso junto com outras “bombinhas” que estouram tentado paralisar a reforma da Previdência.

O ministro participou de uma sessão plenária da Ordem dos Advogados do Brasil, evento que não estava em sua agenda oficial até ele praticamente concluir seu discurso no evento.

Logo no começo de sua fala, Guedes falou que a Previdência é um buraco negro que ameaça nos engolir “antes de acabar a palestra”. Na sequência ele citou a gravação, feita em maio de 2017, envolvendo o presidente Michel Temer e como isso paralisou a reforma da Previdência que discutia naquele momento.

“E não foi por falta de tentativa, toda hora tem uma. Uma hora é o Michel, outra é o filho do Bolsonaro o outro é não sei o que lá, hoje é o Moro”.

Guedes falou que apenas a plateia, composta por advogados, tinha a capacidade de analisar o mérito da questão, mas que não era uma coincidência e que a cada hora estoura uma "bombinha" diferente.

“Só os senhores têm capacidade para examinar o mérito, mas não é coincidência que estoura essa bombinha. Cada hora estoura uma vendo se paralisa a marcha dos eventos e isso é uma visão muito míope, muito superficial do fenômeno”, afirmou.

Na sequência, Guedes listou os gastos com Previdência no país, mostrou que eles superam em muito o que investe em saúde e educação e que apesar de sermos um país jovens gastamos muito com aposentadorias e pensões.

Para o ministro, esse é um problema que tem de ser atacado agora e que “essa é a pior medida, a mais antipática”.

Ele lembrou das conversas com o então candidato Bolsonaro e como antes de tomar posse ele não poderia apoiar a reforma de Temer, que estava em processo avançando no Congresso. Disse que Bolsonaro se comprometeu em fazer a reforma, além de acabar com a roubalheira no país, é que “estamos com absoluta confiança” no Congresso, no presidente da Câmara, Rodrigo Maia, do Senado, Davi Alcolumbre, e que percebe apoio de prefeitos, governadores e demais agentes políticos.

Capitalização

Guedes voltou a fazer uma defesa enfática do sistema de capitalização, falando que o sistema leva recursos para o futuro e coloca o juro composto para trabalhar para os mais pobres.

Além disso, chamou o financiamento da atual Previdência de “cruel e burro”, pois os impostos incidem sobre a folha de pagamento e disse que a ideia de adotar um imposto sobre pagamentos é pensada nesse contexto de achar outras formas de financiar a Previdência.

O ministro também defendeu a ideia da carteira de trabalho verde e amarela, que teria menos leis trabalhistas, vale o acertado entre patrão e empregado, e o jovem teria sua “caderneta de poupança”, levando recursos para o futuro.

Sem entrar em detalhes, o ministro disse que o gestor dessa poupança vai ser acompanhado pelo governo e que ele teria compromisso em entregar uma rentabilidade mínima anual. No caso de falha, esse gestor seria desqualificado pelo governo e arcaria com seu capital para garantir a remuneração mínima acordada.

Terra plana e marxismo

Guedes também defendeu que o que aumenta a produtividade do trabalho é capital e que a teoria do “valor-trabalho”, defendida por economistas marxistas é o equivalente a acreditar na terra plana.

“Quem é marxista do ponto de vista econômico é um ignorante. É como se o sujeito defendesse a terra plana”, disse.

Ainda de acordo com Guedes, o socialista que pensa que o capital tira valor do trabalho tem uma “visão completamente boboca”. “O melhor amigo do trabalho é a acumulação de capital”, afirmou.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

avanços no diálogo

G-7: EUA e Japão fecham acordo; Japão vai comprar excedente de milho americano

No entanto, segundo Trump, tarifas de automóveis dos EUA, que as autoridades japonesas queriam ver reduzidas, permanecerão onde estão

libra

Projeto de criptomoeda do Facebook pode sofrer baixa com parceiros

Segundo o Financial Times, são dois os parceiros da empreitada de criptomoeda que disseram ao jornal estar considerando abandonar a moeda digital

crise do clima

G7 quer ajudar o mais rápido possível nos incêndios da Amazônia, diz Macron

Segundo o presidente da França, “tudo depende dos países da Amazônia”, que compreensivelmente defendem sua soberania

roupa remendada

Tasso terá de dar parecer para 130 emendas à reforma

Cabe ao senador, que deve entregar seu relatório na semana que vem, decidir se acata ou não as sugestões de alterações

economia que patina

País deve andar em passo lento, mesmo com reformas

Destruição provocada pela recessão, com empresas indo à falência e milhões de trabalhadores saindo do mercado, forma cenário adverso para o Brasil

seu dinheiro no domingo

Rota do Bilhão: 9 semelhanças dos 10 mais ricos do mundo

Apesar de histórias de vida e negócios diferentes, há pontos em comum entre os maiores bilionários do mundo – são pistas do que pode ter feito a diferença

clima tenso

Europeus se dividem sobre risco ao Mercosul

Decisão do presidente francês, Emmanuel Macron, de obstruir um acordo comercial entre a União Europeia e o grupo Mercosul divide opiniões entre líderes mundiais

no g7

Acordo comercial com os EUA não será fácil, diz primeiro-ministro britânico

Boris Johnson citou carnes bovina e de cordeiro, travesseiros e fitas métricas como alguns dos produtos britânicos que têm entrada dificultada nos mercados dos EUA

um unicórnio entre os jovens

Tiktok: o app que faz sucesso entre a geração Z e fez da sua dona a startup mais valiosa do mundo

ByteDance é considerada a startup com o maior valor de mercado do mundo – são US$ 75 bilhões; estratégia se divide em diversas frentes, incluindo um app que ganha cada vez mais força entre jovens nascidos em meados dos anos 90 para cá

guerra comercial não para

Trump ameaça usar autoridade de emergência contra a China

Anúncio chinês de elevar as tarifas sobre US$ 75 bilhões em importações norte-americanas deixou o presidente dos EUA enfurecido

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements