Menu
2019-06-10T20:13:07+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Palestra na OAB

Guedes fala que caso envolvendo Moro não é coincidência, mas uma das muitas bombinhas que tentam paralisar a reforma da Previdência

Ministro também falou que quem é marxista do ponto de vista econômico é um ignorante. É como se o sujeito defendesse a terra plana

10 de junho de 2019
20:13
Paulo Guedes ministro da economia na CCJ
Ministro da Economia, Paulo Guedes. -

O ministro da Economia, Paulo Guedes, comentou o caso envolvendo o vazamento de conversas de Sergio Moro, quando juiz, com procuradores da Operação Lava Jato. O ministrou disse que o evento não é uma coincidência e colocou o caso junto com outras “bombinhas” que estouram tentado paralisar a reforma da Previdência.

O ministro participou de uma sessão plenária da Ordem dos Advogados do Brasil, evento que não estava em sua agenda oficial até ele praticamente concluir seu discurso no evento.

Logo no começo de sua fala, Guedes falou que a Previdência é um buraco negro que ameaça nos engolir “antes de acabar a palestra”. Na sequência ele citou a gravação, feita em maio de 2017, envolvendo o presidente Michel Temer e como isso paralisou a reforma da Previdência que discutia naquele momento.

“E não foi por falta de tentativa, toda hora tem uma. Uma hora é o Michel, outra é o filho do Bolsonaro o outro é não sei o que lá, hoje é o Moro”.

Guedes falou que apenas a plateia, composta por advogados, tinha a capacidade de analisar o mérito da questão, mas que não era uma coincidência e que a cada hora estoura uma "bombinha" diferente.

“Só os senhores têm capacidade para examinar o mérito, mas não é coincidência que estoura essa bombinha. Cada hora estoura uma vendo se paralisa a marcha dos eventos e isso é uma visão muito míope, muito superficial do fenômeno”, afirmou.

Na sequência, Guedes listou os gastos com Previdência no país, mostrou que eles superam em muito o que investe em saúde e educação e que apesar de sermos um país jovens gastamos muito com aposentadorias e pensões.

Para o ministro, esse é um problema que tem de ser atacado agora e que “essa é a pior medida, a mais antipática”.

Ele lembrou das conversas com o então candidato Bolsonaro e como antes de tomar posse ele não poderia apoiar a reforma de Temer, que estava em processo avançando no Congresso. Disse que Bolsonaro se comprometeu em fazer a reforma, além de acabar com a roubalheira no país, é que “estamos com absoluta confiança” no Congresso, no presidente da Câmara, Rodrigo Maia, do Senado, Davi Alcolumbre, e que percebe apoio de prefeitos, governadores e demais agentes políticos.

Capitalização

Guedes voltou a fazer uma defesa enfática do sistema de capitalização, falando que o sistema leva recursos para o futuro e coloca o juro composto para trabalhar para os mais pobres.

Além disso, chamou o financiamento da atual Previdência de “cruel e burro”, pois os impostos incidem sobre a folha de pagamento e disse que a ideia de adotar um imposto sobre pagamentos é pensada nesse contexto de achar outras formas de financiar a Previdência.

O ministro também defendeu a ideia da carteira de trabalho verde e amarela, que teria menos leis trabalhistas, vale o acertado entre patrão e empregado, e o jovem teria sua “caderneta de poupança”, levando recursos para o futuro.

Sem entrar em detalhes, o ministro disse que o gestor dessa poupança vai ser acompanhado pelo governo e que ele teria compromisso em entregar uma rentabilidade mínima anual. No caso de falha, esse gestor seria desqualificado pelo governo e arcaria com seu capital para garantir a remuneração mínima acordada.

Terra plana e marxismo

Guedes também defendeu que o que aumenta a produtividade do trabalho é capital e que a teoria do “valor-trabalho”, defendida por economistas marxistas é o equivalente a acreditar na terra plana.

“Quem é marxista do ponto de vista econômico é um ignorante. É como se o sujeito defendesse a terra plana”, disse.

Ainda de acordo com Guedes, o socialista que pensa que o capital tira valor do trabalho tem uma “visão completamente boboca”. “O melhor amigo do trabalho é a acumulação de capital”, afirmou.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Novo comando

Gustavo Montezano é indicado para lugar de Levy no BNDES

Atual secretário-adjunto da Secretaria de Desestatização, Montezano já foi sócio do Banco Pactual. Ministério da Economia agradece dedicação de Levy

Xi...

Odebrecht pede recuperação judicial nesta segunda-feira

Não estão incluídas as seguintes sociedades: Braskem S.A., Odebrecht Engenharia e Construção S.A., Ocyan S.A., OR S.A., Odebrecht Transport S.A., Enseada Industria Naval S.A. (em conjunto denominadas “Negócios”), assim como alguns ativos operacionais na América Latina e suas respectivas subsidiárias, além de outros nomes

Câmbio

Banco Central anuncia rolagem de linha de dólar na terça e quarta-feira

Serão ofertados até US$ 2 bilhões por dia visando rolar US$ 3,375 bilhões que venceriam no começo de julho

De olho na Previdência

Onyx: “relatório da reforma vai permitir país incluir palavrinha previsibilidade”

“O Brasil estará equilibrado pelos próximos 10 anos ou 15 anos”, acrescentou Lorenzoni, apesar de Guedes ter dito na semana passada que, com o texto de Moreira, o próximo governo já teria de fazer outra reforma

perdido com os centavos?

Novo cofrinho de poupança? Neon anuncia função de investimento de trocados em CDB

Função que começa a ser implantada neste mês permitirá que usuários destinem parte de pagamentos no débito para aplicações automáticas em CDB

Mais magrinha

Petrobras negocia venda de participações em áreas onde descobriu gás em SE

Como o foco do seu plano de negócios atualmente é o pré-sal, localizado na região Sudeste do País, o investimento em outras áreas, como em Sergipe, está atrelado à adoção de soluções financeiras que não comprometam o orçamento da companhia e também não gerem mais dívida

EUA x China

Qual o custo da guerra comercial? Para a Huawei, serão US$ 30 bilhões a menos em receita

O presidente da Huawei, Ren Zhengfei, passou estimativas quanto aos impactos que a guerra comercial trará para a empresa. E tanto a receita quanto as vendas internacionais de smartphones serão fortemente afetadas

Grave crise

Odebrecht pode fazer pedido de recuperação judicial nesta segunda-feira

Com dívida de R$ 80 bilhões e com execuções em curso, a empresa está sem alternativas para resolver seu problema de liquidez financeira

em busca da previdência perfeita

Guedes quer ajustar relatório da reforma

Ministro vai buscar negociar ajustes no relatório da reforma da Previdência com o relator da proposta, deputado Samuel Moreira; o relator e o secretário Especial de Previdência, Rogerio Marinho, já conversaram informalmente neste fim de semana

Boas novas!

Nubank levanta R$ 375 milhões para financiar expansão e emplaca captação inédita

A fintech estreou a nova modalidade com uma oferta de R$ 75 milhões e que atraiu cinco investidores institucionais. Na mesma operação, o Nubank captou outros R$ 300 milhões via letras financeiras sênior

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements