Menu
2019-08-08T20:06:45+00:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
De olho na economia

Guedes disse que vai usar imposto sobre transações financeiras para financiar transição para capitalização

Guedes destacou novamente que a capitalização poderá criar um novo mercado de poupança e que pode ser capaz de libertar gerações futuras e que o tema deve ser retomado sob a forma de PEC paralela

8 de agosto de 2019
20:06
Ministro da Economia Paulo Guedes
Ministro da Economia Paulo Guedes - Imagem: Marcos Corrêa/PR

De forma bem humorada e bastante otimista, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse hoje (8) em um evento do banco BTG Pactual fechado para o mercado financeiro que vai retomar a pauta da capitalização da Previdência e que deve usar o imposto sobre transações e pagamentos financeiros para financiar a transição para o novo regime previdenciário.

Guedes destacou novamente que a capitalização poderá criar um novo mercado de poupança e que pode ser capaz de libertar gerações futuras. O sistema de capitalização prevê que as contribuições previdenciárias dos trabalhadores sejam direcionadas a uma poupança, que deve ser rentabilizada e que deve sustentar os trabalhadores na aposentadoria.

No regime de capitalização, as contribuições dos trabalhadores são direcionadas a contas individuais e investidas em aplicações financeiras para gerar uma rentabilidade. É formada uma poupança. O valor da aposentadoria, portanto, depende de quanto o trabalhador conseguiu poupar e do retorno dos investimentos.

Olha a PEC paralela

Além de retomar a pauta do regime de capitalização, o ministro reforçou que não desistiu de reincluir os Estados e municípios na reforma da Previdência, mas acredita que eles devem voltar por meio de uma "PEC paralela".

Na última terça-feira (6), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, sinalizou que a inclusão dos Estados e municípios deveria ocorrer dessa forma e disse ainda que a discussão sobre o regime de capitalização da Previdência também poderia ser retomada em uma PEC paralela.

Ambas as discussões faziam parte da proposta original do governo, mas acabaram sendo retirados do texto final da reforma por não haver apoio suficiente entre os deputados.

De olho no saneamento e na infraestrutura

Outro tema que veio à tona e que foi anteriormente mencionado pelo presidente da Câmara em um painel anterior foi a questão do saneamento. Acompanhando a ideia de Maia, o ministro da Economia disse que "trilhões de dólares querendo entrar em termos de saneamento e infraestrutura no Brasil [...] E que o fenômeno conhecido como crowding out afastou o investimento privado no país nos últimos anos, mas que agora a ideia é fazer o crowding in e impulsionar o estoque privado".

Ele ainda destacou que a MP do saneamento básico deve entrar em pauta em seguida, depois a liberdade econômica e a reforma tributária.

Ao ser questionado especificamente sobre a reforma tributária, o ministro disse que o conteúdo do texto produzido pelo governo está focado na simplificação total e enfatizou que para a sua aprovação é preciso ter uma direção clara e inequívoca quanto ao objetivo da reforma.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Luz no fim do túnel?

Trump: ‘estamos indo muito bem com a China, e conversando’

Membros da equipe econômica norte-americana afirmam que negociadores das duas maiores economias do mundo irão conversar na próxima semana

Tem que adiar isso daí

Vitorioso nas prévias eleitorais argentinas, Fernández defende renegociação de acordo com o FMI

Alberto Fernández afirmou que o acordo para o pagamento de dívidas junto ao Fundo Monetário Internacional é “impossível de cumprir”

Opinião polêmica

Senadora Simone Tebet: ‘Bolsonaro ainda não vestiu o terno de presidente’

Referindo-se ao presidente, senadora do MDB afirmou “jamais imaginei que pudéssemos chegar onde chegamos”

Na hora de prestar contas

Presidente do Senado briga na Justiça para manter sigilo de gastos parlamentares

Destinadas a cobrir despesas relativas ao exercício do mandato, as cotas variam entre R$ 30 mil e R$ 45 mil, a depender do Estado do congressista

Nem tão hermanos assim

Bolsonaro volta a falar sobre Argentina e diz que país está cada vez mais próximo da Venezuela

Presidente usou sua conta no Twitter para fazer novos comentários sobre o processo sucessório na Argentina

Seu Dinheiro no domingo

Liberais não fazem pacotes

Dentro de mais alguns dias conheceremos o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre. O resultado será magro e há quem fale em recessão técnica. Na sequência veremos uma nova onda de críticas e demandas na linha: “o governo tem quem fazer alguma coisa! Tem que impulsionar a demanda! Esse BC está errado!”. Sinto desapontar […]

Trilhando caminhos

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos sobre ser um novo empresário

Executivos falam sobre os comportamentos que um jovem ingressante numa grande empresa deve ter para trilhar um caminho profissional de sucesso

Crise partidária

Pedro Simon, ex-governador do RS: ‘existe o risco de o MDB desaparecer’

Em entrevista ao Estadão, o filiado ao MDB desde 1965 diz que seu partido precisa fazer uma “profunda reflexão”

Barrado na embaixada?

Consultoria do Senado diz que indicação de Eduardo Bolsonaro configura nepotismo e senadores se articulam para rejeitar seu nome

Parecer foi embasado no entendimento da Súmula Vinculante nº 13, do Supremo Tribunal Federal, que trata sobre nepotismo

Analisando a situação dos hermanos

Crise Argentina, feitiço do tempo

Os grandes desafios econômicos de Maurício Macri também parecem reimpressões de velhos e bem conhecidos problemas argentinos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements