Menu
2019-08-12T15:11:40+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
situação difícil...

‘Governo vende almoço para pagar o jantar’, diz relator do TCU

Relator das contas do primeiro ano de governo no TCU, Bruno Dantas faz um alerta para a falta de planejamento nos cortes de gastos

12 de agosto de 2019
13:53 - atualizado às 15:11
Operação Lava Jato
Brasil, Brasília, DF. 21/01/2015. Relator das contas do primeiro ano de governo do presidente Jair Bolsonaro no Tribunal de Contas da União (TCU), Bruno Dantas. - Imagem: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO/AE

Relator das contas do primeiro ano de governo do presidente Jair Bolsonaro no Tribunal de Contas da União (TCU), Bruno Dantas diz que o forte bloqueio de despesas do Orçamento tem levado o governo a "vender o almoço para pagar o jantar", em situação dramática para o funcionamento dos ministérios.

Dantas diz que serviços poderão ser afetados e faz um alerta para a falta de planejamento do governo nos cortes de gastos. Para ele, a busca de receitas extraordinárias não passa de uma "solução-tampão". "O fato é que o governo precisa adotar mecanismos para solucionar o problema sem infringir a legislação vigente", afirma ele, responsável também no TCU pela área que cuida dos assuntos do Ministério da Economia e dos bancos públicos.

Segundo ele, não é possível mais tolerar "artifícios tão exóticos quanto nocivos" a pretexto de viabilizar o fechamento das contas: "Quando a gestão fiscal não se pauta nesse corolário, o tribunal pode emitir alertas e, no limite, na análise da prestação de contas do presidente da República, opinar pela rejeição dessas contas".

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Como o sr. tem visto a situação das contas públicas com o corte?

A sensação que dá é que o governo está vendendo o almoço para comprar o jantar. Contam com receitas que até podem acontecer. Mas, pelo volume e concentração, se algo der errado, no fim do ano o governo terá um problema sério. O timing do Congresso não é igual ao do Executivo. Há dificuldade do governo de lidar com a situação, que é dramática.

Qual o risco?

Em economia se fala muito da profecia autorrealizável. O governo tem a tentação de dizer que está tudo bem. Se ele diz que não vai cumprir as metas, problemas mais graves podem acontecer. Mas isso acaba impedindo-o de planejar para resolver o problema. Se o governo começasse a planejar cortes pontuais, talvez causasse menos prejuízos à população.

O governo projeta que o resultado fiscal ficará abaixo do previsto. Ministérios podem parar por conta do contingenciamento?

Sem dúvida podem. Temos frustração de receita pela falta de crescimento. O governo tem mais dados que nós, mas é preciso olhar as declarações com cautela. O governo tem interesse em criar o clima de otimismo, mas isso não pode significar falta de transparência sobre as contas públicas.

O governo já consumiu até mesmo a reserva de contingência do Orçamento. Não é perigoso?

Sim. Há risco de paralisação ou realização precária de serviços públicos.

Não pode haver um shutdown? O TCU poderá enviar alertas?

O papel do TCU é acompanhar a execução orçamentária e financeira para evitar que o País chegue a uma situação limite, como a de um shutdown. O tribunal acompanha as medidas adotadas para garantir metas e outras regras fiscais. Quando a gestão fiscal não se pauta por uma ação planejada e transparente, o tribunal pode emitir alertas e, no limite, na análise da prestação de contas do presidente da República, opinar por sua rejeição.

Como o sr vê o momento atual da gestão fiscal?

A situação fiscal do País é crítica. Independentemente das causas que levaram a isso, o governo precisa adotar mecanismos para solucionar o problema sem infringir a legislação.

O quadro pode piorar?

Sim, há riscos relacionados à concretização de receitas extraordinárias previstas para o fim do ano, o que pode afetar o cumprimento da meta de resultado primário.

Caso essas projeções não se confirmem, pode haver impacto para o cumprimento da meta?

Sim. Porém, atualmente não estão inseridas nas estimativas as receitas dos leilões dos excedentes relacionados à cessão onerosa.

Como sair do embaraço das regras fiscais que muitas vezes não se comunicam?

Em qualquer gestão financeira, não se pode fugir do básico: despesa tem de ser menor que receita. Hoje, parâmetros e margens fiscais estão próximos do limite ou são negativos. Há pouco espaço de remanejamento de gastos. O governo parece estar buscando receita extraordinária, embora seja apenas uma "solução-tampão".

*As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Buscando oxigênio

Plano de recuperação do RS apresentado a Guedes tem impacto fiscal de R$ 60 bilhões em 6 anos

A expectativa do governador Eduardo Leite é de que o Estado possa aderir ao regime de recuperação fiscal ainda em 2019

Mudanças no órgão

Relator diz que nome do Coaf será mantido e haverá indicação apenas de servidores

Deputado Reinhold Stephanes Junior iniciou a leitura de seu relatório sobre a Medida Provisória nº 893, que trata do “novo Coaf”

Investindo em energia

BNDES aprova empréstimo de R$ 1,26 bilhão para complexo eólico da Engie na Bahia

Investimento total no complexo é de R$ 1,6 bilhão, incluindo as linhas de transmissão associadas

Mais um passo

Comissão especial da Câmara aprova texto principal da reforma da Previdência dos militares

Votação é terminativa, mas o projeto pode ir ao plenário da Casa se for apresentado um requerimento com 51 assinaturas

Falando de mercado imobiliário

Preço dos imóveis residenciais no país cresce 0,32% em setembro, diz Abecip

No acumulado dos últimos 12 meses, o preço dos imóveis teve aceleração, chegando a 2,55% em setembro ante 2,33% em agosto

QUINTA-FEIRA, ÀS 11H

Os 90 anos da crise de 1929: uma conversa ao vivo com Ivan Sant’Anna

Ivan Sant’Anna e a equipe do Seu Dinheiro farão uma transmissão ao vivo nesta quinta-feira (24), às 11h00, para discutir o crash da bolsa de Nova York — evento que está completando 90 anos

This time is different?

Dólar alto e juro baixo? Para Verde Asset essa é uma equação possível

Em artigo, gestora do renomado Luis Stuhlberger detalha o que poderia ser o novo normal da economia brasileira

E a crise continua...

Major Olimpio pedirá destituição do diretório comandado por Eduardo Bolsonaro

Episódio é mais um capítulo da disputa travada por bolsonaristas e o grupo do deputado federal Luciano Bivar, presidente da sigla, pelo comando do partido

No entra e sai de dólares

Fluxo cambial total em outubro até dia 18 é negativo em US$ 6,224 bilhões

Já o fluxo cambial do ano até 18 de outubro ficou negativo em US$ 19,195 bilhões

Agendado

Tasso Jereissati diz que votação da PEC paralela da reforma da Previdência na CCJ do Senado será em 6 de novembro

Projeto prevê a possibilidade de Estados e municípios aderirem às novas regras de aposentadoria e pensão no País

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements