Menu
2019-10-22T10:08:18+00:00
Nada me afeta

Governo brasileiro nega a ideia de que acordo entre China e Estados Unidos pode ter impacto no Brasil

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que o Brasil não tem como interferir no comércio dos dois países e que deve criar condições para chegar de forma mais competitiva em outros mercados.

22 de outubro de 2019
10:04 - atualizado às 10:08
Presidente da República, Jair Bolsonaro.
Imagem: Alan Santos/PR

O governo brasileiro tenta afastar a ideia de que o acordo comercial entre China e Estados Unidos pode ter impacto negativo no Brasil. Em viagem pela Ásia, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o Brasil não tem como interferir no comércio dos dois países e que deve criar condições para chegar de forma mais competitiva em outros mercados.

"Temos que fazer a nossa parte", disse o presidente nesta terça-feira, 22. Após três dias no Japão, Bolsonaro embarca para Pequim, capital chinesa, na quinta-feira, 24.

"Conseguimos, através da infraestrutura, fazer renascer o modal ferroviário, diminuir o preço do transporte, aperfeiçoar tecnologia. Nós podemos fazer a nossa mercadoria chegar de forma mais competitiva nesse país", declarou o presidente a jornalistas.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Ele falou com a imprensa antes de partir para a cerimônia de coroação do imperador japonês, Naruhito, em Tóquio.

O chanceler Ernesto Araújo afirmou que o mercado chinês "é imenso" e que há uma "competição legítima" entre todos os produtores agrícolas. "Nós estamos em condição de competir", avaliou Araújo.

"Isso (acordo entre EUA e China) não nos preocupa. É bom.

Quanto mais comércio melhor, quanto mais dinamismo nas economias... Acho que esse entendimento (entre China e EUA) é bom para a economia mundial como um todo, aumenta a demanda, é um choque de demanda na economia mundial e pode ser bom tanto direta quanto indiretamente para a economia do Brasil", disse.

Araújo declarou que o Brasil vê o investimento global como algo "fundamental" para o processo de crescimento do País e que a China é "parte integrante da abertura integral" que o governo prevê para o investimento externo.

"Dentro da nossa estratégia é fundamental ter o investimento internacional, a participação dos parceiros internacionais.

Queremos que a China seja parte disso, é uma parte importante", disse, destacando a participação dos chineses em investimentos da área de infraestrutura. "É uma presença útil e proveitosa para nós. Não há nenhum tipo de limitação para o investimento chinês. Queremos mais investimento chinês e mais investimento de outras fontes", completou.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Novidades

Fusão entre Boeing e Embraer consegue aprovação em grande mercado

O acordo entre ambas aparece na lista de transações que data de 19 de novembro. No documento, as transações são colocadas como “aprovadas sem condicionantes”

Seu Dinheiro na sua noite

126…144…197 mil pontos para o Ibovespa

Eu vou, sem saber pra onde nem quando vou parar. O clássico de Roberto Carlos “120… 150… 200 Km Por Hora” podia muito bem embalar a leitura desta newsletter. Assim como o velocímetro do carro na canção do Rei (uma das minhas favoritas), as projeções dos analistas para a bolsa no ano que vem apontam para cima. […]

Quanto vale o show?

Plataforma de investimentos do BTG Pactual pode valer até R$ 10 bilhões, calcula UBS

Banco suíço iniciou a cobertura das ações do BTG Pactual, que já triplicaram de valor neste ano, com recomendação de compra e preço-alvo de R$ 82,00

Emprego

Mercado de trabalho cria 70.852 empregos com carteira assinada em outubro

Esse foi o melhor resultado para o mês desde 2017, quando foram criadas 76.599 vagas no décimo mês do ano. Em outubro do ano passado, houve abertura líquida de 57.733 vagas, na série sem ajustes

De olho nos papéis

BTG reitera compra de Klabin e Suzano e aumenta preço-alvo das ações

Em relatório, analistas do banco expandiram o preço-alvo dos papéis da Suzano para R$ 44 (o valor anterior era de R$ 40), e da Klabin para R$ 20, ante R$ 18

Otimismo

Para o Credit Suisse, 2020 é o ano dos emergentes — e o Brasil tende a ser um dos destaques

A equipe de análise do Credit Suisse aposta nos mercados emergentes para 2020. E, nesse grupo, as ações e ativos do Brasil aparecem entre as principais recomendações

Perspectivas 2020

Para Goldman Sachs cenário é desafiador para o Brasil, mas mais esperançoso

Preocupação não é com a direção da política econômica, mas sim com a capacidade de implementar agenda de reformas fiscais

Mercado de capitais

Ações da Cogna sobem com notícia de IPO de unidade nos EUA

A Cogna espera uma avaliação de até R$ 8 bilhões pela Vasta, plataforma de serviços digitais para escolas privadas, na oferta pública inicial de ações, que deve acontecer em 2020, de acordo o site Brazil Journal

um olho aqui e nos vizinhos

Política impede avanço de reformas na América Latina, mas Brasil é notável exceção, diz Moody’s

Para 2020, a visão dos analistas é de que o ambiente para a região e os emergentes como um todo é negativo, por conta do aumento de riscos políticos e geopolíticos

na ponta do lápis

BNDES perdeu tempo na venda de fatia da JBS, diz presidente do conselho de administração do banco

Em evento no Rio de Janeiro, Carlos Thadeu de Freitas estimou o impacto financeiro dessa demora em R$ 1 bilhão a R$ 2 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements