Menu
2019-10-31T08:18:05+00:00
olho nas contas

Governo alerta Congresso sobre controle das despesas

Secretário do Tesouro Nacional disse que diminuiu o esforço necessário para colocar a dívida do País em trajetória de queda, mas isso não é sinal verde para abandonar as medidas de austeridade

31 de outubro de 2019
8:18
Mansueto
Secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida. - Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Prestes a enviar um amplo conjunto de reformas para revisar gastos do Orçamento, o Tesouro Nacional recorreu a uma espécie de vacina contra as resistências já levantadas no Congresso e emitiu um alerta sobre a necessidade de seguir com a agenda de controle das despesas públicas. O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, disse que diminuiu o esforço necessário para colocar a dívida do País em trajetória de queda, mas isso não é sinal verde para abandonar as medidas de austeridade.

Para ele, a aprovação da reforma da Previdência foi um passo importante, mas é necessário ainda fazer uma reforma administrativa (que mexe na estrutura de gastos com servidores federais) e reduzir o excesso de "carimbos" no Orçamento, que tira a flexibilidade na gestão dos recursos.

Esses pontos serão alvo das propostas em elaboração pelo governo e que devem ser apresentadas na semana que vem. Sem comentar o mérito das iniciativas, Mansueto admitiu que os temas são polêmicos e que a discussão deve se estender para o ano de 2020.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

"Estamos falando em conjunto de medidas que parte deve ser aprovada, parte não. Haverá debate profundo no Congresso Nacional", afirmou. "Muitas medidas já foram discutidas no passado, sem consenso político. Vamos ver se existe agora consenso político ou, se não existe, se pode ser criado. Muita coisa passará por debate longo, não será em dois ou três meses", disse.

O secretário reconheceu ainda que houve nos últimos dias debates sobre a inclusão ou não de "duas ou três medidas", mas não informou quais. "Conversamos com políticos da base do governo, tínhamos dúvidas sobre contexto de algumas propostas", disse.

Como mostrou o Estadão/Broadcast, a equipe econômica precisou blindar as propostas das pressões de última hora e evitar que os textos já cheguem desidratados ao Congresso.

Dívida

As projeções do Tesouro para a dívida mostram que o cenário de juros baixos e a retomada do crescimento podem ajudar o País a colocar as contas no azul e reduzir o esforço demandado para reduzir seu endividamento.

Ter uma dívida pública controlada é considerado um ponto-chave pelo governo para garantir a atratividade do País ante investidores e conseguir manter o cenário atual de baixo custo para tomar dinheiro emprestado no mercado. Hoje, a dívida brasileira beira os 80% do PIB, enquanto países emergentes e de renda média como o Brasil tinham endividamento de 50,8% em média em 2018.

Segundo as estimativas, num cenário de Selic média em 6,59% ao ano e crescimento da economia em torno de 2,44%, um superávit (receitas acima das despesas) equivalente a 0,81% do PIB seria suficiente para reduzir a dívida pública em 10 pontos porcentuais do PIB até 2028.

Em contexto mais benevolente, com juros médios de 5,59%, esse esforço cairia a menos da metade: 0,27% ao ano.

Hoje, porém, o governo convive com rombos sucessivos nas contas. Em setembro, o déficit foi de R$ 20,4 bilhões. No ano, as despesas superam as receitas em R$ 72,5 bilhões.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Agora vai?

Declarações de autoridades dos EUA mostram otimismo nas negociações com a China

O tom mais ameno assumido por duas autoridades dos EUA em relação às conversas com a China renova a esperança dos mercados quanto ao fechamento de um acordo

Siga o mestre

Warren Buffett fez novas apostas na bolsa e vendeu parte de suas ações da Apple

Um frenesi toma conta dos mercados americanos nesta sexta-feira: o lendário Warren Buffett comprou ações de duas empresas — o que faz esses papéis dispararem hoje

Feriado? Que feriado?

Os mercados estão abertos lá fora — e as bolsas dos EUA estão nas máximas

Uma sinalização animadora das autoridades americanas quanto às negociações com a China dá força aos mercados globais nesta sexta-feira

Sem crise

Sabesp tem lucro líquido de R$ 1,209 bilhão no 3º trimestre, alta de 113,9%

A Sabesp reportou forte expansão no lucro líquido e no Ebitda no terceiro trimestre deste ano, impulsionada pelo início das operações em Santo André e Guarulhos

Más notícias

A Braskem fechou o trimestre no vermelho e viu sua receita cair 18% em um ano

Empresa cujas ações têm o pior desempenho do Ibovespa no ano, a Braskem reportou um prejuízo líquido de mais de R$ 800 milhões no terceiro trimestre

Vídeo

Como levar a inflação em conta na hora de investir

Ela pode corroer a sua rentabilidade! Saiba por que você deve tomar cuidado com a inflação na hora de investir, até mesmo quando ela está baixa

O vai e vem dos mercados

Bolsas de Nova York fecham sem direção única, com S&P 500 em patamar recorde de fechamento

O índice Dow Jones fechou estável, em 27.784,61 pontos, o Nasdaq teve leve recuo de 0,04%, a 8.479,02 pontos, e o S&P 500 subiu 0,09%, a 3.096,82 pontos

Seu Dinheiro na sua noite

Show dos atrasados

Uma importante tradição da internet brasileira foi quebrada neste ano. Estou falando do #ShowDosAtrasados do Enem. As imagens de pessoas desesperadas chegando para a prova depois do horário simplesmente não aconteceram. Mas, no mercado financeiro, os atrasados de sempre não decepcionaram. Que o diga a agência de classificação de risco Fitch, que decidiu hoje manter […]

Investimento em ação

Petrobras inicia produção de petróleo e gás natural na plataforma P-68

Plataforma, do tipo FPSO, está localizada a aproximadamente 230 km da costa do Estado do Rio de Janeiro

220% do PIB

Dívida de países emergentes vai a US$ 71,4 trilhões e tem novo recorde histórico

Dados do IIF mostram que Chile, Coreia do Sul e Argentina foram os mercados onde os passivos mais aumentaram na comparação ano a ano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements