Menu
2019-12-03T18:22:19-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.

Goldman Sachs eleva expectativa de crescimento do PIB em 2019 e 2020

Entre os motivos para a maior expectativa de crescimento estão os ajustes feitos pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

3 de dezembro de 2019
18:20 - atualizado às 18:22
Touros e Ursos CAPA – PIB
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Diante de um resultado acima do esperado para o Produto Interno Bruto (PIB), o banco Goldman Sachs revisou para cima as projeções para o crescimento da economia neste ano e no próximo. Agora, a instituição projeta uma expansão de 1,2%, ante os 1,0% para o PIB em 2019.

Já para o ano que vem, a equipe de analistas liderada por Alberto Ramos estima uma alta de 2,3%, ante os 2,2%. Entre os motivos para a maior expectativa de crescimento estão os ajustes feitos pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Hoje, o órgão revisou os dados de 2018 que antes mostraram uma expansão de 1,1% e agora foram ajustados para 1,3% - mesmo percentual observado em 2017. Além disso, o IBGE ajustou os percentuais de expansão do primeiro e segundo trimestres deste ano.

Para ele, um dos pontos que devem trazer maior expansão em torno do consumo privado do quarto trimestre são os estímulos anunciados pelo governo, como os saques do FGTS e do PIS/PASEP.

Já no ano que vem, Ramo diz que a aceleração do crescimento em 2020 deve ser sustentada pelo impulso mais firme do crédito, acomodação monetária e condições financeiras mais favoráveis com taxas de juros mais baixas, assim como melhoras no consumo e na confiança dos empresários.

Apesar dos dados um pouco mais positivos, o analista ponderou que o investimento privado ainda está muito baixo. De acordo com ele, o indicador está 23,2% abaixo do pico atingido no segundo trimestre de 2013. Já a formação bruta de capital está agora no mesmo nível do terceiro trimestre de 2018.

Ele também destacou que, nos 11 trimestres de retomada da economia brasileira após os anos de 2015 e 2016, o PIB per capta do Brasil se manteve 7,9% abaixo do pico, o que mostra que essa é a recuperação mais longa da histórica. Além disso, o consumo privado per capta ainda está 5,8% abaixo do quarto trimestre de 2014, quando atingiu o pico do ciclo.

No relatório, Ramos também destacou que o carregamento estatístico (carry-over) para o PIB de 2019 é agora de 1%. Já no ano que vem, ao considerar os dados do terceiro trimestre, o percentual é de 0,4% Já para 2020, considerando até os dados do terceiro trimestre, é de 0,4%. Porém, Ramos menciona que esse número pode subir para 0,9% depois de apresentados os dados do quarto período do ano.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Mais decisão de BC

BCE mantém política monetária inalterada em estreia de Lagarde na presidência

BCE disse ainda que manterá o programa de relaxamento quantitativo, através do qual vem comprando 20 bilhões de euros em ativos mensalmente desde novembro

Exile on Wall Street

Nota triste — a XP quer mesmo democratizar os investimentos no Brasil?

A XP seguiu os mesmos passos da Vitreo e lançou, depois, dois fundos próprios para investir em suas ações, com direito a matéria no InfoMoney. Matéria da XP, sobre fundos da XP, para comprar ações da XP.

Injeção de otimismo

Ibovespa abre em alta e dólar cai; mercados reagem bem ao Copom e à S&P

O Ibovespa sobe e recupera os 111 mil pontos, impulsionado pelos sinais do BC em relação à Selic e à visão positiva da S&P Global quanto ao Brasil

Mercado de capitais

IPO de empresas brasileiras no exterior deixa gosto amargo, diz presidente da B3

Com o avanço da tecnologia, o Brasil precisa ter uma regulação flexível senão corre o risco de perder o bonde, segundo Gilson Finkelsztain

sem negócio fechado?

Venda de ativos de dona da Ambev na Austrália é questionada por regulador

Órgão avaliou de maneira preliminar que a venda vai reduzir a concorrência no mercado de cidra e, possivelmente, no de cerveja

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

em busca de recursos

Eneva emite R$ 650 milhões em debêntures

Os recursos obtidos pela empresa vão ser usados para investimento, pagamento futuro ou reembolso relacionados ao projeto Parque dos Gaviões

arrumando as contas

País paga dívida com ONU e banco do Brics

Não pagamento à ONU poderia fazer com que o Brasil, pela primeira vez, perdesse o direito a voto no órgão a partir de 1.º de janeiro

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

Selic a 4,5%: como ficam seus investimentos?

O Banco Central derrubou a taxa básica de juros brasileira para 4,5% ao ano, a nova mínima histórica. Isso mexe com a rentabilidade de aplicações da renda fixa e favorece os investimentos em ações, imóveis e fundos imobiliários. O que você precisa saber hoje: Mercados • A taxa básica de juro brasileiro renovou sua mínima histórica […]

fim do impasse?

Câmara aprova MP que transfere Coaf para o BC; texto segue para Senado

Outra mudança foi a retirada, com a aprovação de um destaque, da atribuição do Coaf de produzir informação para combate ao financiamento do terrorismo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements