Menu
2019-06-11T16:36:18+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

Gestora SPX destaca melhora de ambiente político em sua carta mensal

Melhora na perspectiva de aprovação da reforma da Previdência gerou um alívio para o mercado brasileiro, mas economia segue estagnada sem sinal de melhora

11 de junho de 2019
16:36
Rogério Xavier SPX
Rogério Xavier da SPX - Imagem: Leo Martins

Em sua carta de gestão a SPX, fundada por Rogério Xavier, transmite uma avaliação positiva com o ambiente político e a reforma da Previdência, enquanto destaca uma economia estagnada e que não dá sinais de aceleração à frente.

“O ambiente para a reforma da Previdência vem melhorando, apesar da relação conturbada entre o presidente e o Congresso. Boa parte dos políticos parece ter compreendido que sem a reforma estaríamos caminhando para uma crise fiscal permanente que beneficiaria os partidos de esquerda, hoje minoria no Congresso”, diz o documento.

Segundo a SPX, essa melhora na perspectiva de aprovação da reforma da Previdência gerou um alívio para o mercado brasileiro, que teve performance destacada dentro de um ambiente de mau humor global. Em abril, a postura era mais cautelosa com relação às reformas.

No mês de maio, o SPX Nimitz rendeu 1,59%, ante um CDI de 0,54% no mesmo período. No ano até maio, a valorização é de 3,6%.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Ações

Na bolsa brasileira a exposição direcional é neutra. No mercado externo o fundo está comprado em bolsa japonesa contra a bolsa europeia. Também há posição vendida no setor industrial americano, “que deve ser impactado pela desaceleração da economia, pelas tarifas da guerra comercial e pelas disrupções na cadeia de produção”.

Juros

No mercado internacional as alocações continuam com baixo risco. No Brasil, um cenário mais favorável do ponto de vista inflacionário, uma atividade econômica mais lenta do que anteriormente prevista, aliados a um cenário internacional com juros menores do que o antecipado, justificam as nossas alocações aplicadas na parte intermediária da curva.

Por outro lado, a carta fala em aguardar os desenvolvimentos das reformas econômicas e o impacto da desaceleração global na economia brasileira. “Apesar de algum otimismo, nos mantemos cautelosos.”

Moeda e commodities

No mercado de moedas, a gestora afirma manter posição comprada em dólar. Em commodities, já compra em alumínio e cobre e venda em zinco. Além disso, foi adicionada posição vendida em níquel. Dessa forma, a exposição direcional na classe passou a ser vendida. Em energia, segue posição comprada em petróleo. No mercado de agrícolas, a gestora iniciou uma posição comprada em milho.

Mercado Externo

Para a SPX, o mês de maio foi marcado por diversos eventos que contribuíram para a piora do clima nos mercados globais.

Estão listados, a deterioração da relação entre a China e os Estados Unidos, a surpreendente ameaça de uma tarifa comercial dos EUA sobre o México e o anúncio de renúncia da primeira-ministra britânica Theresa May.

“Esses eventos provocaram uma piora nas expectativas de recuperação da economia global e tiveram efeitos imediatos nos diversos mercados”, diz o texto.

A SPX também aponta que revisou para baixo as estimativas de crescimento para as principais economias para o ano de 2019. Para o crescimento dos EUA caiu de 2,1% para 1,7%; a projeção para a China caiu de 6,4% para 6,2%; e a projeção para o crescimento da zona do euro caiu de 1,1% para 1%.c

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

O FUTURO CHEGOU

“Revolução que está por vir é a maior que a indústria já teve”, diz Carlos Zarlenga

Para o presidente da General Motors América do Sul, a tarefa diária é tentar liderar o processo de metamorfose digital que tornará o automóvel uma espécie de celular gigante que carrega pessoas

Surpresa

Bilionário Bernard Arnault fica US$ 6 bi mais rico em menos de 3 dias

O homem mais rico da Europa viu sua fortuna subir de novo para a casa dos US$ 100 bilhões após a divulgação dos resultados de seu conglomerado

HERMANOS

O sobe e desce da Argentina sob o governo Macri

As falhas do presidente argentino no comando do país ficaram evidentes em 2018, quando seu plano econômico foi por água abaixo

Seu dinheiro no domingo

Você prefere comprar ações baratas ou que estão em alta?

Setembro viu um movimento de rotação entre essas categorias de ações, com grandes investidores trocando momentum por value. Calma que vamos explicar

Gigante

Natura diz que custo de união de negócios com Avon será de R$ 349 milhões

A expectativa é de que a combinação dos negócios dê origem ao quarto maior grupo do setor de beleza no mundo

MAIS LIDAS

MAIS LIDAS: O bilionário mais (des)conhecido do Brasil

Existem algumas situações na vida em que, simplesmente, não dá para não ser notado. Gêmeos idênticos, por exemplo. Falo por experiência própria: quando eu ando na rua ao lado da minha irmã as pessoas ficam olhando como se estivessem assistindo a um jogo de ping-pong. Olham para uma, depois para a outra, depois voltam na […]

BACK TO THE GAME

O bilionário André Esteves e sua incrível capacidade de voltar ao jogo

Conheça a história do banqueiro que começou como garoto-prodígio, fez fortuna no mercado financeiro, já foi preso e está de volta

Pesquisa

20% dos usuários do Twitter são investidores; será este o perfil do #fintwit?

Segundo pesquisa da empresa responsável pela rede social, este público é majoritariamente masculino e de renda alta

Mais um casamento?

“Bolsonaro é o principal influenciador em SP”, diz Datena

O apresentador nunca concorreu a cargo público, mas seu nome tem surgido nas últimas eleições como potencial “outsider” a entrar para a política

Em obras

Retomar obras destrava até R$ 144 bilhões

Os “esqueletos” correspondem a 14 mil obras paralisadas em todo o País, 37,5% dos empreendimentos analisados pelo órgão

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements