Menu
Pedro Carvalho
Pedro Carvalho
CONTEÚDO PATROCINADO POR Pi

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

22 de abril de 2019
15:00 - atualizado às 9:39
Mão segurando uma pepita de ouro
Imagem: Shutterstock

No último texto, nós falamos sobre renda fixa. Tiramos dúvidas sobre CDBs, LCAs, LCIs e LCs. Além disso, exploramos juntos o aplicativo da Pi, uma espécie de supermercado onde você encontra uma ótima variedade desses títulos, emitidos pelos mais diferentes bancos e financeiras. Pois bem: chegou a hora de colocar a mão na massa.

Eu fiz um pente-fino na plataforma e escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais. Pegue papel e caneta (na verdade, não precisa, porque eu sou legal e já fiz as contas todas) e vamos lá.

O que divide o mundo da renda fixa entre aplicações de curto e longo prazo? O fiel da balança, nessa equação, costuma ser o imposto de renda. Ele incide sobre os ganhos em CDBs e LCs, mas não sobre LCAs e LCIs. Nos CDBs e LCs, o IR obedece àquela tabela regressiva que você provavelmente conhece – ele cai de 22,5% para 15% conforme você deixa seu dinheiro mais tempo aplicado. Ou seja, se você precisar do dinheiro rápido, CDBs e LCs geralmente não compensam. Nesse caso, o melhor é apostar em LCAs e LCIs. Ainda que possuam um rendimento um pouco menor, a isenção do IR faz esses títulos valerem mais a pena no curto prazo.

Se você puder esperar mais tempo, os CDBs e as LCs passam a ser mais vantajosos, porque aí o IR sobre eles fica menor. Onde fica a linha que separa essas duas condições? Normalmente, no limite de dois anos – que é quando o IR sobre CDBs e LCs atinge seu menor patamar, o de 15%.

Uma boa pedida para quem não tem pressa

Vamos começar pelo longo prazo. Um dos produtos que chamou a minha atenção na plataforma da Pi é a LC da Avista (uma Letra de Câmbio, um título parecido com o CDB, mas emitido por uma financeira e não por um banco). Ele paga 120% do CDI. Seu prazo de vencimento é de dois anos – justamente aquele momento mágico em que o IR sobre a aplicação cai para 15%. Se descontarmos esse imposto, vamos concluir que essa LC, na verdade, rende aproximadamente 103% do CDI. Nada mal, não?

Se aplicarmos nela R$ 5 mil (o valor mínimo para esse produto), vamos sacar R$ 5.669 na data do vencimento. (ATENÇÃO: todas as simulações foram feitas em 17 de abril e poderiam ser diferentes se efetuadas no momento em que você lê esse texto.)

Esse ganho, vale lembrar, mudaria caso as condições gerais da economia se alterassem – afinal, é um título pós-fixado, ou seja, seu rendimento varia conforme a taxa DI sobe ou desce. A taxa DI anda sempre colada à taxa Selic (no momento, a Selic está em 6,5% e a DI em 6,4%). Se a reforma da previdência for aprovada, por exemplo, a Selic pode até cair. Mas esse é o drama de toda aplicação pós-fixada, então vamos em frente.

O rendimento é interessante, mas faltou falar sobre o risco do produto, né? Na plataforma da Pi, ele é classificado como risco 5, o mais alto da escala. Isso porque tem um prazo longo e é emitido por uma financeira. Maaaaaas... As LCs contam com proteção do Fundo Garantidor de Crédito (FGC). Ou seja, se o seu pior pesadelo virar realidade e a financeira se escafeder, o FGC devolve até R$ 250 mil por cliente. Vale a pena? Aí é com você.

Tem mais um detalhe importante. O ganho final que eu te falei acima leva em conta o valor mínimo da aplicação. Caso a conta fosse feita com R$ 200 mil, você teria um ganho líquido de R$ 26.767 após os mesmos dois anos. Lembre-se que o limite de proteção do FGC é de R$ 250 mil, considerando a soma do seu aporte inicial e dos rendimentos sobre ele.

Pra não te dar só uma opção, encontrei outro produto que me chamou a atenção no aplicativo da Pi: o CDB do banco Pine. O tempo de aplicação, neste caso, é de dois anos e meio. O título paga 117% do CDI – se descontarmos a mordida do IR, o rendimento real é de 100,73% do CDI. É uma taxa que você dificilmente conseguiria em um banco tradicional para aplicações pequenas – e no CDB do Pine o valor mínimo do investimento é baixíssimo: a partir de R$ 50. O risco também é mais baixo: nível 2.

Nesta opção, os nossos R$ 5 mil teriam virado R$ 5.830 (descontado o IR) na data de resgate. Os R$ 200 mil renderiam R$ 33.200 líquidos. Sim, os CDBs também possuem a rede de proteção do FGC, para o caso de tombos inesperados.

E para o investir no curto prazo?

Agora, dois exemplos de curto prazo. Entre os títulos da plataforma, encontrei uma LCI do banco BTG com vencimento de 90 dias que rende 91% do CDI. “Ah, mas 91% do CDI é pouco...” Bom, não se esqueça que LCIs não têm IR. Se você quisesse encontrar um CDB que rendesse a mesma coisa nesse mesmo prazo, ele precisaria pagar 117% do CDI. Boa sorte nessa pesquisa! (Percebe como o IR pode fazer uma enorme diferença?!)

Outras vantagens legais: o título tem risco 1 (o mais baixo) e o valor mínimo da aplicação é de R$ 1 mil. Além disso, as LCIs também são protegidas pelo FGC. Se a gente desconsiderar a bizarra hipótese de que o BTG vá quebrar nos próximos 90 dias, podemos até comparar esse investimento a uma poupança. Investir R$ 5 mil na poupança por 91 dias (coloquei um dia a mais na conta para a hipótese fazer sentido, porque você teria de esperar o aniversário da poupança para sacá-la) renderiam R$ 55,04. No CDB do BTG, o mesmo valor renderia R$ 69,93. Obviamente, simulações com valores maiores trariam resultados mais impressivos.

Outra opção de curto prazo que me agradou é uma LCA do banco Original. Ela tem vencimento de 181 dias e paga 94% do CDI – por coincidência, isso equivaleria a um CDB que rendesse 117% do CDI no mesmo período, igualzinho ao exemplo do parágrafo anterior. O risco também é baixo (nível 2) e o valor mínimo são os mesmos R$ 1 mil.

Todos os exemplos confirmam a máxima enunciada no começo do texto: se você vai precisar resgatar o dinheiro em pouco tempo, LCIs e LCAs são mais vantajosas, porque não sofrem incidência do IR. Se puder esperar mais, os CDBs e LCs costumam ser mais negócio. Dito isso, no resto é uma questão de pesar risco e retorno. A chance de um banco ou financeira quebrar nos próximos anos é real? Bom, depende do banco e da financeira. O que não faltam são boas fontes de pesquisa sobre essas instituições, como o Seu Dinheiro e outros veículos confiáveis de notícias. Coloque nessa balança, também, o fato de que os títulos de renda fixa têm o suporte do FGC. Isso sem dúvida deve ser levado em conta, caso você esteja comparando mentalmente a rentabilidade dessas aplicações às de um fundo multimercado, por exemplo.

Agora, uma coisa que não tem risco ou custo algum é baixar o aplicativo da Pi e zapear por esses produtos. É só procurar por “Pi Investimentos” na loja de apps do seu celular e se divertir.

PS: Dúvidas? Escreva para mim no [email protected]

Leia também:
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Fechar
Menu