Menu
Luis Ottoni
Luis Ottoni
Jornalista formado pela Universidade Mackenzie e pós-graduando em negócios pela Fundação Getúlio Vargas. Atuou nas editorias de economia nos portais G1, da Rede Globo, e iG.
Contenção de gastos

Futuro presidente herdará BNDES com orçamento apertado

Presidente do BNDES diz que orçamento do Tesouro Nacional não abre espaço para cobrir “subsídios pesados”

8 de outubro de 2018
9:09 - atualizado às 9:17
Segundo o presidente do BNDES, instituição não tem orçamento para subsídios pesados - Imagem: Antonio Cruz/Agência Brasil -

O próximo presidente da república herdará um Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) menor e menos capaz de bancar subsídios pesados. Isso é o que disse o presidente do BNDES, Dyogo Oliveira, ao Estado de S. Paulo.

Segundo Oliveira, a reorientação política do banco, conduzida durante o governo do presidente Michel Temer, "veio para ficar" e afirmou que não há espaço no orçamento do Tesouro Nacional para uma mudança na Taxa de Longo Prazo (TLP), que substitui a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP).

"Uma coisa é subsidiar com uma taxa de juros de 15% e aí dar subsídio para baixar para 9%, 7% ou como se chegou a fazer a 2,5%. Outra coisa é fazer com taxa de 6,5%. Vai baixar para zero?", pondera. Segundo ele, um projeto que não é viável com uma taxa de 6,5% precisa ser melhor avaliado.

Empréstimos

Anteriormente com empréstimos equivalentes a 4,3% do Produto Interno Bruto (PIB), o BNDES deve fechar o ano com esse valor chegando a 1%.  A reorientação também alterou o perfil de empresas financiadas. A previsão é que ao final de 2018 os desembolsos para as micro e pequenas empresas feche em 49% do volume de financiamento do banco e 41% para infraestrutura.

No auge, entre 2012 e 2013, o financiamento para as micro e pequenas empresas não passava de 20% e só começou a subir em 2016 com a nova orientação. Esse é o perfil que o banco dever seguir para frente, na avaliação de Oliveira.

O presidente do BNDES lembra que antes havia uma concentração de recursos em grandes projetos e aplicações em empresas que tinham acesso ao mercado de capitais e que acabavam fazendo "arbitragem" no mercado com o dinheiro do BNDES: "Pegava o dinheiro barato e aplicava no mercado ganhando com a diferença de mercado."

Projeção

A estimativa de orçamento do banco é de chegar a R$ 1 trilhão em investimentos entre 2018 e 2021, valor que não tinha sido alcançado desde 2014. Ele admite que a baixa demanda, após quatro anos de recessão, é o grande nó do banco. Ele avalia que após as eleições o investimento volta se houver uma agenda econômica que alimente a confiança.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu