Menu
2019-10-17T07:56:20+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
as contas do fundo

FMI prevê pico da dívida sobre PIB no último ano do governo Bolsonaro

Para este ano, a instituição estima dívida bruta equivalente a 91,6% do PIB – ante previsão de 90,4% feita há seis meses

17 de outubro de 2019
7:52 - atualizado às 7:56
22/07/2019 Almoço com os Oficiais-Generais da Aeronáuticar
(Brasília - DF, 22/07/2019) Presidente da República, Jair Bolsonaro, participa de almoço com os Oficiais-Generais da Aeronáutica.rFoto: Marcos Corrêa/PR -

A dívida bruta do País como porcentagem do Produto Interno Bruto (PIB) deve atingir o ponto mais alto no último ano do governo do presidente Jair Bolsonaro.

As previsões de resultado fiscal do Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgadas nesta quarta-feira (16) mostram que até o ano final do mandato do presidente a dívida continuará a crescer, o resultado primário seguirá negativo e a receita ficará praticamente estável.

Os últimos números do Monitor Fiscal do FMI mostram que a dívida bruta do Brasil deve ficar mais alta em 2019 e 2020, na comparação com as estimativas divulgadas pelo Fundo em abril.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Para este ano, a instituição estima dívida bruta equivalente a 91,6% do PIB - ante previsão de 90,4% feita há seis meses. Em 2020, a dívida deve subir para 93,9%. O pico será atingido em 2022, chegando a 95,3% do PIB e, a partir do ano seguinte, começará a cair. Para 2024, a previsão do FMI é que fique em 94,9% do PIB.

A promessa de campanha eleitoral de Bolsonaro, reforçada inicialmente pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, como uma medida "factível", de zerar o déficit das contas públicas no primeiro ano de governo está distante das projeções do FMI. O resultado primário do País só sairá do negativo, segundo as novas projeções do banco, em 2022 - para um resultado igual a zero do PIB. A perspectiva está em linha com as últimas análises de mercado.

O déficit, aliás, deve ser maior em 2019 e 2020 do que o previsto pelo FMI no primeiro semestre deste ano. Em abril, o fundo projetava resultado primário negativo em 1,8% neste ano e também negativo em 1,0% no ano que vem. Agora, as projeções são de -1,9% e 1,4% para 2019 e 2020, respectivamente.

"A reforma da Previdência está no caminho para ser aprovada. Se você olhar para a qualidade das finanças públicas no Brasil, isso será uma contribuição importante", afirmou Victor Gaspar, diretor de Assuntos Fiscais do FMI.

'É preciso mais'

Entre os números do Fundo de abril e de outubro, o governo conseguiu avançar na tramitação da reforma no Congresso.

Mas o FMI tem dado sinais de que será preciso ir além e que a mudança no sistema previdenciário é só uma parte da solução para o nível de endividamento brasileiro. Na terça-feira, a economista-chefe do Fundo, Gita Gopinath, afirmou: "É preciso fazer mais, porque os níveis da dívida são muito altos".

Guedes, que era esperado para a reunião anual do Fundo que começou esta semana, não viajará a Washington para representar o Brasil. Com o argumento de que precisa ficar no País para focar sua atenção em assuntos internos, mudou os planos de última hora. Quem representará a delegação brasileira é o secretário de Comércio Exterior, Marcos Troyjo.

As previsões de gastos do governo ficam praticamente empatadas com o último relatório do FMI e, pelos números atuais, devem passar de 38,3% em 2019 para 37,7% em 2020, chegando a 36,4% em 2024, todos em porcentagem sobre o PIB nacional. A receita estimada do governo foi ligeiramente reduzida na comparação com os números anteriores e deve oscilar entre 30,8% e 30,6% nos próximos quatro anos.

*Com informações do jornal O Estado de S. Paulo e Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

SUGESTÃO DE LEITURA

Estou interessada nesta criptomoeda…

Da lista de 12 criptomoedas citadas pela Helana Margarido, uma delas deve entrar em um ótimo ponto de compra nos próximos dias

Acusações de corrupção

Ex-presidente da Braskem é preso em Nova York

José Carlos Grubisich foi acusado de conspiração por violar uma lei de corrupção estrangeira dos EUA e por conspiração para lavagem de dinheiro

Próxima fase

CCJ da Câmara aprova PEC da 2ª instância

Por 50 votos a 12, comissão admitiu a proposta que abre caminho para prender condenados após a segunda instância

Ricos e famosos

Saiba como 5 celebridades entraram no clube dos bilionários

Nos últimos anos o grupo dos bilionários passou a contar com nomes bem conhecidos do público. Dois deles passaram a fazer parte da lista em 2019

Dinheiro entrando

Carlos Slim Domit anuncia plano de investimento de R$ 30 bilhões no Brasil em 3 anos

Aporte de recursos será feito para ampliar a infraestrutura necessária para o desenvolvimento de novos serviços e de armazenamento em nuvem

De cara nova

BNDES elege dois conselheiros e informa que poderá devolver até R$ 200 bilhões ao Tesouro até 2022

Marcelo Serfaty e Marcelo Sampaio foram eleitos para o Conselho de Administração do banco de fomento em Assembleia Geral Extraordinária

Esclarecendo

Campos Neto: Se câmbio contaminar inflação, atuação será via taxa de juros

Presidente do BC, Roberto Campos Neto, diz que foi mal interpretado e faz esclarecimento sobre relação do dólar com inflação e resposta do BC

Juros bancários

BC vai divulgar novo plano para mudar cheque especial ainda neste ano

Em audiência na Câmara dos Deputados, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse que é preciso fazer uma “reengenharia” do cheque especial

É dólar que sai

Fluxo cambial total em novembro até dia 14 é negativo em US$ 1,1 bilhão

Banco Central também informou que, no ano, o fluxo cambial até 14 de novembro ficou negativo em US$ 22,628 bilhões

Impeachment de Trump

Embaixador dos EUA na UE confirma que Trump pressionou Ucrânia a investigar democratas

O diplomata Gordon Sondland implicou ainda outros membros da alta administração do governo em audiência sobre o processo de impeachment do presidente

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements