Menu
2018-10-06T16:41:31+00:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Eleições 2018

Fenômeno das eleições, redes sociais movimentam campanhas e deixam a dúvida: ainda dá tempo de virar o jogo?

Candidatos do terceiro pelotão nas pesquisas agora apostam em fortes mobilizações nas redes sociais. Se der certo, o mercado pode ter surpresas

6 de outubro de 2018
9:24 - atualizado às 16:41
Ciro Gomes
Ciro Gomes foi para as redes sociais para tentar emplacar sua candidatura na reta final da campanha - Imagem: Shutterstock

As pesquisas de intenções de voto são claras ao apontar que as chances de um segundo turno sem a participação de Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) seguem baixas. Mas, na reta final da campanha, ainda há quem aposte em uma virada de candidatos do chamado terceiro pelotão, e ela viria do que foi considerado o elemento surpresa nas eleições: as redes sociais.

Com o fim das campanhas na TV e rádio, a internet se transformou no principal canal para os presidenciáveis apostarem suas últimas fichas antes da votação. Adversários de Bolsonaro e Haddad que sonham com vaga no segundo turno adotam estratégias diferentes para mostrar que ainda podem chegar lá.

Muito dessa expectativa se apoia em mudanças de última hora como a que ocorreu nas eleições em 2014. Naquele ano, as últimas pesquisas eleitorais apontavam para um segundo turno entre Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva (então PSB). Mas foram nos dois dias finais de campanha que Aécio Neves (PSDB) virou o jogo, roubando a vaga de Marina e levando vantagem de mais de 10 pontos percentuais na votação.

E você, investidor, deve permanecer atento a essas mudanças. De momento, o mercado opera dentro da expectativa de segundo turno entre Bolsonaro e Haddad. Está tudo, como eles costumam dizer, "precificado". Mas uma reviravolta nos 48' do segundo tempo, com outro candidato na disputa, pode trazer fortes movimentações nos ativos, sobretudo na bolsa e no dólar. Isso porque as simulações de segundo turno mostram cenários diferentes, a depender de quais candidatos o disputem: Bolsonaro empata com Haddad, mas perde de Ciro e Alckmin (este na margem de erro).

Para entender esse processo, o jornal o Estado de S. Paulo entrevistou o cientista político Kleber Carrilho, da Universidade Metodista de São Paulo. Segundo ele, a movimentação dos candidatos pode sim mudar o cenário eleitoral.

"Foi uma campanha muito mais online do que pensávamos que seria. Então, por mais que as pesquisas falem em voto convicto, as redes podem mudar isso e criar movimentos bruscos no final."

A terceira via

O candidato do PDT, Ciro Gomes, é um dos que aposta na força de sua militância online para fazer sua candidatura viralizar. No dia do último debate da TV, quinta, emplacou a hashtag #TsunamiCiro, em referência a algo maior que as "ondas" de apoio a outros candidatos. Ontem à noite, a hashtag #ViraViraCiro atingiu a primeira posição entre os assuntos mais comentados no mundo no Twitter.

Geraldo Alckmin (PSDB) também é um candidato que opta pelo discurso de que Haddad e Bolsonaro representam candidaturas "radicais". "As grandes viradas acontecem no final", escreveu Alckmin, na noite de quinta-feira, 4.

"É possível que as redes causem certa instabilidade no que hoje temos como o cenário para o 2.º turno", disse Carrilho ao Estadão. "Há, por exemplo, a possibilidade de que eleitores do Haddad passem a ver Ciro como uma possibilidade de derrotar Bolsonaro. Ou que eleitores de outros candidatos migrem para Bolsonaro por uma vitória no primeiro turno", afirmou o cientista político.

*Com Estadão Conteúdo e jornal O Estado de S. Paulo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

A Bula do Mercado

Mais um feriado testa mercado

Pausa na cidade de São Paulo amanhã deve enxugar a liquidez dos mercados domésticos, provocando distorções nos preços dos ativos

Não vai ter Disney

Dólar a R$ 4,20 surpreende, mas nem tanto. Olho no BC

Mercado aguarda algum aceno do Banco Central (BC), que pode vir pela mesa de operações ou na fala de Roberto Campos Neto, que participa de audiência no Senado

Nada de aumento

“Há zero possibilidade de aumentar a carga de impostos”, diz Waldery

Waldery explicou que a meta de déficit primário de 2019 está mantida em R$ 139 bilhões, mas lembrou que o saldo negativo deve ficar abaixo dos R$ 80 bilhões

Contas públicas

Governo central deve fechar 2019 com déficit abaixo de R$ 80 bi, diz Guedes

Guedes voltou a dizer que o sucesso do leilão da cessão onerosa também ajudou a fazer um resultado fiscal melhor, além de permitir um maior repasse de recursos para Estados e municípios. “O ano de 2019 foi interessante, porque conseguimos muita colaboração com Congresso nas reformas econômicas. Também houve muita colaboração do Judiciário”, completou

Novidades na cervejaria

Ambev anuncia Jean Jereissati como presidente da companhia em 2020

A partir de 1º janeiro de 2020, Jereissati Neto acumulará as funções de diretor-presidente e diretor de vendas e de marketing

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Game over? A vida com o dólar acima de R$ 4,20

A primeira vez que o dólar atingiu o patamar de R$ 4,20 foi em setembro de 2015. Eu me lembro de receber a notícia de uma forma bem inusitada, no meio da plateia de um evento voltado a grandes investidores. Enquanto o palestrante da vez tentava injetar alguma esperança sobre as perspectivas da economia brasileira em […]

Olho nos números

BMG não agrada mercado em primeiro balanço após IPO e ações caem

Apesar da queda acentuada dos papéis, ao comentar o balanço do BMG, os analistas do BTG Eduardo Rosman e Thomas Peredo se mostraram mais tranquilos com o resultado e destacaram que os números vieram dentro do esperado pela maioria dos investidores com quem conversaram

Gestoras

JGP segue comprada em bolsa enquanto acompanha guerra de narrativas

Gestora discute tese de que a manufatura e o comércio global estão próximos ao fundo do poço e prestes a se recuperar

Mudança de coleção

Dona da Le Lis Blanc e Dudalina, a Restoque tenta pôr ordem na casa. O mercado está cético

Em meio a um processo de mudança de estratégia, a Restoque reportou mais um conjunto de resultados trimestrais desanimadores, o que fez suas ações chegarem às mínimas em mais de três anos

Mudanças à vista

Desoneração da cesta básica vai acabar, diz Tostes Neto

Para compensar o gasto com tributo, o governo deve devolver dinheiro aos mais pobres como adicional aos programas sociais

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements