Menu
2019-04-20T15:17:27+00:00
Dando prejuízo

Fabricante de chip e Valec serão liquidadas pelo governo

Opção pela liquidação ocorre porque não há interesse do mercado em comprar essas companhias, o que inviabiliza uma tentativa de privatização

10 de janeiro de 2019
6:59 - atualizado às 15:17
Sede da Ceitec
Imagem: Ceitec/Divulgação

O governo deve fechar as portas de duas estatais ainda no primeiro trimestre do ano. Uma delas é a Valec, que cuida de ferrovias e teve ex-diretores envolvidos em desvios de recursos em obras. A outra é a Ceitec, que produzi chips para monitoramento de gado e medicamentos. As duas empresas são dependentes do Tesouro Nacional, ou seja, não geram receitas suficientes para pagar suas despesas de pessoal e custeio.

Todos os 1.177 empregados serão demitidos, e os ativos das empresas serão vendidos para pagar dívidas, segundo apurou o Estadão/Broadcast.

A liquidação dessas empresas deve ser aprovada pelo conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), colegiado formado por ministérios e bancos públicos, além da Presidência da República. A reunião que deve sacramentar a decisão será realizada em fevereiro.

Embora tenham entrado nas empresas por meio de concurso público, os empregados serão demitidos, pois, com a liquidação, as atividades das estatais serão encerradas. A opção pela liquidação ocorre porque não há interesse do mercado em comprar essas companhias, o que inviabiliza uma tentativa de privatização. Nesta semana, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, disse que o governo pode privatizar ou liquidar até 100 empresas estatais, considerando as subsidiárias de Banco do Brasil, Caixa, Eletrobrás e Petrobrás.

A intenção do governo Jair Bolsonaro é privatizar as ferrovias, o que retiraria as funções da Valec. Parte de suas funções poderia ser assumida pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). No caso da Ceitec, o governo não tem mais interesse em atuar na área.

A Valec é uma empresa pública vinculada ao extinto Ministério dos Transportes, atual Ministério da Infraestrutura, e foi reativada em 2008, durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A estatal atua na construção e exploração da infraestrutura ferroviária, como a Norte-Sul e a Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol). A Valec também detém participações na sociedade da Transnordestina, com a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN).

Desde que voltou a operar, a Valec foi alvo constante de investigações da Polícia Federal e do Ministério Público Federal sobre irregularidades em obras. Uma das denúncias levou um de seus ex-presidentes à prisão.

Como o Estado antecipou, outra empresa que está nos planos de liquidação do governo é a Infraero, estatal responsável pela gestão de 55 aeroportos do País, incluindo Congonhas (SP) e Santos Dumont (RJ). A empresa também é sócia minoritária nos aeroportos privados de Guarulhos (SP), Campinas (SP) e Brasília (DF). Neste caso, porém, é preciso antes vender os aeroportos, para só depois encerrar as atividades da empresa, o que demanda mais tempo.

A Valec consumiu R$ 259 milhões em recursos do Tesouro Nacional em 2017. O prejuízo foi de R$ 947,4 milhões, ante um resultado negativo de R$ 1,541 bilhão em 2016. A empresa tem 983 empregados, com salário médio é de R$ 9,5 mil mensais.

Também criada em 2008 pelo ex-presidente Lula, a Ceitec é vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). A empresa atua na área de dispositivos microeletrônicos e fabrica chips para identificação e rastreamento de produtos, medicamentos e animais.

A fábrica da Ceitec em Porto Alegre (RS) tem 194 empregados, com salário médio de R$ 8,6 mil. A empresa recebeu subvenção do Tesouro Nacional de R$ 75 milhões em 2017.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Setor de aviação comercial

Joint-venture entre Embraer e Boeing se chamará Boeing Brasil – Commercial

Venda de 80% da divisão de aviação comercial da fabricante brasileira de aviões para a americana foi fechada no começo de julho do ano passado

Tá complicado!

Funcionários da Avianca anunciam nova greve para esta sexta-feira

Paralisação vai atingir os aeroportos de Congonhas, em São Paulo, e Santos Dumont, no Rio de Janeiro

De olho no gráfico

Como comprar bitcoin com outras criptomoedas – e é uma boa comprar?

Coluna traz vídeos sobre análise gráfica e dicas de investimentos. O tema é o mercado de ações e criptomoedas.

Agora vai?

EUA modificam posição e formalizam apoio à entrada do Brasil na OCDE

Sem dar detalhes, secretário-geral da OCDE, José Ángel Gurría, confirmou a informação de que o grupo tem uma posição diferente sobre o Brasil

Reformas

Presidente e relator da Previdência jogam ‘policial bom, policial ruim’ nas suas declarações

Depois de aceno conciliador dado por Samuel Moreira na segunda-feira, Marcelo Ramos sobe à tribuna, critica o governo e pergunta: “Vamos transformar isso aqui em uma Venezuela?”

Enfim, passou!

Câmara conclui votação da MP dos ministérios e medida segue para análise do Senado

Senado tem até a próxima semana para votar a medida, antes que ela perca sua validade, em 3 de junho

Private equity

Para fundos que compram empresas, momento é bom para fazer negócio

Fundos que investem em participações em companhias para vendê-las com lucro posteriormente fecharam o ano passado com R$ 39,3 bilhões disponíveis para investir no Brasil

Um polvo da construção

Duratex anuncia a compra da Cecrisa por R$ 1 bilhão e amplia ainda mais seu espaço no mercado

Anúncio feito nesta quinta-feira está em linha com o modelo de negócio da companhia, que espera estabelecer um sistema “one stop shop” no setor de materiais de construção

Gigantes do mundo da beleza

Avon e Natura devem manter marcas e estrutura comercial independente após fusão

Após a união de Avon e Natura, as empresas manterão duas sedes e devem buscar sinergia operacionais, com produção e distribuição de cosméticos

Transação bilionária

A Natura finalmente comprou a Avon. Ainda dá tempo de entrar nas ações?

Analistas se debruçaram sobre a estrutura da compra da Avon pela Natura — e, em linhas gerais, gostaram do que viram. Mas, considerando o rali recente das ações da empresa brasileira, a postura dos especialistas é cautelosa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements