Menu
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Alerta vermelho no radar

Exportações chinesas surpreendem de forma negativa em novembro com forte desaceleração

Indicadores mostraram queda de 5,4% nas exportações em relação a novembro de 2017, enquanto economistas esperavam alta de 10%

8 de dezembro de 2018
9:46
Vários economistas já esperavam desaceleração do indicador a partir de outubro, após meses de embarques robustos - Imagem: Shutterstock

As exportações chinesas desaceleraram inesperadamente em novembro com o enfraquecimento da demanda na maioria dos mercados mundiais.  Os indicadores mostraram queda de 5,4% nos embarques em relação a novembro de 2017, perdendo ritmo em relação ao aumento de 15,6% observado em outubro. Economistas consultados pelo The Wall Street Journal previam um crescimento de 10,0% para o indicador no mês.

As exportações chinesas para economias emergentes e desenvolvidas puxaram a desaceleração. O avanço foi de 5,4% no comparativo anual - o ritmo mais lento em oito meses -, ante o aumento de 15,6% verificado em outubro.

A exceção foram os Estados Unidos, onde o forte crescimento das importações manteve a China no caminho para registrar outro superávit comercial recorde.

Vários economistas já esperavam desaceleração do indicador a partir de outubro, após meses de embarques robustos, especialmente para os Estados Unidos, devido ao movimento de antecipação às tarifas mais elevadas diante das tensões comerciais entre os dois países. Mas, ainda que essa tendência já estivesse prevista para o final do ano, a queda de novembro foi mais acentuada do que a projetada.

No entanto, os embarques aos Estados Unidos resistiram à ampla desaceleração. As exportações chinesas para o mercado norte-americano cresceram quase 10% em novembro, abaixo dos 13,2% observados em outubro, mas ainda conferindo à China um superávit mensal recorde com o país, de US$ 35,55 bilhões.

Entre janeiro e novembro de 2018, o superávit comercial da China com os Estados Unidos ficou em US$ 294,6 bilhões, bem acima do saldo positivo recorde de aproximadamente US$ 275,8 bilhões registrado para todo o ano de 2017. Os Estados Unidos colocam a diferença anual em US$ 375,2 bilhões.

Esse desequilíbrio é citado pelo governo de Donald Trump como uma das razões para a fixação de tarifas sobre as importações chinesas. Pequim retaliou a medida e, depois de ambos os lados terem estabelecido tarifas cobrindo cerca de 60% de seu comércio de bens, as nações chegaram a uma trégua no início deste mês.

A desaceleração da demanda pelas exportações da China na maioria dos mercados também alimentou uma desaceleração nas importações do país asiático. Para alguns economistas, esse movimento é um presságio do enfraquecimento mais amplo do crescimento na China e em outras partes do mundo.

As importações da China cresceram 3,0% em relação a novembro de 2017 (ante aumento de 21,4% no mês anterior), taxa inferior ao ganho de 14,4% previsto, em média, por economistas consultados pelo The Wall Street Journal.

Os embarques, que têm sido um ponto brilhante na economia chinesa, podem impulsionar o crescimento no próximo ano, disse Liu Xuezhi, economista do Bank of Communications. Ele sugere que Pequim reforce medidas para impulsionar o consumo e obras de infraestrutura e estimular investimentos, reduzindo os impostos sobre importações e bens de consumo.

Já o superávit comercial da China aumentou para US$ 44,74 bilhões, ante US$ 34,0 bilhões em outubro, segundo dados da alfândega. Economistas esperavam um superávit de US$ 33,5 bilhões.

*Com Estadão Conteúdo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
dia 51

Reconhecendo o erro

Bolsonaro entregou PEC da Previdência ao Congresso e disse que errou ao se contrário à reforma quando era deputado

Limite saudável

Para Arminio Fraga, qualquer economia menor do que a proposta por Bolsonaro sobre a Previdência é preocupante

Em declarações sobre o projeto apresentado hoje, o ex-presidente do BC destacou como positiva a economia prevista para os cofres públicos

Tem que manter isso aí

Guedes defende que negociações envolvendo a reforma respeitem a marca de R$ 1 trilhão de economia para o governo

Ministro alertou que, caso a Previdência seja desidratada a ponto de trazer uma economia menor que essa, o Brasil não conseguirá “escapar da armadilha”

Previdência

Com reforma apresentada, grande questão é qual será a diluição

Executivo enviou proposta abrangente com previsão de economia de R$ 1,1 trilhão. Mas quanto disso sobreviverá às negociações no Congresso?

Balanço

Acabou a faxina? Veja como os analistas reagiram a (mais um) prejuízo da Via Varejo

Ações da rede dona das Casas Bahia e Ponto Frio reagem em queda moderada ao prejuízo de R$ 279 milhões no quarto trimestre do ano passado. Projeções da empresa para este ano ajudam a sustentar algum otimismo

DE OLHO NO GRÁFICO

Aprenda a usar os gráficos

Coluna traz vídeos sobre análise gráfica e dicas de investimentos. Terças e quartas o tema é o mercado de ações. Quinta-feira é a vez das criptomoedas

Repercussão do projeto

Como a classe política reagiu à proposta de reforma da Previdência entregue por Bolsonaro

Enquanto a oposição fez barulho e emplacou uma hashtag no Twitter contra a reforma, líderes do Congresso já citam pequenas mudanças no projeto

O escolhido de Bolsonaro

Novo líder do governo no Senado é alvo de 5 inquéritos judiciais

Entre as acusações, Fernando Bezerra é suspeito de ter de recebido R$ 2 milhões de empreiteiras por obras no Porto de Suape, em Pernambuco

Reforma da Previdência

Líder do MDB diz que reforma será aprovada até 15 de julho

Proposta da reforma da Previdência foi entregue nesta quarta-feira (20/2) aos deputados. O texto precisa de 308 votos para ser aprovado

Fluxo cambial

Dólares continuam entrando no mercado brasileiro

Dados do Banco Central mostram que, depois dos US$ 55 milhões em entradas líquidas em janeiro, o País registra fluxo positivo de US$ 6,626 bilhões até 15 de fevereiro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu