Menu
2019-09-07T15:27:11+00:00
Entrevista

Ex-diretor do BC, Alexandre Schwartsman defende estímulo à demanda doméstica

Todas as indicações são de que o Banco Central vai continuar cortando juros, é um consenso que as taxas vão ficar na casa dos 5% até o fim deste ano, afirma Schwartsman

7 de setembro de 2019
15:27
Alexandre Schwartsman, consultor e ex-diretor do Banco Central
Alexandre Schwartsman, consultor e ex-diretor do Banco Central - Imagem: Reprodução Youtube

A inflação sob controle, apesar das altas recentes do dólar, deve manter a perspectiva de que os juros básicos, hoje em 6% ao ano, fiquem na casa dos 5% ao ano até o fim de 2019. Mas também reflete o ritmo mais lento do que se imaginava para a recuperação de uma economia que ainda não conseguiu engatar.

A avaliação é do consultor e ex-diretor do Banco Central Alexandre Schwartsman. Ele também lembra que esses preços refletem o consumo ainda tímido das famílias e que a queda da renda dos brasileiros nos anos de crise ainda deve demorar a se recuperar. A seguir, trechos da entrevista:

O que a inflação registrada em agosto diz sobre o estado atual da economia brasileira?

Os números mostram que é a absoluta ausência de surpresas em relação à economia. Ela está parada mesmo. Os núcleos de inflação estão inalterados nos últimos 12 meses, é uma economia que não tem tensão inflacionária.

O exterior também tem contribuído para a inflação baixa?

Sim. Há alguns efeitos desinflacionários vindo do exterior: crescimento global mais fraco, preços de commodities em queda e a crise Argentina, que pesa direto na produção industrial do Brasil, pela importância que eles têm na compra de manufaturados brasileiros. Pelos números, dá para ver que a exportação de manufaturados do Brasil está perdendo fôlego, o que é preocupante, dado o estado crítico em que a indústria brasileira se encontra.

A recuperação, então, deve vir do mercado interno?

Exatamente. A recuperação da economia não vai vir de fora, é preciso colocar mais demanda doméstica para puxar a economia. O consumo está muito fraco ainda, mais forte do que o resto da economia, mas muito distante do ideal.

O consumo vai continuar fraco enquanto o desemprego continuar resistente?

A taxa de criação de empregos, na comparação com todo o resto, não está tão mal. Houve uma recuperação expressiva na comparação com os piores momentos da crise. Se a gente parar para pensar, eram 92,5 milhões de empregos em 2015, caiu para 89,5 milhões durante o pior momento da crise. A gente está na casa de 93,5 milhões, mas é um emprego de pior qualidade. O emprego formal ainda está muito abaixo do período pré-crise, subiu no informal e no conta própria. O que leva a uma renda mais baixa das famílias também.

O emprego informal acaba inibindo a concessão de crédito também, certo?

Sim, os bancos tendem a ser mais reticentes para dar crédito para quem está informal ou por conta própria. A economia depende muito da recuperação da renda e não tem muito como alavancar a renda neste momento.

Houve uma depreciação forte do real recentemente, com o dólar encostando em R$ 4,20. Isso pode afetar a inflação?

Foi, de fato, uma depreciação forte. O dólar rapidamente chegou a esse patamar entre R$ 4,10 e R$ 4,20, mas os efeitos ainda não apareceram na inflação de agosto. Se aparecerem, vai ser em setembro ou outubro. Ainda assim, deve ser um efeito de curto prazo, se o dólar parar mesmo em R$ 4,20. Se a moeda americana subir além disso, podemos ter problemas. Até agora, porém, não acho que seja um grande obstáculo para continuar cortando juros.

O ano de 2019 é dado como perdido, apesar de previsões anteriores, que mostravam uma recuperação mais forte. Foram as crises políticas que postergaram a retomada da economia?

A responsabilidade não é toda do Planalto. Eu acho que o presidente é fraco, mas o Congresso chamou para si a responsabilidade de tocar a agenda de reformas. O problema é que a economia perdeu fôlego no fim do ano e não recuperou desde então, apesar da perspectiva que os economistas tinham de que a eleição iria eliminar incertezas.

Com a inflação nesse patamar baixo, o espaço para novos cortes dos juros continua aberto?

Todas as indicações são de que o Banco Central vai continuar cortando juros, é um consenso de mercado que os juros vão ficar em alguma coisa na casa dos 5% até o fim deste ano e devem permanecer aí ao longo de 2020. Não tem muita opção, sem a queda de juros, dificilmente a inflação vai convergir para a meta. Em 2019 não tem mais o que fazer, o ano está perdido e o cenário já foi lançado, não tem política monetária que vá mudar alguma coisa agora. O foco do Banco Central já está em 2020.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

quem disse que tá ruim?

Novatas de tecnologia na bolsa americana têm desempenho acima do S&P 500 – mesmo levando em conta Uber e Lyft

Levantamento feito por publicação americana leva em conta 13 IPOs de tecnologia deste ano nas bolsas e mostram que os papéis, juntos, valorizaram mais que o S&P 500

tensão

Drones atacam instalações de petroleira na Arábia Saudita

Reivindicado pelos rebeldes houthis que combatem a intervenção saudita no vizinho Iêmen, ataque atingiu duas refinarias da Aramco

oportunidades à vista

Brasil consegue abertura do mercado egípcio para lácteos e Bolsonaro comemora

Produtores brasileiros poderão exportar, já a partir de outubro, produtos como leite em pó e queijos para o mercado egípcio

unicórnio vai à bolsa

Startup de escritórios compartilhados WeWork reduz poderes do CEO

Prestes a estrear na bolsa, a WeWork enfrenta a preocupações de investidores por conta de seu modelo de negócio.

olha a dupla aí

Com IPO da C&A e avanço da Amazon, mercado espera aceleração de investimentos no varejo

Especialistas avaliam a oferta pública inicial de ações da rede de lojas de vestuário e a escalada da varejista fundada por Jeff Bezos

novela com o bilionário

Executivo das criptomoedas pagou US$ 4,6 milhões por almoço com Warren Buffett – mas encontro pode não acontecer

CEO da Tron, Justin Sun, venceu leilão beneficente que promove um encontro com o lendário investidor, mas história teve desdobramentos inesperados

olhos lá na frente

Mineradora tem projeto de R$ 9,1 bi com megabarragem no Norte de MG

Projeto prevê uma das maiores barragens de rejeitos do País, mas é condenado por entidades como o Movimento dos Atingidos por Barragens; empresa afirma que o modelo é seguro

o melhor do seu dinheiro

MAIS LIDAS: Uma empresa que vale zero?

Mais lida da semana, matéria conta as duras críticas de um analista quanto ao negócio da Tesla, do bilionário Elon Musk. Veja outras notícias que bombaram no Seu Dinheiro nos últimos sete dias.

agora vai?

CSN negocia retomada da ferrovia Transnordestina

Já foram investidos na obra R$ 6,2 bilhões e ainda faltam R$ 6,7 bilhões para concluir os 48% da ferrovia que restam para ser feitos

o futuro já chegou

Carros elétricos são estrelas em evento de Frankfurt

No Salão de Frankfurt, praticamente todos os estandes tem os automóveis movidos a energia elétrica ou híbridos como atrações principais

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements