Menu
2019-06-07T18:48:10+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Com base em dados do BC

Estudo mostra que fintechs avançaram sobre grandes bancos no Brasil

Dados mostram que, entre 2014 e 2018, a participação dos cinco maiores bancos do País no total de operações financeiras recuou, de 77,3% para 69,9%

29 de abril de 2019
14:45 - atualizado às 18:48
Bancos - Itaú - Santander - Bradesco - Banco do Brasil
Bancões vêm perdendo espaço no mercado para as fintechsImagem: Montagem Andrei Morais / Estadão Conteúdo / Shutterstock

A concentração bancária diminuiu nos últimos quatro anos, aponta um estudo feito, a partir dos dados do Banco Central, pelo economista Roberto Luis Troster.

Entre 2014 e 2018, a participação dos cinco maiores bancos do País no total de operações financeiras recuou, de 77,3% para 69,9%.

Também a fatia dos cinco gigantes (Itaú Unibanco, Bradesco, Santander, Banco do Brasil e Caixa) no total de clientes encolheu: era de 72,3% em 2014 e fechou 2018 em 64,5%.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O avanço dos bancos digitais e das fintechs, que chegam a 400, é um dos fatores que explicam a redução na concentração dos sistema financeiro em torno dos cinco maiores bancos, avalia o consultor, que foi economista-chefe da Febraban.

"A concentração não é um problema, ela está diminuindo", afirma. A questão hoje é que o modelo de negócio de algumas instituições ficou obsoleto. "Banco não é mais uma lugar que você vai. É uma coisa que você faz, ele está no seu celular", diz Troster.

Confira abaixo a entrevista que ele concedeu ao jornal O Estado de S. Paulo.

O que o estudo revelou?

Que a concentração bancária não é um problema no sistema financeiro. Ela diminuiu entre 2014 e 2018.

Quais dados o levaram a essa conclusão?

O número de bancos aumentou: eram 153 em 2014, agora, 155. A segunda variável é a participação dos cinco maiores bancos no total de clientes, que era 72,3% em 2014, caiu para 64,5%, em 2018. No total de operações, os cinco maiores eram responsáveis por 77,3% em 2014 e essa fatia recuou para 69,9% em 2018. Por último, a participação no volume de crédito, teve queda em 2015 e aumentou em 2016 e 2017 por conta de o HSBC ter sido comprado pelo Bradesco. Mas apresentou um declínio, de 2017 (72,9%) para 2018 (72%).

Por que está havendo esse movimento de desconcentração?

A tecnologia é o primeiro fator que tem contribuído para isso. Hoje um terminal de computador atua como um banco. Antes era preciso ir ao banco. Hoje você faz tudo pela internet. As fintechs ocuparam espaço, e com mais rentabilidade do que os bancos grandes.

A redução da concentração ocorre em função do avanço dos bancos digitais?

Sim. O segundo fator é o modelo de negócio. Alguns bancos grandes, especialmente os estatais, não se adaptaram ao novo cenário, e o modelo de negócios ficou obsoleto. Isso fez com que esses bancos perdessem terreno rapidamente.

Quais seriam esses bancos?

Os bancos estatais. Eles estão na lanterna em número de operações e em número de clientes. Ficam atrás do Bradesco, Itaú e Santander.

Por que eles não adaptaram o modelo de negócios?

É difícil saber o motivo.

Qual é o principal problema do sistema financeiro hoje?

É o modelo de negócio. O paradigma seguido é antiquado. Há 25 anos, a importância do banco era preservar a moeda nacional, evitar a dolarização. Hoje essa preocupação com a preservação da moeda não existe mais. E os bancos mantiveram a indexação.

Mas o banco sozinho pode mudar isso?

O paradigma é do Banco Central, mas os bancos não fazem nada para alterá-lo.

O sr. acha que as fintechs vão acabar com os bancos?

Depende de cada banco e como ele reage às mudanças. Tem bancos que conseguem se adaptar e outros que não sobrevivem por muito tempo.

O sr. acha que as fintechs já mudaram o sistema financeiro?

A tecnologia muda tudo. Banco não é mais uma lugar que você vai. É uma coisa que você faz, ele está no celular. O papel do banco mudou pela tecnologia e pela economia.

*Com o jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

O CLIMA ESQUENTOU

Bolsonaro ameaça demitir Levy por nomeação de diretor que trabalhou no governo PT

Na sexta-feira, 14, durante café da manhã com jornalista, Bolsonaro demitiu o presidente dos Correios, general Juarez Cunha

RALI

Nada de Bitcoin: criptomoeda que valorizou 330% em 2019 tem outro nome

Segundo analistas, há pelo menos duas razões claras para o movimento de alta do Litecoin. Entenda o que está causando esse fenômeno

ENTREVISTA

“Não vou impor uma solução e destruir a reforma”, diz Samuel Moreira

Relator da proposta conta ter abdicado inclusive de convicções próprias em favor da construção de um texto com apoio suficiente das lideranças

NOS TRILHOS

Rumo avaliará participar de Fiol e Ferrogrão

Ferrovias estão entre os mais importantes projetos ferroviários para o escoamento de commodities, como grãos e minério de ferro, do Brasil

BOMBOU NA SEMANA

MAIS LIDAS: Sai da minha aba, Estado

O Estado é aquele gigante metido que mais atrapalha do que ajuda. Os empreendedores precisam tirar ele do seu caminho. Confira as mais lidas da semana no Seu Dinheiro

O FRUTO DA CANNABIS

Cofres cheios de verde: Colorado atinge US$ 1 bilhão em arrecadação com maconha

Pioneiro na legalização do comércio da erva, estado americano comemora cifra e quer atrair empresas para expandir e lucrar ainda mais com o setor

MAIS UM PRA CONTA

Bolsonaro demite terceiro militar em uma semana

Segundo o presidente, Cunha “foi ao Congresso e agiu como sindicalista” ao criticar a privatização da estatal e tirar fotos com parlamentares da oposição

"Cash is king"

O risco “oculto” que deixa até famílias ricas sem dinheiro para pagar as contas

Já pensou ter milhões em imóveis, mas nem um tostão para o dia a dia? A falta de liquidez é um vilão até para os mais ricos. Saiba como fugir dessa armadilha

Olha ele aí

Michael Klein confirma compra de 1,6% de ações da Via Varejo em leilão da B3

Com o movimento, Klein agora se torna o maior acionista de referência da companhia de varejo

De costas para o ministro

Ramos: não nos contaminaremos pela fala de Guedes num momento bom da reforma

Ministro da Economia, Paulo Guedes, fez críticas nesta sexta-feira, 14, aos deputados depois da apresentação do relatório da reforma

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements