Menu
2019-04-25T17:28:33+00:00
Bate cabeça

Estratégia do governo de formar maiorias pontuais dificulta agenda liberal, diz pesquisador

Octavio Amorim também alertou para as diferenças nos grupos na base governista, o que dificulta consenso entre os temas que precisam ser debatidos

12 de abril de 2019
17:47 - atualizado às 17:28
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro - Imagem: Shutterstock

A estratégia do governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) de formar maiorias pontuais para aprovar projetos de interesse do governo dificulta a implementação da agenda liberal no País, avaliou Octavio Amorim, pesquisador da Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas da Fundação Getulio Vargas (Ebape/FGV), durante o seminário promovido pelo Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV) em parceria com o Estadão, no Rio de Janeiro, para analisar os 100 primeiros dias de governo.

"Se a agenda liberal é para prosperar, seria muito melhor ter maioria no atacado, não no varejo. Esse é um modelo de governança muito difícil, quase simplório. Numa estratégia de maiorias pontuais, o presidente tem que ser equilibrista. Como um presidente minoritário de extrema direita vai formar maiorias pontuais?", questionou o pesquisador da Ebape/FGV. "Um naco do programa liberal vai ficar na boca dos tubarões", ironizou Amorim.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Amorim lembrou que há diferentes grupos na base do governo, que têm se chocado publicamente, o que dificulta consenso entre os temas que precisam ser debatidos, uma vez que acabam sendo negociados com cada um deles. "O presidente até hoje não estabeleceu a importância relativa dos grupos que estão no governo nem a hierarquia", lembrou.

Para Samuel Pessôa, pesquisador do Ibre/FGV, o presidente inaugurou uma forma de relacionamento com o Legislativo que ainda não tem sido bem-sucedida, pelo menos na questão da discussão da reforma da Previdência.

"A gente tem um presidente que tem uma nova forma de relacionamento com o Legislativo, uma nova prática. A gente não sabe exatamente o que é, mas parece que é 'eu faço projeto com minha equipe técnica, um projeto que é bom para o País, eu mando para o Congresso e ele tem que aprovar'. A coisa tem que andar por gravidade, sem a liderança da figura da Presidência para tocar o projeto. Na Previdência está indo muito mal", opinou Pessôa.

No entanto, o pesquisador do Ibre/FGV acredita que Bolsonaro tenha sido bem-sucedido no sentido de conseguir jogar uma responsabilidade do Executivo para o Congresso. "Acho que é um custo muito alto, porque a gente vai aprovar uma Previdência muito tarde e muito pequena. Mas parece que ele conseguiu começar a mudar as coisas", completou Pessôa.

A nova forma de operar do governo Bolsonaro deve resultar numa "agenda caótica por um bom tempo", alertou Amorim. "O recurso mais precioso em qualquer lugar do mundo é o tempo. Se o presidente não entra para negociar essa agenda com diversos partidos, o risco de caos é muito grande. O potencial de interrupção da agenda liberal é muito grande", acredita o pesquisador da Ebape/FGV.

Segundo Fernando Veloso, também pesquisador do Ibre/FGV, a votação surpresa e quase unânime do orçamento impositivo no Congresso confirma uma mudança na condução da agenda. "Não sei se vai ser bom ou ruim, mas a dinâmica mudou", disse Veloso. "O congresso vai votar a agenda deles".

O secretário executivo do Conselho Empresarial Brasil-China, Roberto Fendt, defendeu que a sequência de reformas proposta durante a campanha seja seguida, sob pena de penalizar alguns setores da economia: primeiro a reforma da Previdência, seguida pela reforma tributária, e só então a prometida abertura comercial.

"A meu ver, esse sequenciamento é adequado. Porque o grande problema de reformas é um erro de sequenciamento", afirmou Fendt.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Olha a oportunidade aí!

Ministro diz que estuda estender isenção de IR de debêntures a PJ e estrangeiros

Atualmente, a isenção das debêntures de infraestrutura é apenas para pessoas físicas

Agora vai?

Ministro suspende decisões que impediam julgamento de cartel de trens pelo Cade

Investigação envolve suposto conluio de empresas em licitações de metrôs e trens nos Estados de Rio Grande do Sul, Minas e São Paulo e no Distrito Federal

fala ministra

Na FAO, Tereza Cristina defende fim do protecionismo de países desenvolvidos

A ministra destacou que o protecionismo em países desenvolvidos ameaça o aumento da produção de alimentos nas nações em desenvolvimento, que ficam competindo com produtos subsidiados.

Você lembra do Windows Phone?

Bill Gates admite erro que poderia ter mudado a história dos smartphones

Em 2008, em uma reunião de emergência, a Microsoft decidiu remodelar os planos do seu sistema operacional para se adequar. E embora Gates tenha deixado o cargo de CEO em 2000, é provável que o seu conselho tenha sido levando em consideração

sem consenso

Líder do governo elogia projeto de agências reguladoras criticado por Bolsonaro

Para o senador Fernando Bezerra Coelho, o texto, já aprovado pela Câmara, aperfeiçoou o processo de escolha para o comando das agências

resenha com rodrigo

Maia lança podcast e diz que relatório deve ser votado até dia 27

Publicação será semanal e a previsão é de que seja publicado às segundas-feiras nas redes sociais do deputado

por mais impostos

George Soros e outros bilionários assinam carta pedindo imposto sobre grandes fortunas

Os herdeiros Regan Pritzker e Abigail Disney, além do cofundador do Facebook, Chris Hughes, e outras 15 pessoas assinam o documento pedindo o compromisso dos candidatos a Presidência dos EUA

de olho na reforma tributária

‘Claro que a proposta de reforma não é anti-Guedes’

Baleia Rossi, líder do MDB na Câmara, acredita que é um cenário positivo para a aprovação da mudança do sistema tributário brasileiro

foco na agenda econômica

Congresso quer protagonismo e promete votar a reforma tributária ainda este ano

PEC proposta acaba com três tributos federais – IPI, PIS e Cofins. Extingue o ICMS, que é estadual, e o ISS, municipal. Todos eles incidem sobre o consumo

Valor menor que as estimativas

Investimento direto no país soma US$ 7,070 bi em maio, diz BC

No acumulado do ano até maio, o ingresso de investimentos estrangeiros destinados ao setor produtivo somou US$ 35,137 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements