Menu
2019-10-14T14:10:46+00:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Entrevista exclusiva

‘CVC acertou em investir na Argentina seja lá qual for o cenário político’, diz presidente

Desde que abriu capital na bolsa em 2013, a companhia de viagens fez várias aquisições pelo mundo. Mas o resultado das primárias argentinas colocaram em xeque a sua mais nova aposta nos nossos “hermanos”

27 de agosto de 2019
5:23 - atualizado às 14:10
Luiz Fernando Fogaça, presidente da CVC
Luiz Fernando Fogaça, presidente da CVC - Imagem: Divulgação/CVC

No início de agosto, a CVC Corp anunciou a compra da agência de viagens Almundo por US$ 77 milhões. A jogada foi considerada importante para a estratégia da empresa, que desde que abriu seu capital na bolsa, em 2013, fez várias aquisições mundo afora.

Uma semana depois, no entanto, essa mesma estratégia foi colocada em xeque com a vitória do candidato de oposição nas primárias eleitorais argentinas. O representante do kirchnerismo Alberto Fernández não é o presidente dos sonhos para o mercado, que teme um aprofundamento da crise dos hermanos. A pergunta que não quis calar entre os investidores foi: teria a CVC entrado em uma roubada? A resposta do presidente do grupo CVC Corp, Luiz Fernando Fogaça, é um categórico ‘não’.

Procurei Fogaça para batermos um papo sobre os impactos do cenário político da Argentina no futuro da companhia. Ele afirma a aquisição da Almundo foi uma estratégia acertada independentemente de como o processo eleitoral da Argentina vai terminar. Segundo ele, a aquisição mira o longo prazo e se baseia principalmente no potencial que o mercado de turismo argentino possui.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Vale lembrar que 2019 já tem sido problemático para a CVC, que no primeiro semestre amargou um rombo de R$ 92 milhões em seu caixa para cobrir os efeitos da saída da Avianca Brasil do espaço aéreo nacional. O fim das operações da companhia deixou vários passageiros na mão, incluindo os que tinham comprado pacotes de viagens com o grupo CVC e que foram realocados em outros voos ou tiveram seus dinheiros devolvidos.

No mercado, o revés se transforma em números. Apesar da alta de 23% nos últimos doze meses, as ações da companhia acumulam perdas de quase 16% em 2019.

Em entrevista exclusiva para o Seu Dinheiro, Fogaça também comentou os detalhes de como a empresa administrou essa crise da Avianca Brasil. Ele também diz o que esperar para o mercado turístico local até o fim do ano, que viu os preços das passagens aéreas decolarem com a baixa oferta de assentos. Confira abaixo os principais trechos dessa conversa.

Eleições na Argentina e Almundo

Apesar de sermos 16% do mercado interno da Argentina, as receitas vindas de lá para o grupo CVC Corp representam somente 6% do total. O resultado das primárias é ruim para a questão política, mas em termos de negócios do grupo isso não é relevante.

Também precisamos ter cautela porque o discurso do (Alberto) Fernández é de conciliação, e ainda não dá para cravar um problema futuro. Continuamos acreditando que a Argentina é relevante para a America Latina e que a decisão de expandir nossos negócios por lá através da Almundo é correta, já que vamos ter uma posição bem mais relevante e mais sinergia na parte de sistemas e comercial. Quando a situação na Argentina melhorar estaremos bem preparados.

"Quando a situação na Argentina melhorar estaremos bem preparados."

Alberto Fernández
Alberto Fernández - Imagem: Shutterstock

Dólar em alta

Câmbio subindo nunca vai ser uma boa notícia porque vendemos em reais. Mas sobre o movimento recente da moeda tenho uma posição de que os efeitos são passageiros. No passado, as valorizações de dólar sempre tiveram impacto maior no curto prazo, mas o consumidor ao ver uma estabilização tende a retomar as compras mesmo com o Real e outras moedas emergentes mais desvalorizadas.

Saída da Avianca Brasil

No fim de abril de 2019, tínhamos 200 mil passageiros com voos da Avianca marcados. A saída da companhia aérea fez com que tivéssemos que reacomodar todas essas pessoas. Até o momento, resolvemos mais de 90% dos casos, e dentro desse percentual, 75% acabaram foram voar por outra companhia aérea e 25% pediu ressarcimento. O saldo dessa operação foi uma saída de R$ 92 milhões de dentro do nosso lucro líquido, isso já incluindo os 10% de passageiros que faltam.

"O saldo dessa operação [fim das atividades da Avianca] foi uma saída de R$ 92 milhões de dentro do nosso lucro líquido".

Setor aéreo e preço das passagens

Para o setor aéreo e para o turismo do Brasil, a saída da Avianca não é boa porque diminuiu logo de cara 15% da oferta de assentos. Hoje temos uma oferta 4% menor na comparação com um ano atrás, e isso faz com que os preços subam. Outras companhias já estão anunciando que vão aumentar a frota, mas isso só deve ser efetivado em 120 dias. Até lá, os preços vão continuar altos e a expectativa é ruim porque passagens mais caras podem encarecer nossos pacotes, e um aumento de preço faz com que os clientes adiem suas viagens. Só devemos preencher esse vazio no fim do ano.

"A expectativa é ruim porque passagens mais caras podem encarecer nossos pacotes, e um aumento de preço faz com que os clientes adiem suas viagens."

Por ora, estamos indo atrás das companhias aéreas negociar voos fretados, vendendo produtos e serviços locais e fazendo mais publicidade para tentar amenizar os efeitos da saída da Avianca. Mas é importante lembrar que atualmente metade das vendas da CVC Corp vem do lazer e outra metade atende o segmento corporativo. No geral, a demanda executiva é mais resistente à variação de preços, o que ajuda a atenuar eventuais perdas com o segmento de lazer.

Avianca

E-commerce

Reconhecemos que a CVC chegou tarde ao universo digital, mas já estamos buscando locais de investimento de marketing digital. Pretendemos chegar no ano que vem em um percentual de investimento em digital próximo ao que as demais empresas do setor investem. Para isso, mudamos a forma de trabalhar nosso desenvolvimento em tecnologia. Criamos uma área com 130 pessoas dedicadas a entender o comportamento do consumidor no online.

Mas é importante dizer que a migração de consumidores para o online que se imaginou lá no passado se estabilizou. As vendas de turismo pela internet já não crescem como antes e o ‘offline’ (vendas presenciais) também continua crescendo. Para você ter uma ideia, o online no Brasil hoje é 48% e o offline 52%.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Novidades

Fusão entre Boeing e Embraer consegue aprovação em grande mercado

O acordo entre ambas aparece na lista de transações que data de 19 de novembro. No documento, as transações são colocadas como “aprovadas sem condicionantes”

Seu Dinheiro na sua noite

126…144…197 mil pontos para o Ibovespa

Eu vou, sem saber pra onde nem quando vou parar. O clássico de Roberto Carlos “120… 150… 200 Km Por Hora” podia muito bem embalar a leitura desta newsletter. Assim como o velocímetro do carro na canção do Rei (uma das minhas favoritas), as projeções dos analistas para a bolsa no ano que vem apontam para cima. […]

Quanto vale o show?

Plataforma de investimentos do BTG Pactual pode valer até R$ 10 bilhões, calcula UBS

Banco suíço iniciou a cobertura das ações do BTG Pactual, que já triplicaram de valor neste ano, com recomendação de compra e preço-alvo de R$ 82,00

Emprego

Mercado de trabalho cria 70.852 empregos com carteira assinada em outubro

Esse foi o melhor resultado para o mês desde 2017, quando foram criadas 76.599 vagas no décimo mês do ano. Em outubro do ano passado, houve abertura líquida de 57.733 vagas, na série sem ajustes

De olho nos papéis

BTG reitera compra de Klabin e Suzano e aumenta preço-alvo das ações

Em relatório, analistas do banco expandiram o preço-alvo dos papéis da Suzano para R$ 44 (o valor anterior era de R$ 40), e da Klabin para R$ 20, ante R$ 18

Otimismo

Para o Credit Suisse, 2020 é o ano dos emergentes — e o Brasil tende a ser um dos destaques

A equipe de análise do Credit Suisse aposta nos mercados emergentes para 2020. E, nesse grupo, as ações e ativos do Brasil aparecem entre as principais recomendações

Perspectivas 2020

Para Goldman Sachs cenário é desafiador para o Brasil, mas mais esperançoso

Preocupação não é com a direção da política econômica, mas sim com a capacidade de implementar agenda de reformas fiscais

Mercado de capitais

Ações da Cogna sobem com notícia de IPO de unidade nos EUA

A Cogna espera uma avaliação de até R$ 8 bilhões pela Vasta, plataforma de serviços digitais para escolas privadas, na oferta pública inicial de ações, que deve acontecer em 2020, de acordo o site Brazil Journal

um olho aqui e nos vizinhos

Política impede avanço de reformas na América Latina, mas Brasil é notável exceção, diz Moody’s

Para 2020, a visão dos analistas é de que o ambiente para a região e os emergentes como um todo é negativo, por conta do aumento de riscos políticos e geopolíticos

na ponta do lápis

BNDES perdeu tempo na venda de fatia da JBS, diz presidente do conselho de administração do banco

Em evento no Rio de Janeiro, Carlos Thadeu de Freitas estimou o impacto financeiro dessa demora em R$ 1 bilhão a R$ 2 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements