Menu
2019-10-03T18:29:04+00:00
O corte polêmico

Em decisão do Copom investigada, BC ampliou comunicado para se justificar

De sete dirigentes do BC, cinco votaram pelo corte da Selic em 0,50 ponto porcentual. Outros dois defenderam a manutenção dos juros, como esperava o mercado

3 de outubro de 2019
18:29
Edifício-sede do Banco Central, em Brasília
Imagem: Rodrigo Oliveira/Caixa Econômica Federal - Flickr/BCB

A decisão dos membros do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central de agosto de 2011, que está sendo investigada pela Polícia Federal, não foi unânime. De sete dirigentes do BC, cinco votaram pelo corte da Selic (a taxa básica da economia) em 0,50 ponto porcentual, para 12,00% ao ano. Outros dois defenderam a manutenção dos juros, como esperava o mercado financeiro. Eles foram voto vencido. Para se justificar na época, o Copom decidiu publicar um comunicado mais extenso que o de costume.

Ao cortar a Selic para 12,00% ao ano em agosto de 2011, o Copom - formado pelo presidente da autarquia e por seis diretores - surpreendeu o mercado financeiro. De 72 instituições ouvidas pelo Projeções Broadcast na época, todas esperavam estabilidade dos juros. Nenhuma projetava corte.

Na manhã desta quinta-feira, o Ministério Público Federal em São Paulo e Polícia Federal deflagraram a operação Estrela Cadente, que investiga supostos vazamentos das decisões do Copom que teriam favorecido um fundo de investimento administrado pelo BTG Pactual nos anos de 2010, 2011 e 2012.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Uma das decisões que estão no foco é justamente a de agosto de 2011. Como informou o Blog do Fausto Macedo, o ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil, Antonio Palocci, afirmou em delação premiada que o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega teria participado de uma reunião com o presidente do BC à época, Alexandre Tombini, e a ex-presidente Dilma Rousseff. Na ocasião, Tombini teria informado a posição do BC em reduzir, pela primeira vez em dois anos, a Selic. Mantega então teria repassado a informação privilegiada ao banqueiro André Esteves, do BTG Pactual, comunicando sobre a futura posição do BC em baixar a Selic. O empresário, por sua vez, teria realizado, segundo a delação de Palocci, "diversas operações no mercado financeiro, obtendo lucros muito acima da média dos outros operadores financeiros".

Dentro do Copom, a decisão de agosto de 2011 de cortar a Selic em 0,50 ponto porcentual, para 12,00% ao ano, foi tomada por cinco dos sete dirigentes do BC. Dois dirigentes voltaram pela manutenção, mas não é possível saber quem foram eles. Na época, o colegiado não publicava o voto de cada um dos dirigentes, mas apenas se a decisão havia sido unânime ou dividida, informando o placar. Apenas posteriormente o BC passou a abrir o voto dos participantes.

Em agosto de 2011, além de Tombini, faziam parte do Copom os diretores Aldo Luiz Mendes, Altamir Lopes, Anthero de Moraes Meirelles, Carlos Hamilton, Luiz Awazu e Sidnei Corrêa Marques. Nenhum deles faz mais parte do colegiado.

Para justificar a decisão inesperada na época, o Copom publicou um comunicado mais longo que o de costume. Até então, os comunicados do Copom tinham apenas uma frase, indicando a decisão sobre juros e passando informações telegráficas sobre o que havia sido levado em conta. O comunicado de julho de 2011, por exemplo, teve um parágrafo e 28 palavras.

Em agosto de 2011, porém, o comunicado do Copom trouxe quatro parágrafos e 308 palavras. Em sua justificativa, o colegiado citou uma "deterioração substancial" no cenário internacional como motivo para baixar os juros no Brasil. Na época, fonte ouvida pelo Broadcast afirmou que o colegiado havia apostado que o agravamento da crise internacional afetaria o País.

O Banco Central foi procurado nesta quinta para comentar a investigação do MPF-SP e da Polícia Federal. Por meio de nota, o BC limitou-se a dizer que "não foi comunicado sobre o conteúdo da Operação Estrela Cadente, que corre sob segredo de Justiça".

Já o BTG Pactual afirmou que o fundo Bintang FIM, alvo da operação Estrela Cadente, possuía um único cotista, pessoa física e profissional do mercado financeiro que também era o gestor credenciado junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM). De acordo com o BTG Pactual, tal cotista "nunca foi funcionário do BTG Pactual ou teve qualquer vínculo profissional com o Banco ou qualquer de seus sócios".

"O Banco BTG Pactual exerceu apenas o papel de administrador do referido fundo, não tendo qualquer poder de gestão ou participação no mesmo", disse a instituição financeira.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Entrevista

Com juro baixo “estrutural”, Paineiras está otimista com bolsa e título de longo prazo

Gestora que tem 12 anos de história avalia que Selic baixa veio para ficar e que dólar acima de R$ 4 não é impeditivo para valorização do Ibovespa

A Bula do Mercado

Mercado olha para o que vem depois da Previdência

Investidor confia na agenda econômica positiva, com nova pauta das reformas, leilões e privatizações

Dia histórico?

Novela da Previdência deve acabar hoje com final mais feliz que o esperado

Senado termina de votar emendas pela manhã e texto da reforma vai para o segundo turno de votação à tarde

Seu Dinheiro na sua noite

Um novo recorde na maratona da bolsa

No dia 12 de outubro, o queniano Eliud Kipchoge atingiu uma marca considerada por muito tempo impossível para um ser humano: correr os 42 quilômetros da maratona em menos de duas horas. O campeão olímpico dos Jogos do Rio cruzou a linha de chegada em uma prova não-oficial realizada em Viena, na Áustria, com o […]

Mudanças no funcionalismo público

Maia quer iniciar reforma administrativa até a próxima semana na Câmara

Estratégia traçada pelo presidente da Câmara, porém, ainda depende do aval de lideranças e também da equipe econômica

Só falta um passo

Sem mudanças no radar, conclusão da reforma da Previdência pode se estender até quarta-feira

O texto da reforma que será votado prevê uma economia fiscal de R$ 800 bilhões em dez anos

O poder das redes

Facebook, de Mark Zuckerberg, pega Rússia e Irã tentando intervir nas eleições dos EUA em 2020

Notícia vem em meio a uma ofensiva que a gigante das redes sociais tem feito para combater ataques nas eleições mundo afora

Dinheiro na mão mais cedo

Caixa antecipa saque imediato do FGTS. Tudo será pago em 2019

Calendário de saque para não correntistas que iria até março de 2020 foi antecipado. Assim, todo impacto da liberação, estimada em R$ 40 bilhões, acontecerá em 2019

chegando no gigante asiático

Tesla recebe sinal verde para fabricar veículos na China

Ministério da Indústria da China concedeu à montadora do bilionário Elon Musk a autorização para operar

Negócios da educação

Yduqs ganha nova cara e cresce em quantidade e qualidade com compra da dona do Ibmec

Aquisição de R$ 1,92 bilhões é a maior da história da antiga Estácio Participações, que passa a contar com um total de 680 mil alunos, e coloca as ações da Yduqs entre as maiores altas do Ibovespa. Saiba o que os analistas disseram sobre o negócio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Pular para a barra de ferramentas