Menu
2019-05-11T17:28:38+00:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Polêmicas

Trump diz que eleitores não se “importariam” com ocultação de impostos

Ele completou desafiando os adversários. Trump disse “agora os democratas de esquerda querem voltar a esse tópico. Façam com que ele seja abordado nas eleições de 2020!”

11 de maio de 2019
17:28
Donald Trump, presidente americano
Imagem: shutterstock

Em seu Twitter, Donald Trump deu uma declaração no mínimo polêmica. O presidente destacou que venceu as eleições de 2016 parcialmente por conta de sua campanha de redução de impostos e que os eleitores não se "importariam" com a ocultação de Imposto de Renda. A discussão é porque o ato era uma prática comum feita pelos presidenciáveis de governos anteriores.

Ele completou desafiando os adversários. Trump disse "agora os democratas de esquerda querem voltar a esse tópico. Façam com que ele seja abordado nas eleições de 2020!".

A declaração ocorre porque ontem (10) o deputado americano Richard Neal (democrata, Massachusetts) solicitou as declarações de imposto de renda de Donald Trump dos últimos seis anos.

Mas o presidente americano se recusa a divulgar os documentos. Segundo ele, eles estão sob auditoria e, por isso, não tem permissão para serem disponibilizados ao público.

O relatório

Depois, o presidente ainda comentou o relatório de Mueller sobre supostas ligações entre o presidente e os russos durante as eleições de 2016.

"Agora os democratas radicais de esquerda não falam mais sobre conluio porque o relatório de Mueller mostrou que isso não ocorreu. Eles apenas querem falar sobre obstrução ainda que isso não tenha ocorrido, assim como não ocorreu nenhum crime. Exceto aqueles cometidos pelo outro lado", desabafou Trump.

https://twitter.com/realDonaldTrump/status/1127283257383555072

Em março deste ano, o procurador-geral dos Estados Unidos, William Barr, informou que não havia evidências suficientes para provar o conluio entre a campanha de Donald Trump e o governo russo.

A carta de Barr tornou pública a conclusão do relatório de Robert Mueller, conselheiro especial do Departamento de Justiça (DoJ), responsável pelas investigações.

No documento, o procurador ressaltou que não havia evidências suficientes para provar o crime de obstrução de justiça de Trump, de forma ilegal.  Mas aponta que "apesar de o relatório não poder concluir que o presidente cometeu um crime, isso não o isenta", destacou Barr.

 

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

saiu nova projeção

Ipea eleva previsão de IPCA em 2019 de 3,85% para 4,08%

Na comparação com a estimativa anterior, o novo cenário projetado prevê uma piora na inflação de alimentos e monitorados; nova projeção ainda está abaixo da meta oficial do IPCA, de 4,5%

De volta aos cofres da União

Caixa deve devolver R$ 3 bi ao governo

Recursos contribuirão para reduzir a dívida pública. A devolução refere-se ao dinheiro recebido pelos bancos durante o governo petista para reforçar seu capital

Pauta avançou no Congresso

Reforma tributária resultará em bom texto mesmo com mudança em comissão, diz Appy

Segundo Bernard Appy, a proposta de reforma tributária pode elevar em 10% o potencial de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em um período de dez anos

governo de lado

Senadores já discutem agenda própria

Em almoço realizado nesta quarta-feira, 22, na residência oficial do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), líderes de bancadas avaliaram que o governo está “sem rumo”

Mais mercado, menos bancos

Crédito total no país é de R$ 9,5 trilhões ou 138% do PIB e governo fica com quase metade disso

Banco Central passa a apresentar dados sobre o crédito ampliado, que além das operações feitas no sistema financeiro, agrega títulos públicos, privados e operações externas

Blog da Angela

Se o risco é alto e a articulação deve ser perfeita, entregue-se ao inimigo…

A Nova Previdência será um passo fundamental para o reequilíbrio das contas públicas no médio e no longo prazo. Não é à toa que a reforma da Previdência é considerada a mãe das reformas estruturais que o Brasil precisa fazer

TUDO QUE VAI MEXER COM SEU DINHEIRO HOJE

Ares agitados: o novo jogo do setor aéreo

Veja os destaques do Seu Dinheiro nesta manhã

Dia de cautela

Exterior negativo pressiona Ibovespa e dólar; mercado analisa cenário político local

O Ibovespa abriu o pregão desta quinta-feira (23) em queda, com os mercados exibindo um tom de prudência em relação à guerra comercial e à cena política doméstica. O dólar opera em alta

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

fim da lua de mel

Otimismo após eleições acaba e confiança do consumidor recua, afirma FGV

Quanto às perspectivas para os meses seguintes, o indicador que mede o otimismo relacionado à evolução da economia foi o que mais contribuiu para a queda da confiança no mês

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements