Menu
2019-06-17T13:10:15+00:00
No vermelho

Economia parada deixa brasileiro refém das dívidas

Início de ano costuma ser um período de aperto no orçamento por causa do acúmulo de contas a pagar, mas neste ano o movimento está mais forte por causa da estagnação da economia

17 de junho de 2019
13:10
Dívida
Homem endividado - Imagem: Shutterstock

A vendedora autônoma de maquiagem Adriana Barbosa, de 45 anos, conseguiu sair da lista de inadimplentes no ano passado. Mas no início deste ano teve uma recaída. Não pagou a fatura do cartão de crédito, usado na compra de materiais de construção para erguer mais um cômodo da sua casa. Com renda mensal de cerca de R$ 1 mil, Adriana ficou novamente inadimplente. As vendas de maquiagem caíram mais de 50% este ano e a ela também levou o calote. "Meus clientes não me pagaram porque perderam o emprego e isso atrapalhou a minha vida."

Adriana e outros milhões de brasileiros que conseguiram pagar as dívidas atrasadas nos últimos 12 meses e voltaram a ficar com o nome sujo neste ano são considerados "novos reincidentes" da inadimplência pelos birôs de crédito. Esse é o grupo que tem ampliado a participação no calote neste ano.

Entre janeiro e maio, eles eram, em média, 27% do total de inadimplentes. No mesmo período de 2018, essa fatia estava menor, representava 24,9% do total de pessoas com dívidas vencidas e não pagas, segundo dados da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas e do SPC Brasil.

Já o "reincidente velho", aquele inadimplente que continuou na lista de devedores, deixou de pagar mais uma dívida no período e que responde pela maior parte do calote, reduziu sua participação. Entre janeiro e maio deste ano, esse grupo era 52,2% dos inadimplentes, em comparação a 54,4% no mesmo período de 2018. Enquanto isso, a participação dos inadimplentes que pela primeira vez ingressaram nessa lista ficou estável em 20,6%.

"Sentimos neste começo de ano um aumento mais acentuado desse movimento de pessoas que tinham conseguido sair da lista de inadimplentes e voltaram a não pagar em dia as dívidas", diz Mariane Schettert, presidente do Igeoc, associação que reúne as 16 maiores empresas de telecobrança, que respondem por 20% do mercado.

Zigue-zague

Além de todo início de ano ser um período de aperto no orçamento por causa do acúmulo de contas a pagar, o que leva normalmente mais pessoas a se tornarem inadimplentes, neste ano esse movimento está mais forte por causa da estagnação da economia.

O zigue-zague de quem conseguiu sair do sufoco em 2018 mas voltou a ficar inadimplente neste ano reflete também os altos e baixos da economia. Após crescer 1,1% em 2018, o Produto Interno Bruto caiu 0,2% no primeiro trimestre e frustrou as expectativas de empresários e consumidores.

A falta de reação da economia neste início de ano é nítida no desemprego, que se mantém em níveis elevados. São 13,2 milhões de trabalhadores fora do mercado. "A inadimplência anda de mãos dadas com o desemprego", diz Mariane.

Genaro Silva Pimentel, 47 anos, ex-caixa de supermercado, é um exemplo dessa relação Após um ano no emprego, ele foi demitido no mês passado. Pimentel estava há algum tempo no cadastro de inadimplentes. "Ia até acertar as cotas, mas não deu tempo." Agora, novamente desempregado e com uma rescisão de R$ 2,7 mil no bolso, ele acredita que vai conseguir bancar as suas despesas por mais dois meses, se não conseguir trabalho. "Devo ficar inadimplente mais ainda, não tem como."

A renda estagnada, a perda de confiança da população e o aumento da inflação, especialmente de alimentos, que atingiu a maior marca em três anos no início de 2019, também contribuíram para o avanço do calote.

"O que mais afetou a inadimplência no início deste ano foi a inflação", avalia o economista Luiz Rabi, da Serasa Experian, empresa especializada em informações financeiras. "A inflação dos alimentos, que atingiu 3,7% de janeiro a abril, bateu na baixa renda, que é mais vulnerável quando se fala de inadimplência."

Entre janeiro e maio deste ano, 238 mil famílias engrossaram o grupo dos 3,8 milhões de domicílios que estavam com contas atrasadas ao final de maio, destaca o economista-chefe da Confederação Nacional do Comércio, Fabio Bentes. No ano inteiro de 2018, 291 mil famílias se tornaram se tornaram inadimplentes.

Recorde

O aumento neste ano do número de consumidores inadimplentes e de dívidas em atraso é apontado por dois birôs de crédito. Em abril, 63,2 milhões de brasileiros estavam com dívidas atrasadas, segundo a Serasa Experian. É o maior contingente de inadimplentes desde o início da série iniciada em março de 2016. São 2 milhões a mais de inadimplentes em relação a abril de 2018.

Segundo a Boa Vista Serviços, em maio, o volume de dívidas não pagas aumentou 4,8% em relação a abril, descontados os efeitos típicos do período. Foi a maior alta mensal do número de dívidas não pagas desde maio de 2018 e a terceira elevação mensal seguida.

"Começamos a observar uma mudança de tendência da trajetória da inadimplência", alerta o economista Flávio Calife, da Boa Vista.

Desde meados de 2018 as pessoas começaram a tomar mais crédito e o endividamento aumentou. Mas a situação financeira do consumidor não está melhorando. Por causa desse descompasso, deve crescer o número de inadimplentes e a recuperação do crédito pode piorar, prevê o economista. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

De olho no pacto

Proposta sobre pacto federativo começará no Senado, diz presidente da CCJ

Ainda segundo a senadora, o governo já está trabalhando com o tema. “Não poderia ser diferente (o fato de começar pelo Senado), essa é a Casa da Federação. Eles já estão mexendo no pacto”, afirmou a presidente da CCJ

Mudanças à vista

Truxt Investimentos vende parte das ações que detinha do Banco Inter

A instituição financeira destacou que a venda da participação é “estritamente de investimento, não objetivando alteração do controle acionário ou da estrutura administrativa do banco”

Seu Dinheiro na sua noite

O falcão está à solta?

Entre os vários contatos que eu tinha nos anos em que escrevi diariamente o sobe e desce da bolsa e dos mercados, havia um experiente tesoureiro de um grande banco. Estava longe de ser a fonte mais bem humorada ou paciente, mas com o tempo ficamos amigos. Eu costumava recorrer a ele naqueles dias em […]

Futuro Embaixador?

Bolsonaro: Indicação de Eduardo como embaixador é juridicamente viável

Porta-voz da Presidência também afirma que Jair Bolsonaro ainda não decidiu sobre indicação do filho ao posto nos EUA

Vish!

Ex-presidentes do IBGE divulgam carta de protesto contra mudança no Censo 2020

Eles acusam a atual direção do instituto de improvisação e alertam para o risco de o próximo Censo deixar de fora 10 milhões de domicílios

Olha a dívida!

Tesouro: União bancou R$ 1,262 bilhão em dívidas de governos estaduais em junho

Embora o custo para a União com essas garantias seja crescente, o Tesouro está impedido de bloquear os repasses para Rio de Janeiro, Minas Gerais e Goiás

Dados semanais

Balança tem superávit de US$ 695,509 milhões na segunda semana de julho

Em julho, o superávit acumulado é de US$ 1,819 bilhão. Já no total do ano, o superávit é de US$ 27,895 bilhões

reconciliação

Avaliação positiva de Bolsonaro salta de 14% para 55% entre agentes de mercado

Sondagem da XP Investimentos também mostra melhora na percepção com relação ao Congresso, Previdência na casa de R$ 850 bilhões e Ibovespa em 120 mil pontos

320% do PIB

Dívida global sobe a US$ 246 trilhões e endividamento de emergentes bate recorde

Instituto Internacional de Finanças (IIF) mostra que quanto menor o juro, maior o endividamento mundial, que está para bater o recorde visto no começo de 2018

Os detalhes sobre a nova cripto

Facebook: Libra não envolve política monetária nem competirá com bancos centrais

Segundo ele, a associação terá políticas para combater o uso da moeda para lavagem de dinheiro e financiamento de atos terroristas, entre outras questões de segurança nacional

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements