Menu
Alexandre Mastrocinque
Que Bolsa é essa?
Alexandre Mastrocinque
É economista, contador e especialista em investimento em ações
RETROSPECTIVA

É pavê ou é pra… O que rolou em 2018 e que mexeu com a bolsa

Eleição, Copa, Greve dos caminhoneiros… Ano foi marcado por altos e baixos nos mercados, mas terminou com saldo positivo

30 de dezembro de 2018
6:20 - atualizado às 6:32
Imagem: Shutterstock

Não tem jeito, vai chegando o fim do ano e você pode ter certeza: vai ter retrospectiva na Globo, o Rei vai fazer show de fim de ano e alguém vai fazer piadinha com pavê. Aconteça o que acontecer, o Palmeiras vai continuar sem mundial e o presidente, seja ele qual for, vai mandar um indulto de Natal.

Tão certo quanto as dietas milagrosas nas primeiras semanas de janeiro, os especialistas financeiros vão te contar como foi o ano e, em algum momento, vão te dizer o que esperam para os mercados no ano seguinte.

Apesar de tentar ser relativamente original e trazer ideias novas, eu sempre fui a favor de manter tradições. Sou metódico: todos os dias calço primeiro o pé esquerdo e depois o direito, penteio o cabelo e ajeito a barba fazendo a mesma careta na frente do espelho e, ao entrar no elevador, dou aquela ajeitada na camisa fazendo precisamente os mesmos movimentos.

Alice e Malu tiram sarro, mas me orgulho de manter o traço que herdei de meu pai – minha mãe carinhosamente o apelidou de “um-dois-três-quatro”. Homens e suas manias.

Assim, não vou deixar a oportunidade passar: o ano está no fim e PRECISO te dizer o que aconteceu nos últimos 12 meses, sob o risco de minha família cair vítima de uma maldição cigana – é esse sentimento que fica toda vez que uma rotina é quebrada.

Por mais que estejamos acostumados com as esquisitices brasileiras, 2018 foi um ano para lá de maluco – teve prisão de ex-presidente e facada em candidato; no meio do caminho, greve de caminhoneiros e uma Copa do Mundo, só para deixar tudo um pouco mais interessante.

No fim, atravessamos o ano e chegamos do lado de cá vivos. Tirando, claro, aqueles que morreram pelo caminho.

O que rolou em 2018?

O ano ainda não acabou oficialmente, mas é pouco provável que alguma coisa mude dramaticamente nesses últimos dois pregões – até o fechamento do dia 28, o Ibovespa subiu 15,03%, o que por si só é um bom desempenho, mas fica ainda melhor quando comparamos com os -7,03% do S&P 500 nos EUA.

Olhando assim, até parece que o ano foi tranquilo, mas, se geralmente as coisas não são lineares no mercado brasileiro, tudo fica ainda mais emocionante num Brasil em ano de eleições – o principal índice da Bolsa chegou a acumular queda de 8,6% em 2018 (uma diferença de 22,3% entre a máxima e a mínima).

Começamos o ano bem: em 24 de janeiro, o TRF-4 não só confirmou a sentença proferida por Sergio Moro, como ampliou a pena do ex-presidente Lula – de um dos maiores líderes políticos do mundo, a nove anos de prisão. What a journey!

Com a condenação em segunda instância, Lula se tornou oficialmente inelegível e o mercado acabou por eleger Geraldo Alckmin antes mesmo do Carnaval – a festa durou bastante tempo: em dia 16 de maio, a Bolsa marcava 86,5 mil pontos, uma alta de mais de 13% contra o fechamento de 2017.

O problema é que os caminhoneiros, vindo de alguns anos difíceis para o setor, não aguentaram a alta do petróleo e pararam o país.

Teme, que depois da crise da JBS tem menos prestígio e poder político do que o cachorro da primeira-dama, se viu refém dos bloqueios nas estradas e cedeu a todas as exigências dos caminhoneiros.

O episódio expôs a fragilidade do país, custou o cargo do presidente da, então, maior empresa brasileira e acabou com qualquer tração na economia. A Bolsa foi buscar os 69,8 mil pontos em meados de junho (20% para baixo da máxima de fevereiro).

Durante a Copa e às vésperas das eleições, não havia santo que convencesse investidores a colocar dinheiro no Brasil, ainda mais enquanto o Santo tucano mantinha o discurso morno em meio a uma das eleições mais quentes da história do país.

Sem esperanças de uma arrancada de Alckmin, o mercado começou a comprar o discurso liberal de Bolsonaro, amparado na (excelente) reputação de Paulo Guedes. O crescimento de “Andrade” nas pesquisas e todo o estardalhaço petista deixaram investidores assustados e, até a definição do primeiro turno (que na prática definiu as eleições), o mercado operou em compasso de espera.

A partir de meados de setembro, o rali do capitão: a Bolsa entrou em modo bullsonaro e só parou de subir quando as coisas azedaram nos EUA e Trump resolveu comprar briga com a China e com o Fed. De meados de setembro até o comecinho de dezembro, foram 20% de alta. Os entusiastas da Bolsa lavaram a alma!

Se tem uma lição para tirar dessa bagunça toda é a soberania dos fundamentos: as luzes verdes e vermelhas piscando nas telas das mesas dos bancos e gestoras são representações (imperfeitas) de empresas.

Por trás dos números estão negócios com dados sobre vendas, margens, planos estratégicos e crescimento. Foram anos sofrendo com as bagunças da Nova Matriz. Redução de custos, racionalização da estrutura, ajuste nos serviços. Quem chegou até aqui, chegou pronto para crescer volumes e margens.

E, a despeito dos caminhoneiros, das eleições, de Lula e do Andrade, os resultados trimestrais se sobrepuseram ao barulho. Os balanços foram maiores do que os boatos.

É o ruído contra o sinal. Spoilers à parte, o sinal sempre vence!

O que teve de fundo tentando acertar o timing e, a cada mudança de “estação”, tendo que correr atrás do rabo para não ficar para trás não foi brincadeira.

Admiro muito a capacidade dos gestores de multimercado para operar câmbio e juros, mas, quando o assunto é Bolsa, eles estão longe de ser smart Money – é um tal de comprar na alta e vender na baixa...

Quem fez a lição de casa, comprou as boas empresas, teve estômago e soube esperar, fechou o ano mais do que bem – Magazine Luiza e Suzano mais do que dobraram em 2018, Cemig e B2W deram mais de 90% e Petrobras, mesmo com a situação do petróleo e a queda de Parente, deu retorno de 45% até agora.

Se você acha que é muito difícil acertar essas grandes vencedoras, vale bater um papo com o Cerize e ver como conseguiu dar mais de 100% para seus cotistas!

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Conteúdo patrocinado por Startse

Bitcoin é furada? O que “eles” viram que você ainda não viu?

Enquanto cresce o número de pessoas com medo das criptomoedas, cresce também o número de pessoas e empresas que aprenderam “um novo jeito” de ficar rico com elas.

Novidades à vista?

Em estratégia de “fatiamento” da Abril, Exame deve ficar com o BTG

Segundo uma fonte, o empresário deve buscar compradores não só para a “Exame”, mas também para outras unidades de negócio, como a Casa Cor e o Guia do Estudante

Novidades nos EUA

Não há evidências suficientes para provar o conluio entre a campanha de Donald Trump e a Rússia, destaca carta

O procurador-geral dos Estados Unidos, William Barr, informou agora à tarde (24) às autoridades americanas uma parte do conteúdo do relatório do conselheiro especial do DoJ, Robert Mueller

Investigações

Caixa 2 é o crime eleitoral mais investigado pela Polícia Federal

Entre 2006 e 2016, a maioria dos procedimentos eleitorais abertos pela PF estava relacionada à acusação de compra de voto

Articulação política

Major Vitor Hugo visita Bolsonaro e tenta aproximar Planalto e demais poderes

Ao sair da residência oficial da Presidência da República, Vitor Hugo disse que conversou com Bolsonaro sobre a aprovação da reforma da Previdência e a tramitação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) na Comissão de Constituição, Cidadania e Justiça (CCJ)

OBRIGADA, LEITOR!

Seis meses com o Seu Dinheiro

Projeto foi lançado em 24 de setembro e já tem mais de 800 mil leitores por mês no site e 65 mil cadastrados para as newsletters diárias. Conheça a linha editorial, saiba quem não somos e como ganhamos dinheiro.

Entrevista com o cientista político

“Presidente não demonstra capacidade de articulação”, afirma Sérgio Abranches

Autor do termo “presidencialismo de coalizão” nos anos 1980, Abranches afirma que “não faz sentido” o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ser articulador político de qualquer agenda do governo

Todo mundo se estranhando...

Bolsonaro rebate Maia e cita “velha política”

O presidente também alegou não saber por que Maia anda tão “agressivo” com ele

Bon vivant

Mergulhe no maravilhoso mundo dos cafés especiais

Além de apreciar safras de pequenos produtores, amantes da bebida podem tomar um banho terapêutico ou sobrevoar plantações a bordo de um balão

Fintech

Fundo do BNDES investe em ‘bolsa’ de cotas de consórcio

Com sede na Bahia, o Bom Consórcio funciona como uma plataforma de compra e venda de cotas de pessoas que desistiram ou deixaram de pagar as prestações

IR 2019

Guia: como declarar os seus investimentos no imposto de renda 2019

Você também precisa prestar contas das suas aplicações financeiras ao Leão! Confira nosso guia completo sobre como declarar investimentos no IR 2019

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu