Menu
2019-11-14T17:33:01-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
320% do PIB

Dívida global bate novo recorde a US$ 250 trilhões

Levantamento é do Instituto Internacional de Finanças (IIF) que estima que endividamento vai continuar subindo até o fim do ano

14 de novembro de 2019
17:33
Ratoeira da dívida
Imagem: Shutterstock

O aumento desenfreado da dívida de governos e empresas está no centro das preocupações de grandes gestores mundiais como Howard Marks e Ray Dalio, que recentemente nos disse que “o mundo enlouqueceu e o sistema está quebrado”. E os novos números do Instituto Internacional de Finanças (IIF) nos ajudam a quantificar essa “loucura”.

Ao longo do primeiro semestre, o endividamento global, compreendendo, famílias, empresas e governos, aumentou em US$ 7,5 trilhões, marcando novo recorde histórico de US$ 250,9 trilhões, ou o equivalente a 320% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial.

Sem sinal de desaceleração, o IIF estima que esse montante seguirá crescendo ao longo do segundo semestre, fechando 2019 na casa dos US$ 255 trilhões.

Respondendo a condições financeiras mais frouxas, China e Estados Unidos foram responsáveis por 60% desse crescimento de US$ 7,5 trilhões.

Mas os emergentes também seguem se endividando. O estoque bateu US$ 71,4 trilhões no fim do primeiro semestre, novo recorde equivalente a 220% do PIB dessas nações. Aqui, chama atenção que metade da dívida não financeira está com empresas estatais.

Ao longo da última década o endividamento global subiu em mais de US$ 70 trilhões, puxado pelos governos e pelo setor não financeiro. Nos mercados desenvolvidos, foram os governos que lideram o aumento (de US$ 17 trilhões para US$ 52 trilhões). Enquanto entre os emergentes foram as empresas que elevaram o estoque de US$ 20 trilhões para US$ 30 trilhões.

Limite e riscos

Na avaliação do IIF, com mais de 60% do mundo projetando crescimento abaixo do potencial em 2020, as políticas estimulativas adotadas pelos Bancos Centrais permitem que empresas e governo se financiem a taxas mais baixas.

No entanto, com cada vez menos espaço para redução de juros em muitos lugares do mundo, países com dívidas já muito elevadas ou em trajetória crescente terão dificuldades em achar espaço na política fiscal para estimular o crescimento.

Além disso, o IIF nos lembra que o apetite dos investidores para financiar empresas em países muito endividados varia de acordo com o humor mundial. Qualquer piora de sentimento pode fazer essa fonte secar. Além disso, boa parte da dívida de emergentes é denominada em moeda estrangeira, o que eleva o risco em eventos negativos.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Atenção, acionistas

Itaúsa e Bradesco anunciam pagamento de juros sobre capital próprio para seus acionistas

O pagamento de JCP também é uma forma de distribuir lucros, mas em vez de terem um benefício tributário para os acionistas, como ocorre com os dividendos, os Juros sobre Capital Próprio beneficiam a empresa

DE OLHO NO SERVIÇO PÚBLICO

Reforma administrativa é no sentido de valorização do quadro atual, diz Guedes

Ele defende que a estabilidade não seja automática, mas conquistada pelo servidor após anos de boas avaliações no trabalho

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

É pra sorrir ou pra chorar?

A bolsa teve hoje um dia bastante parado, terminando o pregão praticamente no zero a zero. Nesse marasmo do mercado – que ainda contou com um alívio para a cotação do dólar – um papel se destacou no Ibovespa: as ações da Smiles dispararam quase 20%. Só que isso não quer dizer, necessariamente, que o acionista da […]

Poucas emoções

Num dia morno, o Ibovespa caiu e perdeu os 111 mil pontos; dólar recua a R$ 4,12

O Ibovespa cedeu a um leve movimento de correção e fechou em baixa, interrompendo a sequência de cinco altas consecutivas. Já o dólar à vista teve uma nova sessão de alívio, chegando à mínima em um mês.

MAIOR OTIMISMO COM PIB

Para Abimaq, PIB deve crescer 2,5% no próximo ano

A indústria, de uma maneira geral, de acordo com o executivo, vai crescer de 3,5% a 5%, focada muito no mercado interno

QUEDA À VISTA?

Bolsonaro sobre carne: Estamos na entressafra e preço vai diminuir

Bolsonaro disse que está levando “pancada” pelo preço da carne. “Muitos falam, nas redes sociais, que tem de ter tabelamento. Na Venezuela está tudo tabelado: vai lá comprar carne”, disse o presidente

DE OLHO NO CHURRASCO

Carnes podem continuar subindo até fim de janeiro ou início de fevereiro, diz FGV

Em meio ao aumento das exportações para a China por causa do impacto da peste suína africana (PSA) naquele país, a inflação das carnes foi destaque na aceleração, tanto no atacado quanto no varejo

Sorriso amarelo

Veneno numa mão, antídoto na outra: a estratégia da Gol para incorporar o Smiles

A nova proposta da Gol para a incorporação do Smiles é atrativa para os atuais acionistas da companhia de fidelidade, mas deixa clara a turbulência na relação entre as empresas

a conta do benefício

Gigantes do Vale Silício deixam de pagar US$ 100 bilhões em impostos em uma década

Seis das principais empresas do Vale do Silício têm se beneficiado de estruturas governamentais ainda não preparadas para lidar com os serviços oferecidos por elas. Amazon, Facebook, Google, Netflix, Apple e Microsoft — cujo valor de mercado somado é de R$ 4,5 trilhões — deixaram de pagar ao menos de US$ 100,2 bilhões em impostos […]

OLHO NAS COTAÇÕES

BTG Pactual eleva preço-alvo das ações de Lojas Americanas e B2W após Investor Day

No caso das Lojas Americanas, a previsão de alta é de 54,2% em relação ao fechamento da última sexta-feira. Já no caso da B2W, a valorização seria de 20,5%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements