Menu
2019-11-28T07:54:46-03:00
planos futuros

‘Desestatização dará fôlego à economia’, diz fundador e sócio do BR Partners

BR Partners liderou este ano importantes operações de fusões e aquisições e projeta um crescimento do PIB de até 2,5% em 2020

28 de novembro de 2019
7:54
sinaiseconomia

À frente do banco de investimentos BR Partners, o banqueiro Ricardo Lacerda vê o programa de privatizações do governo como um dos pilares importantes para a retomada da economia daqui para frente. O banco, que liderou este ano importantes operações de fusões e aquisições - assessorou a Copagaz e o Itaúsa na compra da Liquigás, divisão de gás de cozinha da Petrobrás; o Pão de Açúcar na venda da Via Varejo; e reestruturação societária da varejista Casino, dona do GPA, na América Latina -, projeta crescimento do PIB de até 2,5% em 2020. A seguir, os principais trechos da entrevista.

Como o sr. avalia os 11 meses do governo de Jair Bolsonaro?
O saldo do primeiro ano de governo é muito positivo, tirando toda essa discussão política e polêmicas à parte. No sentido de ter nomeado ministros técnicos comprometidos com a recuperação da economia e redução tamanho do Estado, a gente já começa a sentir claramente uma recuperação da economia neste fim de ano e que deve se acelerar no ano que vem. Há um programa de desinvestimentos das estatais em curso. São coisas que não se colocam de pé da noite para o dia, mas vão gerar crescimento muito grande e atração de capital muito positiva.

O que o sr. vê, de fato, de saldo positivo na economia?
A aprovação da Previdência, que tira o risco de insolvência do País e traz de volta conforto para que sejam feitos os investimentos. Há medidas mais efêmeras no sentido de melhorar o consumo, como a liberação de parte do FGTS, simplificações de questões tributárias e burocráticas, que animam mais os negócios. O efeito da mudança da legislação trabalhista também dá um pouco mais de conforto para as empresas voltarem a contratar e a redução brutal de juros como nunca vimos, que certamente está injetando dinheiro na economia. Veremos a economia andar em função disso tudo.

A confiança dos empresários está melhorando?
Sim, mas num ritmo menor do que a gente imaginava. Temos uma equipe comprometida com uma agenda totalmente liberal. Obviamente, há uma agenda política ainda muito volátil e uma retomada um pouco mais lenta do que se esperava. Isso faz com que a retomada da confiança do empresário seja um pouco mais lenta.

Os investimentos para expansão vão para quais setores?
Há interesse por expandir investimentos nas áreas logísticas e de infraestrutura. Na parte industrial, ainda não há interesse pela grande capacidade ociosa. Por isso, é importante a agenda de desestatização porque ela vai dar um grande fôlego para a economia.
Mas as privatizações são suficientes para dar esse fôlego?
Se você avaliar as grandes empresas e setores, como saneamento e energia, ainda há assuntos regulatórios para serem destravados. Agora acho que o único ponto que o governo está errando é subestimar o impacto negativo da volatilidade do câmbio na percepção do investidor estrangeiro que quer vir para o Brasil.

Como isso pode atrapalhar os negócios?
O retorno do investidor estrangeiro depende do ponto de entrada que ele vai ter no câmbio. Como ele não tem um caráter especulativo de curto prazo, esse investidor tende a se retrair até que as coisas se estabilizem um pouco mais. Acredito na tese do governo de que, com a aceleração das privatizações, vai entrar dinheiro e o câmbio volta (a cair). Agora existe o risco de acontecer o contrário: uma vez que a volatilidade está alta, pode diminuir o interesse do capital estrangeiro para esse programa.

O que falta para a expansão da economia?
Muita coisa. Sou otimista em relação à retomada do crescimento de 2% a 2,5%, mas cético acima disso por um período consistente. Há muita reforma para ser aprovada. O Brasil acaba sofrendo os efeitos negativos estruturais de ter uma economia engessada, questão tributária complexa, tamanho do Estado ainda grande.

A BR Partners está completando dez anos. Qual seu balanço?
Este foi o nosso melhor ano. Ganhos participação de mercado, nossa receita vai crescer mais de 50% (prevista para R$ 250 milhões) e nosso lucro aumentará. Estamos liderando até o momento o ranking de fusões e aquisições. O resumo que faço é que empreender no Brasil é coisa de maluco.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

PRIVATIZAÇÃO

Privatização da Eletrobras será discutida no 1º semestre, diz Ferreira Júnior

“É a primeira vez que o Brasil vai fazer uma operação desse tamanho, temos que ir com calma”, disse durante palestra na Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ).

ESTÁ DE SAÍDA

Oi anuncia saída de Eurico Teles da presidência

A saída ocorre no mesmo dia em que a companhia foi alvo da 69ª fase da Operação Lava Jato e que investiga supostos repasses financeiros que teriam sido realizados pela Oi / Telemar em favor de empresas do grupo Gamecorp/Gol

Oferta de ações

XP vende ação acima da faixa indicativa no IPO e estreia na Nasdaq valendo R$ 62 bilhões

Preço por ação da XP na oferta realizada na bolsa americana foi definido em US$ 27, acima do teto da faixa estipulada, que variava de US$ 22 a US$ 25, segundo a Broadcast/Estadão

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Rodada decisiva no jogo das tarifas

Além dos números da economia e das empresas, entender pelo menos um pouco sobre relações internacionais tornou-se fundamental para os investidores desde o início da guerra comercial entre Estados Unidos e China. A disputa, que está mais para um jogo de cartas do que para uma guerra propriamente dita, é acompanhada com tensão pelo mercado porque […]

Jogo tenso

Com as cartas da guerra comercial ainda na mesa, o Ibovespa e as bolsas globais fecharam em queda

O Ibovespa teve a segunda baixa consecutiva, refletindo o clima de cautela que tomou conta dos ativos globais nesta terça-feira. Lá fora, os mercados ficaram de olho nas movimentações da guerra comercial — e, ao menos por enquanto, não há nada definido entre EUA e China

DE OLHO NO GRÁFICO

Sinal amarelo para o S&P 500 e 16 ações para ficar de olho

Neste vídeo, eu analiso o S&P 500, o Ibovespa e outros indicadores americanos e indica 16 ações brasileiras para ficar de olho. A contagem regressiva para o fechamento de minha Última Imersão a preço de Black Friday está terminando. Garanta aqui o seu acesso

BANCO

Presidente do BB diz que não há nenhuma negociação sobre venda do banco para concorrente

Ele destacou que “é mentira” que o Banco do Brasil esteja negociando seu controle com outro grupo econômico. “Isso nunca passou por nossa cabeça”, disse Novaes

NOVIDADES À VISTA

Marfrig lança marca própria de hambúrgueres vegetais

Além dos investimentos na parte de produtos de origem vegetal, a Marfrig quer trazer mais dinheiro para o caixa da empresa. A empresa confirmou no começo deste mês que fará uma oferta subsequente de ações (follow-on)

Altas e baixas

Gol, Azul, Itaú e Banco do Brasil: os destaques do Ibovespa nesta terça-feira

O setor aéreo liderou as perdas do Ibovespa nesta terça-feira, com as ações da Gol e da Azul fechando em queda. Itaú e Banco do Brasil também caíram

AÇO E ALUMÍNIO

‘Já foi sobretaxado aço e alumínio? Então, não tem o que discutir’, diz Bolsonaro

Trump escreveu no Twitter no último dia 2, sobre a intenção de aumentar tarifas sobre aço e alumínio de Brasil e Argentina, como forma de compensar a desvalorização da moeda desses países

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements