Menu
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
CONTEÚDO PATROCINADO POR daycoval

Deixe a renda fixa na carteira, mesmo em tempos de juro baixo

Ainda que rendam menos atualmente, os papéis como CDBs, LCAs e LCIs são importantes para se montar uma carteira equilibrada. Fique atento a algumas regras.

16 de setembro de 2019
15:03 - atualizado às 16:27
Imagem mostra plantas em pote cheio de moedas
Imagem: Shutterstock

A taxa Selic está em 6% ao ano, o menor patamar na história, o que, como bem sabem os leitores do Seu Dinheiro, derrubou o rendimento de aplicações de renda fixa. Mas, também sabemos, montar uma carteira de aplicações equilibrada sem essa modalidade é quase impossível. O cenário exige olho clínico na escolha desses investimentos, entre os quais estão os populares Certificados de Depósitos Bancários (CDBs), Letras de Crédito do Agronegócio (LCAs) e Letra de Crédito Imobiliário (LCIs).

Antes das considerações sobre o que fazer, é preciso revisitar a pergunta que jamais deveria sair do radar: que tipo de investidor você é? Sim, soa como lugar-comum, mas nunca é demais relembrar: na relação com os investimentos, seu perfil não vai mudar da noite para o dia, apenas porque o Comitê de Política Monetária decidiu cortar a Selic. 

Isso não significa que investidores de perfil conservador não possam diversificar seu portfólio com renda variável, por exemplo. Significa, isso sim, que uma eventual mudança precisa ser feita paulatinamente. "Há clientes que simplesmente não aguentam uma dose de risco diferente, principalmente em um mercado de alta volatilidade", diz Mauricio Giarrante, superintendente de captação do Banco Daycoval. 

Dito isso, antes tirar o dinheiro de suas aplicações conservadoras, que tal buscar opções melhores dentro do próprio universo da renda fixa, enquanto avalia melhor seus próximos passos? Apresentamos a seguir alguns raciocínios sobre papéis (e não sobre fundos, sobre os quais falamos neste texto da série) e alternativas a considerar. 

LCI e LCA

Bastante populares entre os adeptos da renda fixa, esses papéis estão entre os que tiveram seu desempenho afetado com os cortes da Selic. Em muitos bancos, em particular os de grande porte, seu rendimento não tem passado de 80% do CDI. Isso não significa que eles perderam seu apelo. 

A Daycoval Investe , a plataforma de investimentos digital do banco, lançou uma promoção, exclusiva para pessoas físicas, com LCI e LCA com rendimento de 100% do CDI para qualquer valor entre R$ 1 mil e R$ 10 milhões, desde que com vencimento a partir de 90 dias. Após o fim da promoção, válida até o dia 16/9, os produtos estarão disponíveis, mas para aportes de R$ 5 mil a R$ 500 mil. 

Hoje, esses papéis são isentos de Imposto de Renda. Isso pode mudar, segundo manifestações recentes do governo. Se de fato passar a existir IR sobre o rendimento dessas aplicações, é possível que eles percam apelo, mas, no momento, eles ainda podem ser atrativas dentro do universo da renda fixa – especialmente se for a 100% do CDI.

O que fazer com o CDB?

Entre os produtos de emissão bancária, os CDBs são os mais populares. Isso porque têm alta liquidez e um grande número de opções no mercado. Mesmo com a Selic baixa, o investidor descontente com o CDB precisa ter clareza sobre o melhor prazo de resgate. 

O CDB obedece a tabela regressiva de Imposto de Renda. Resgatar antes de dois anos (quando o IR passa a ser de 15%) significa pagar mais imposto. Para resgates em até 180 dias, o IR é de 22,5%. 

Nesses papéis, o caminho mais indicado é deixar o dinheiro render por um pouco mais de tempo. Encontramos na plataforma Daycoval Investe dois CDBs pós – um do Banco Barigui e um do Banco Pine, ambos com aplicação mínima de R$ 10 mil – com rendimento de 116% do CDI para um prazo de dois anos. Eles são uma mostra de que, neste momento, é preciso considerar a ideia de estender um pouco mais o prazo da aplicação.  

Letras financeiras valem a pena?

As letras financeiras, ou LFs, são papéis de renda fixa com rendimento usualmente superior ao dos CDBs, mas com alíquota de IR única, de 15% – isso ocorre porque seu resgate só é permitido após dois anos. Esqueça as LFs, portanto, se você acha que vai precisar do dinheiro antes disso. Desconsidere esse papel, também, caso sua aplicação seja menor que R$ 150 mil, valor mínimo para investir no produto. Por causa desse valor mínimo, a propósito, as LFs costumam ser mais procuradas por pessoas jurídicas.

Além do mais, ao contrário do CDB, as letras financeiras não são cobertas pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC). Isso significa que, no caso dessa aplicação, vale a regra que já explicamos aqui no Seu Dinheiro: fique alerta se você esbarrar por aí em rendimentos excepcionalmente altos. Esse pode ser um sinal de que a instituição que está oferecendo o papel está precisando captar dinheiro no mercado e não está conseguindo – e por que você vai ceder seu dinheiro a quem não está conseguindo com outros investidores, não é verdade?

Na Daycoval Investe, LFs pós-fixadas de 731 dias rendem no momento 106% do CDI e as prefixadas com esse mesmo prazo, 6,15%. 

Quais os melhores prazos para resgate? E o melhor indexador?

Marcos Lyra, gestor da Daycoval Asset Management, me deu uma leitura que creio ser muito útil neste momento de incertezas com os rumos da economia: se a ideia é estender o prazo das aplicações em renda fixa, ele vê o intervalo de dois a três anos como o mais indicado atualmente. Depois disso, vamos começar a ver com muito mais força a influência do noticiário político sobre a economia, por causa das próximas eleições presidenciais. 

Sobre o indexador dos papéis, neste momento, vale a pena considerar uma carteira de renda fixa com 15% do dinheiro em pré-fixados, 10% em IPCA e 75% em CDI. E por que tamanha diferença? 

“O Pré e o IPCA podem ser o primeiro passo para quem está pensando em fazer uma diversificação de carteira”, diz Lyra. Aqui, retomamos o raciocínio do início: se é para diversificar, não faça movimentos atabalhoados, inconsequentes. 

Ainda sobre o cuidado que você precisa ter na diversificação de seu portfólio, uma tirada do superintendente Mauricio Giarrante dá o tom: “O dinheiro não aceita desaforo.”  

A plataforma da Daycoval Investe tem uma série de opções em renda fixa para você aprofundar essa pesquisa. Vale a pena dar uma olhada.

Na semana que vem, volto para dar mais dicas sobre investimentos e cenário econômico.

Abraços!

Leia também:

Três ideias para diversificar seu portfólio

Esses produtos não costumam ser as primeiras opções de quem busca rearranjar o portfólio, mas deveriam entrar no seu radar.

Para onde o vento sopra, afinal?

Com tantas forças simultâneas agindo sobre o mercado, consultei um especialista que me ajudou a entender o cenário para os investimentos

Conteúdo Patrocinado

A anatomia de um fundo

Fizemos um exame minucioso na Daycoval Investe para entender como funcionam seus produtos e quais são os destaques da plataforma de investimentos

Assessoria de carne e osso, plataforma digital

Um pente-fino na Daycoval Investe, a plataforma de investimentos para pessoas físicas lançada pelo banco Daycoval em 2016

A arte de avaliar a solidez de um banco

Com tantos produtos financeiros e plataformas de investimento no mercado, é preciso um olhar apurado para escolher o destino de suas aplicações

Fechar
Menu