Menu
2019-08-28T16:08:27+00:00
No meio-de-campo

Defensor da compra da Warner, Eduardo levará CEO da AT&T a reunião com Bolsonaro

Articulação para que o negócio vingue começou após Eduardo Bolsonaro ser indicado informalmente para o cargo de embaixador em Washington

28 de agosto de 2019
15:14 - atualizado às 16:08
Eduardo Bolsonaro
Eduardo Bolsonaro - Imagem: Najara Araújo/Câmara dos Deputados

Após pressionar a Anatel para analisar a compra da Warner Media, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) levará o CEO da AT&T, Randall L. Stephenson, para reunião com o presidente Jair Bolsonaro (PSL), prevista para a tarde desta quarta-feira, 28.

Além deles, devem participar da conversa no Palácio do Planalto os ministros da Economia, Paulo Guedes, das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes.

A articulação de Eduardo para a compra da Warner Media pela AT&T no Brasil começou após o deputado ser indicado informalmente para o cargo de embaixador em Washington. O presidente dos EUA, Donald Trump, faz lobby para a conclusão da compra. A operação global de US$ 85,4 bilhões já foi aprovada em 18 países.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

A indicação de Eduardo à embaixada, no entanto, ainda precisa ser formalizada pelo Palácio do Planalto e, depois, aprovada pelo Senado. O governo espera garantir maior apoio entre os senadores para liberar a análise.

A Time Warner é dona de diversos canais de televisão, como CNN, HBO, TNT, Warner Channel e os estúdios Warner Bros. A AT&T é uma operadora que presta serviços de telefonia, TV por assinatura e internet.

A compra no Brasil esbarra na lei do Serviço de Acesso Condicionado (SeAC), de 2011. O texto proíbe que um mesmo grupo controle todas as fases da cadeia da TV paga, impedindo o que se chama de verticalização. O deputado já defendeu alterações na lei pelas redes sociais.

O porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, disse na última semana que o presidente Jair Bolsonaro não tem posição sobre a aquisição da Warner Media pela AT&T. Rêgo Barros disse que o presidente "confia nas ações" tomadas pelo governo e Anatel "para resolver essa questão".

A pressão de Eduardo Bolsonaro levou o relator da análise sobre a compra na Anatel, conselheiro Vicente Aquino, a convocar reunião extraordinária da agência na última semana.

Mesmo com orientação contrária da área técnica e da Procuradoria da Anatel, Aquino votou para aprovar a fusão, assim como o conselheiro Aníbal Diniz. A sessão foi interrompida por pedido de vista (mais tempo para a análise) de Moisés Moreira. Ainda falta o voto do conselheiro Emmanuel Campelo e, em caso de empate, do presidente da agência, Leonardo Euler de Morais.

Ao final da reunião na última semana, o presidente da Anatel, Leonardo Euler de Morais, sinalizou que a agência não poderá aprovar a compra antes de o Congresso alterar a legislação.

"A missão da Anatel de promover o desenvolvimento das telecomunicações brasileiro não se cumpre sozinha", disse ele, ressaltando que enviou uma carta ao presidente do Congresso Nacional, Davi Alcolumbre (DEM-AP), com uma lista de projetos considerados relevantes para o setor.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Será que cai mais?

Selic em 5,0% ao ano? Na contramão do mercado, Itaú segue mais conservador

Segundo relatório da instituição, o banco seguirá observando os dados para a inflação e a taxa de câmbio do Banco Central para decidir por uma nova reavaliação

'impacto nulo'

Relator da reforma da Previdência apresenta novo parecer e acata apenas uma das 77 emendas

Emenda acatada retira do texto ponto que obrigava os servidores que entraram antes de 2003 a contribuírem por 35 anos, no caso dos homens, e 30 das mulheres, para ter direito à totalidade de gratificação por desempenho

Startup

Airbnb quer se hospedar na bolsa e anuncia planos para oferta de ações em 2020

Empresa que conecta usuários interessados em alugar apartamentos ou quartos por temporada com os proprietários foi avaliada em mais de US$ 30 bilhões

Negócio fechado

Superintendência do Cade aprova operação entre Allianz e Sul América Seguros

De acordo com informações do parecer, para a realização da operação, o negócio-alvo da Salic será transferido para a Sapi, que será adquirida pela Allianz Seguros e a Sasp será adquirida pela Allianz do Brasil Participações Ltda

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Giro dos BCs

Banco da Inglaterra decide manter taxa básica de juros em 0,75% ao ano

Inflação medida pelo índice de preços ao consumidor (CPI), que desacelerou para 1,7% anual em agosto, deve permanecer ligeiramente abaixo da meta de 2% no curto prazo, espera o BoE

Day after

Ibovespa sobe aos 105 mil pontos após decisões do Copom e do Fed; dólar avança

O Ibovespa reage positivamente às indicações do Copom, chegando a tocar o nível dos 106 mil pontos na máxima. O dólar à vista, por outro lado, segue pressionado e é negociado a R$ 4,14

Novidade na área

Toyota anuncia investimento de R$ 1 bi em fábrica de SP para produzir novo carro

Na unidade já são produzidos os modelos Etios e Yaris. Detalhes sobre o novo carro e a data de lançamento não foram divulgados

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

E a Magalu? Quem pegou, pegou, pegou…

Se tem uma empresa que fez a alegria dos seus investidores nos últimos anos foi o Magazine Luiza. Em 2015, o valor de mercado da varejista foi abaixo de R$ 200 milhões, um valor pífio comparado ao atual, acima de R$ 50 bilhões. Quem comprou os papéis do Magalu teve bons motivos para sorrir. Também se […]

Crise no Oriente Médio

Arábia Saudita procura importar petróleo para manter exportações, dizem fontes

De acordo com fontes, o país também consultou o Iraque sobre o possível fornecimento de até 20 milhões de barris de petróleo bruto para manter suas refinarias abastecidas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements