Menu
2019-07-05T11:58:53+00:00
fazendo as contas

Deduções médicas podem sair do IR

Estudo do Ministério da Economia propõe o fim das deduções médicas em troca de um corte de todas as alíquotas do Imposto de Renda da Pessoa Física; hoje, as renúncias beneficiam apenas os 20% mais ricos da população brasileira

5 de julho de 2019
11:58
médico/hapvida
Imagem: Shutterstock

Estudo do Ministério da Economia propõe o fim das deduções médicas em troca de um corte de todas as alíquotas do Imposto de Renda da Pessoa Física. Deduções permitem diminuir o valor do imposto a ser pago ou aumentar a restituição a receber.

Cálculos do estudo apontam que o fim da dedução de despesas médicas pode ser compensado com a redução de 8% das alíquotas de todas as faixas de renda. A mudança, avalia a equipe do governo Jair Bolsonaro, tem potencial de atingir um número maior de brasileiros que pagam Imposto de Renda e custaria mais barato para os cofres públicos.

Hoje, as renúncias das despesas médicas beneficiam apenas os 20% mais ricos da população brasileira. O resultado do estudo mostrou que a política de concessão desse subsídio dado pelo governo por meio da dedução das despesas médicas alimenta o caráter regressivo do Sistema Tributário Nacional, no qual quem ganha menos paga proporcionalmente mais do que os de renda mais elevada. Ou seja, as deduções médicas tendem a aumentar a desigualdade de renda do País.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Projeções

Pelas simulações feitas pelo Ministério da Economia, um corte de 8% de cada uma das alíquotas atuais (7,5%, 15%, 22,5%, 27,5%) implicaria uma renúncia de R$ 14,6 bilhões. O gasto tributário (subsídio) com as deduções, em 2017, foi maior, chegando a R$ 15,1 bilhões - o equivalente a 32,8% do total de subsídios em saúde e 8,9% da arrecadação do Imposto de Renda da Pessoa Física.

Esse é o maior item na conta de R$ 45,9 bilhões que o governo federal tem de subsídios na área de saúde e que incluem também a desoneração da produção de medicamentos (R$ 11,2 bilhões) e a isenção da contribuição previdenciária patronal para as entidades filantrópicas (R$ 7,8 bilhões).

As simulações foram feitas pela Secretaria de Avaliação, Planejamento, Energia e Loteria (Secap) como parte da política de avaliação da eficiência dos subsídios concedidos pelo governo federal.

A avaliação acontece no momento que o governo está debruçado na elaboração de uma proposta de reforma tributária que pode mexer também no IRPF e no imposto de renda das empresas (IRPJ).

Os dados mostram também que o volume dos subsídios concedidos para o setor de saúde não apenas é expressivo, mas também apresenta ritmo de crescimento superior aos gastos diretos da União (orçamentários) nessa área. Em 2017, os subsídios tributários em saúde corresponderam a 40% do total de gastos diretos no setor. Na prática, esse porcentual elevado indica uma ampliação do uso de subsídios tributários para o financiamento da política de saúde.

Subsídios

Dessa forma, o crescimento dos subsídios tributários para os consumidores de serviços privados de saúde ocorre em oposição às necessidades de financiamento do Sistema Único de Saúde (SUS).

“Os gastos tributários com a dedução das despesas médicas no IRPF são concentrados do ponto de vista da renda individual e regional”, diz o secretário Alexandre Manoel Angelo da Silva, que comanda a Secap. Segundo ele, as simulações da secretaria mostram que, se o objetivo for manter o atual nível de arrecadação, compensar a eventual extinção desses subsídios com redução das alíquotas marginais (em todas as faixas) do IRPF estimulará a economia.

“Também vai reduzir distorções alocativas e incentivar a oferta de trabalho, assim como aumentará a transparência orçamentária”, diz. Ele destaca que os subsídios não são explícitos na peça principal do orçamento nem discutidos anualmente pelo Congresso. O estudo projeta que a renúncia com as deduções médicas deve saltar de R$ 15,1 bilhões em 2017 para R$ 26,3 bilhões em 2030.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Blog da Angela

Ajuste fiscal é ‘maratona’ para colocar as contas em dia e vai além da Previdência

Relatório do BofAML mostra que nem a economia de R$ 1,2 trilhão em 10 anos com reforma preservaria o teto de gastos para o setor público

Global > Local

Com o exterior dando as cartas, Ibovespa abre em leve alta e dólar sobe a R$ 3,76

A expectativa em relação aos próximos passos dos principais bancos centrais do mundo mantém um viés positivo no exterior — o que dá força ao Ibovespa

DE OLHO NO GRÁFICO

S&P com sinal laranja e o futuro das ações mais importantes do Ibovespa

Fausto Botelho continua apostando em uma queda forte do S&P, que tem renovado máximas históricas. Para o analista gráfico, há muito a perder e pouco a ganhar neste momento. Já no Ibovespa, há grandes ações em tendência de alta. Confira!

Exile on Wall Street

É possível mudar o passado dos seus lucros? E o futuro?

Eu não sei se você será capaz de mudar o seu passado. Mas construir um futuro melhor depende apenas de uma mudança de mindset. Nada de acreditar em promessas milagrosas dessas que permeiam o YouTube

rusgas

Aeroporto expõe tensão de Bolsonaro com políticos do Nordeste

Inauguração do Glauber Rocha, em Vitória da Conquista (BA), evidenciou o clima tenso entre políticos, após comentários pejorativos do presidente sobre governadores da região

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta terça-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Sem recessão

FMI estima crescimento mundial de 3,2% em 2019; Brasil terá um magro 0,8%

Projeções foram atualizadas hoje. Para 2020, mundo cresce 3,5% e Brasil avança 2,4%. Risco é de baixa e decorre da guerra comercial e tecnológica

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

Ele nunca ganhou tanto dinheiro…

Veja os destaques do Seu Dinheiro nesta manhã

IPCA-15

Queda nos preços dos combustíveis pressiona e prévia da inflação sobe 0,09% em julho, diz IBGE

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), a prévia da inflação, já acumula uma alta de 2,42% no ano. Em 12 meses, o índice chega a 3,27%. 

Mudança no comando

Boris Johnson é eleito chefe do partido Conservador e substituirá Theresa May como premiê britânico

Johnson terá como principal tarefa a conclusão do ‘Brexit’, a separação oficial do Reino Unido da União Europeia, uma dificuldade enfrentada por sua antecessora que foi derrotada três vezes no Parlamento britânico

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements