Menu
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Fundos de investimento

CVM quer que qualquer investidor possa acessar fundo de debêntures isentas listado em Bolsa

Se correr tudo bem com a audiência pública, mesmo quem não tem R$ 1 milhão em investimentos financeiros vai poder diversificar o patrimônio nesse tipo de produto

27 de setembro de 2018
17:31 - atualizado às 17:42
Com a nova proposta da CVM, o acesso a fundos de debêntures listados em bolsa ficará mais democrático - Imagem: Shutterstock

Trago novidades para você que busca oportunidades de investimentos em debêntures de infraestrutura, que não pagam imposto. A CVM colocou em audiência pública nesta quinta-feira, 27, uma proposta para que fundos de investimento em debêntures isentas listados em Bolsa possam ser acessados por investidores de varejo. Até o momento, apenas os qualificados, com mais de R$ 1 milhão em investimentos financeiros, podem aplicar nesse tipo de produto.

Na prática, a proposta da Comissão de Valores Mobiliários busca democratizar o acesso à essas debêntures, que poderá fazer parte das carteiras de qualquer investidor pessoa física.

É preciso diversificar

Na proposta que foi para audiência pública, há duas exigências principais para que o fundo de debêntures isentas listado possa ser oferecido no varejo: as carteiras precisam ser compostas por projetos que já estão em operação e devem ter pelo menos cinco emissores diferentes, já que haverá um limite de diversificação mínimo de 20% da carteira do fundo por emissor.

Entenda o que muda para você, investidor

Já há opções de fundos de debêntures isentas no mercado oferecidos ao investidor de varejo, como os da Brasil Plural e da Genial, pioneiras neste segmento. A aplicação mínima, inclusive, é bem baixa: R$ 100. Mas quem quiser resgatar os recursos precisa esperar o prazo de carência de 45 dias.

Os produtos que ainda não chegam ao investidor de varejo atualmente são os listados em Bolsa. Um exemplo é o Kinea Infra, lançado neste ano pela Kinea, gestora que tem o Itaú como sócio. A decisão de fechar e listar o produto tem a ver com o fato de a carteira ser pouco líquida: com frequência as debêntures têm vencimento em 7 a 10 anos. Negociar as cotas em Bolsa é uma forma de dar a possibilidade de saída ao investidor sem ter que vender os papéis do portfólio – a falta de compradores poderia derrubar os preços.

O problema é que até o momento, para listar o fundo em Bolsa no Brasil, o gestor é obrigado a empacotá-lo como FIP (Fundo de Investimento em Participações) ou FIDC (Fundo de Investimento em Direitos Creditórios). Por isso fundos de debêntures isentas como o da Kinea e também o do Banco do Brasil são FIDCs, ainda que invistam somente em debêntures isentas. E somente investidores qualificados podem investir em FIDCs.

O que vai mudar então se a proposta da CVM for aprovada pelo mercado? Também os fundos de debêntures isentas listados em Bolsa poderão ser oferecidos ao investidor não qualificado, ou seja, com menos de R$ 1 milhão em patrimônio financeiro – mais uma oportunidade de diversificação de carteira e, o melhor, sem a mordida do Leão.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Dia 17

Buona Sera, Queiroz

Presidente dá entrevista à emissora italiana e STF entra no caso Queiroz

Governo brasileiro no Fórum Econômico Mundial

O que dirá Paulo Guedes em Davos?

Ideia é atualizar as perspectivas com relação ao futuro do Brasil, transmitindo a imagem de uma democracia vibrante e que funciona bem

Estatal vai recorrer

Petrobras tem revés no Carf e pode pagar até R$ 1,5 bilhão em processo

Petroleira informou que aguarda a intimação oficial na via administrativa e que pretende recorrer da decisão

Meios de pagamento

Em negócio bilionário de fintechs, Fiserv compra First Data por US$ 22 bilhões

A união fortalece as companhias na disputa contra os novos competidores nesse mercado. First Data é dona da marca Bin de maquininhas de cartão no Brasil

Longo prazo

Enel vende por R$ 2,9 bilhões usinas renováveis à CGNEI, da China

Valor total da transação entre as companhias foi US$ 700 milhões (cerca de R$ 2,9 bilhões); as três usinas possuem contratos de venda de energia de longo prazo (PPAs) em vigor

Ex-motorista de Flávio Bolsonaro

STF suspende investigação sobre movimentações financeiras de Queiroz

Ex-motorista do senador eleito, Queiroz é investigado por transações atípicas

câmbio

O que o mercado futuro nos diz sobre o dólar?

Cotação da moeda americana, que fez mínimas a R$ 3,68 na semana passada, volta a mirar os R$ 3,80

Passo a passo

10 regras de bolso para quem quer investir sem ter trabalho

Não quer se tornar um ás dos investimentos? Tem preguiça? Não tem tempo para se dedicar? Seus problemas acabaram! Siga essas dicas para investir no modo “easy”

Vídeo

Desaceleração da China: por que o que acontece do outro lado do mundo importa para o investidor

Por que as bolsas ao redor do mundo são afetadas pelas perspectivas para a economia chinesa? E como os investimentos dos brasileiros são afetados pelo que acontece no gigante asiático? Entenda por que você também deveria ficar sempre de olho na China

Exile on Wall Street

Cinco passos para a real educação financeira

O mercado financeiro pertence aos praticantes: as pessoas aprendem e se educam a partir da prática; o conhecimento precisa emanar da prática para a teoria. E não o contrário.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu