Menu
2019-12-04T17:15:00-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

Credit Suisse trabalha com dólar entre R$ 4,18 e R$ 4,35 em 2020

Banco apresentou as perspectivas para o mercado de câmbio em 2020 e dólar não estaria tão caro assim por aqui

4 de dezembro de 2019
14:05 - atualizado às 17:15
Real e Dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Os analistas do Credit Suisse apresentam um longo relatório sobre as perspectivas para o mercado mundial de câmbio para 2020. Na parte dedicado ao dólar contra o real, a avaliação é de que a cotação deve oscilar entre R$ 4,18 e R$ 4,35.

Segundo o banco, apesar dos recordes nominais na cotação dólar, acima da linha de R$ 4,20, a moeda americana não estaria tão cara assim (ou a moeda brasileira tão barata). Avaliando a taxa real efetiva de câmbio (Reer, em inglês), medida que compara o real com pares comerciais, a moeda está no meio de um range de 20 anos que indica sobre ou sub valorização (veja imagem abaixo)

Além disso, diz o CS os elementos tradicionais para se dizer que a moeda está subvalorizada não estão presentes, como superávit em conta corrente e baixo desemprego.

Segundo o banco, o comportando do risco-país, medido pelo CDS, já dá ao Brasil a classificação de grau de investimento, o que torna a moeda vulnerável a ruídos políticos.

O CS também confirma algo que é lugar comum por aqui. Com a queda de Selic e a forte redução, ou mesmo fim, das operações de arbitragem de juros, o real virou um “hedge” relativamente barato para se proteger de oscilações em outros mercados brasileiros. “Isso não deve mudar no curto prazo”, diz o CS.

Por ora, explica o banco, a recente alta nas expectativas de inflação é muito pequena para indicar qualquer mudança na relação de “carry” (arbitragem) da moeda. Se o crescimento surpreender muito para cima é possível que essa percepção mude.

Na avaliação mais ampla sobre moedas emergentes, o banco prefere exposição a países que tenham juros mais elevados, estabilidade no balanço de pagamentos e nos quais os riscos políticos estejam embutidos no preço ou recuando. Se encaixam nesses quesitos, o rublo russo e a lira turca. Nenhuma moeda da América Latina se qualifica.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

UM DOS IPOs DO ANO

Presidente da XP diz que não descarta listar a companhia na bolsa brasileira

O executivo disse que a ideia sempre foi fazer uma listagem no Brasil, visto que a empresa sempre se posicionou “como disruptora do mercado local, democratizando investimentos”

POLÍTICA

Justiça derruba suspensão de deputados do PSL; Joice pode perder liderança

Nesta quarta-feira, Joice foi confirmada líder do PSL na Câmara e em sua primeira coletiva no cargo afirmou que vai buscar uma pacificação na bancada

Até que enfim!

Agência de risco S&P eleva perspectiva para nota do Brasil para “positiva”

Embora atrasada, a decisão da S&P abre caminho para a recuperação no selo de bom pagador do país, perdido em setembro de 2015

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

A última superquarta do ano

Nesta última superquarta de 2019, o mercado ficou em compasso de espera pelas decisões de política monetária do Federal Reserve (Fed), o banco central americano, e do Banco Central brasileiro. No meio da tarde, o Fed anunciou a manutenção das taxas de juros, interrompendo um ciclo de três reduções consecutivas. Mas como o resultado já […]

Sessão tranquila

Sem surpresas com o Fed, dólar cai a R$ 4,11 e Ibovespa fecha em leve alta

A primeira parte do script imaginado pelos mercados foi cumprida à risca: o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) manteve a taxa de juros no país na faixa de 1,50% e 1,75% ao ano, conforme era esperado pelos agentes financeiros. E, sem nenhuma surpresa, o dólar à vista encontrou espaço para continuar caindo, enquanto […]

Menor juro da história

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 4,5% ao ano

Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras de renda fixa agora que o Banco Central cortou a Selic mais uma vez

Juros

Banco Central reduz juros para 4,5% ao ano, mas não garante novos cortes

Com a nova redução de 0,5 ponto percentual em decisão unânime tomada pelo Copom, a Selic renova a mínima histórica

Antes tarde do que nunca?

No dia do IPO da XP, CVM lança proposta para facilitar listagem de BDR

Se já estivesse em vigor, a regra permitiria a listagem de recibos de ações da XP na bolsa brasileira. CVM também pretende liberar investimento em BDR para o varejo

SEM BUROCRACIAS

Em evento na CNI, Bolsonaro faz acenos ao empresariado ao criticar “burocracias”

“Cada instrução normativa deve ser muito bem pensada. Deve atender ao interesse do Brasil. Não de grupos”, disse o presidente

MAIS MAGRINHA

Venda de 51% da Gaspetro com 20 distribuidoras deverá ser por IPO, diz Petrobras

“As conversas continuam com a Mitsui e a nossa expectativa é realizar a transação no mercado de capitais. Em 2015 a Petrobras vendeu 49% da empresa para a Mitsui e agora vamos vender nossa parte em bolsa”, disse Castello Branco

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements