Menu
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Ações

Credit Suisse e XP reiteram compra para ações da Vale

Decisão de eliminar barragens como a de Brumadinho é avaliada como passo importante para reduzir preocupações com possíveis eventos parecidos no futuro

30 de janeiro de 2019
10:32
Imagem: Agência Vale

O presidente da Vale, Fabio Schvartsman, anunciou, ontem, um plano de segurança em resposta ao rompimento da barragem de Brumadinho, em Minas Gerais. A avaliação imediata do mercado foi positiva, apesar das incertezas que ainda cercam a tragédia que já figura entre as maiores do mundo em função do elevado número de vítimas.

Em relatório, os especialistas da XP e do Credit Suisse têm avaliação semelhante sobre o plano, considerando que a empresa busca eliminar o risco de futuros eventos parecidos aos de Brumadinho e Mariana.

Segundo a XP, a queda de aproximadamente 24% ao longo dos últimos dois dias nos papéis da mineradora, com perda de quase R$ 70 bilhões em valor de mercado, “parece já refletir parte relevante dos riscos”.

Portanto, a XP mantém sua recomendação inalterada em "compra", com preço alvo de R$ 66 por ação. Mas como uma série de incertezas ainda permanecem, a corretora sugere cautela. Ontem, o papel da Vale fechou a R$ 42,74, na B3.

Já o Credit Suisse mantém a classificação “outperform” para a ADR da companhia, negociada no mercado internacional, com preço alvo de US$ 18,50. No dia 29, o papel estava a US$ 11,48.

Na avaliação dos especialistas do Credit Suisse, a possibilidade de mais notícias negativas envolvendo a companhia pode reduzir o apetite do investidor em ir às compras. Mas a recente movimentação no preço dos ativos “já foi bastante dura”, refletindo um cenário muito mais negativo do que aquele sugerido pelo “cenário base” de hoje.

O plano de segurança terá investimento de R$ 5 bilhões e levará a redução na produção anual da Vale de minério de ferro em 40 milhões de toneladas (mt) e de pelotas em 11 milhões de toneladas durante o período de descomissionamento (10% da produção de minério). O processo de desativação das barragens levará entre um e 3 anos.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O que estaria no preço?

Os analistas do Credit realizam um teste de sensibilidade usando como variáveis desembolsos e investimentos relativos ao plano de segurança. Assumindo os R$ 5 bilhões previstos pela companhia e os atuais R$ 12,5 bilhões em multas e valores já bloqueados para pagamento de indenizações, o preço alvo da ADR seria de US$ 16,4, representando um potencial de alta de 43% sobre os preços atuais (dia 29).

Fazendo um exercício no qual o valor de multas e indenizações é dobrado, para cerca de R$ 25 bilhões (US$ 6,48 bilhões), o preço alvo cairia a US$ 14,3, ainda assim oferecendo um potencial de alta de 25%. Nas contas do Credit, com ADR a US$ 11,48 o mercado coloca no preço um desembolso de US$ 11,3 bilhões em multas e indenizações.

Em seu relatório, a XP reafirma que as duas principais incertezas no campo do impacto financeiro estavam no impacto na produção de curto e médio prazo e potenciais processos judiciais decorrentes do evento. O anúncio do plano de segurança, segundo a corretora, ajuda a mitigar a preocupação em relação à produção.

A XP diz que revisou o seu modelo para incorporar as medidas anunciadas, conservadoramente assumindo queda de 40mt/ano no período de 2019-22 (assim como 11mt/ano a menos de pelota), e o investimento de R$ 5 bilhões.

De forma conservadora, foi mantida a previsão para o preço de minério de ferro estável em US$ 65 por tonelada para os anos em referência. Entretanto, a XP acredita que a redução de 40mt/ano na oferta global de minério pode sustentar os preços em níveis superiores a este. Como referência, o preço se encontra atualmente em US$ 79/t.

A XP ressalta que ainda permanece a incerteza em relação aos potenciais processos judiciais. Por ora, R$ 400 milhões em multas foram confirmados (já incorporados no modelo), enquanto que a justiça solicitou o bloqueio de R$ 12 bilhões em bens da Vale (R$ 6,8 bilhões já foram confirmados pela justiça). Como referência, a corretora explica que R$ 5 bilhões em multas equivaleriam a uma queda do preço alvo em R$ 1,1 por ação.

Comentários
Leia também
"Acordo muito bom"

Trump sinaliza otimismo com a China ao dizer que Estados Unidos estão “muito próximos” de um acordo comercial

Em pronunciamento presidente norte-americano voltou a dizer que gosta de tarifas e que os EUA ganharam bilhões de dólares da China por causa delas

Caso Coaf

Investigação sobre Queiroz vai para grupo de combate à corrupção do Ministério Público

Na prática, a mudança na condução do processo indica um aprofundamento nas apurações

Para colocar fim à crise

Bolsonaro decide que vai manter Bebianno em seu governo

Ministro foi pivô de uma crise política depois de ter sido chamado publicamente de mentiroso pelo presidente e seu filho Carlos Bolsonaro

Mudanças no radar

Governo está revendo o Rota 2030, mas não há proposta alternativa, diz secretário

Projeto começou a ser discutido pelo governo Temer com representantes do setor automotivo em 2017 e foi aprovado no fim do ano passado

Bilhões e mais bilhões

Lucro dos grandes bancos passa dos R$ 73 bilhões em 2018 e supera gasto com calotes

No ano passado, o lucro líquido consolidado de Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander Brasil subiu 12,77% em relação a 2017

Caso Bebianno volta a assombrar

Para Alcolumbre, tensão política no governo não deve atrapalhar o andamento da reforma da Previdência

Crise entre Bolsonaro e Gustavo Bebianno ocorre no momento em que o Planalto tenta manter coesão para as negociações da reforma no Congresso

Depois do pente fino

Impacto fiscal da reforma da Previdência deve recuar em até R$ 600 bilhões no Congresso

Previsão é de Christopher Garman, diretor da consultoria de risco político Eurasia. Para ele, negociações devem limitar o projeto

Nova gestão

Grupo Heineken no Brasil terá, pela primeira vez, um brasileiro no comando

Mauricio Giamellaro começou na empresa há cerca de sete anos, e desde então havia atuado como vice-presidente de vendas e distribuição.

medidas antidumping

China confirma tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro, mas isenta 14 empresas

De acordo com anúncio do Ministério do Comércio local, os importadores do frango brasileiro deverão pagar tarifas de 17,8% a 32,4% a partir do próximo domingo, 17

Por valor não reconhecido

Usiminas diz que continuará com trâmites judiciais sobre dívida da Eletrobras

Empresa conseguiu reverter a inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS e da Cofins, cobranças que foram questionadas pela empresa na Justiça

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu