Menu
2018-11-22T19:07:48+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Bolsa e dólar hoje

Ibovespa fecha em leve alta, puxada por BRF e Cemig

Exportações da BRF ao México devem crescer e governador eleito de Minas fala em privatizar a companhia elétrica do estado

22 de novembro de 2018
10:34 - atualizado às 19:07
Fechamento mercados
O dólar terminou o dia em alta de 0,29%. a R$ 3,80.  - Imagem: Seu Dinheiro

A Bolsa de Valores de São Paulo andou de lado nesta quinta-feira, com leves altas intercaladas por breves momentos de baixa. Sem o parâmetro dos mercados de Nova York em razão do feriado de Ação de Graças nos EUA, o movimento foi calmo. Operadores ouvidos pelo Broadcast informaram que o volume da bolsa brasileira foi cerca de metade do percebido em dias normais, com as bolsas americanas funcionando. O Ibovepa fechou em leve alta de 0,24%, com 87.477 pontos.  O destaque ficou por conta da BRF, que liderou as altas, com evolução de quase 6%.

O dólar fechou o dia em alta de 0,29%Apesar do feriado americano, alguns fatores negativos vindos do exterior pesaram sobre os ativos por aqui: houve queda superior a 2% nos preços do minério de ferro no mercado chinês e depreciação acima de 1% dos preços futuros do petróleo. Na Europa, preocupações com o Brexit e com a crise fiscal da Itália continuaram a influenciar os negócios e as bolsas locais operaram no vermelho.

No cenário doméstico, as atenções continuaram em torno dos nomes que vão compor o novo governo. Uma fonte da área econômica do governo de transição confirmou ao Broadcast que o ex-diretor do BNDES e ex-presidente do Sebrae Rubem de Freitas Novaes será o novo presidente do Banco do Brasil e o economista Pedro Guimarães será o presidente da Caixa. De acordo a fonte, uma nota oficial será divulgada pela equipe do futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, após o fechamento dos mercados.

Os nomes foram bem recebidos, mas sem grandes sobressaltos, até porque não há confirmação oficial. Ainda assim, as ações do Banco do Brasil terminaram o dia com ganho de 1,83%, destoando dos demais papéis do bloco financeiro, onde o viés predominante foi de leves baixas.

Gracias, México

As ações da dona da Sadia e da Perdigão, as BRF ON deram um salto de 5,77%, refletindo a decisão do México de habilitar 26 novos estabelecimentos do Brasil para exportar carne de frango ao país. Como empresa exportadora, sua ação também acompanha a alta do dólar frente ao real. Segundo operadores, o avanço ainda é respaldado pela perspectiva de que Pedro Parente, que assumiu a presidência do grupo em junho, consiga reduzir o endividamento da companhia para um patamar mais confortável através de desinvestimentos. Além disso, o conselho da companhia aprovou ontem a contratação de um empréstimo de curto praxo de R$ 55 milhões com o Banco do Brasil.

Também beneficiadas pela leve alta do dólar para R$ 3,80, as concorrentes Marfrig ON e Minerva ON subiam 1,33%, 2,25% e 1,59%, respectivamente. A JBS foi a unica com queda: 1,15%. O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Dyogo Oliveira, afirmou que a instituição pretende vender R$ 12 bilhões em participações acionárias - dentre elas na JBS -  até o fim deste ano. A venda de ações faz parte de um reposicionamento da carteira de participações do banco, pelo qual não fará mais sentido ter papéis de grandes empresas, como Vale, Eletrobras e a própria JBS.

Cemig

A Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) foi a segunda maior alta do dia, com 5,61% de evolução. Num discurso para investidores em evento organizado pelo banco BTG Pactual em São Paulo, o futuro governador de Minas Gerais, Romeu Zema, falou sobre uma possível privatização da Cemig. Para ele, a privatização poderia ser acelerada caso os investidores estejam dispostos a pagar o preço que a companhia teria se fosse saneada. "Se o mercado precificar bem, por que esperar?", questionou. Pactual.

Dólar

A alta da moeda americana, segundo informações da Broadcast, teria um motivo: um grande fundo de investimento estrangeiro estaria saindo da Bolsa desde ontem e comprando dólar.

Gol

A Gol ON subiu 4,80%, beneficiada pelo recente recuo nos preços do petróleo. As despesas com combustível (querosene de aviação) representam, em média, 35% dos custos das companhias aéreas. Ontem, o papel da companhia aérea subiu mais de 4%. Em novembro, a ação já acumula ganhos de quase 20%, em uma trajetória proporcionalmente oposta à do petróleo, que voltou a cair - o que significa menores despesas para a aérea. No mercado internacional, o preço do barril (Brent) teve queda de 1,38%.

Petrobras

Já a Petrobras teve uma reação neutra à variação do óleo hoje, já que as ações fecharam próximas da estabilidade. Petrobras PN subiu 0,24%, e ON avançou 0,11%.

Via Varejo

A Via Varejo Unit fechou em baixa de 1,67%. Em novembro, o papel acumula queda de 12%. Na próxima segunda-feira (26), a empresa começa a negociar somente ações ordinárias como parte da migração para o segmento Novo Mercado da B3. Operadores afirmam que esse movimento traz mais incertezas para os investidores, já que o Grupo Pão de Açúcar (GPA) havia manifestado intenção de vender sua participação na Via Varejo.

Ambev

Ambev ON subiu 0,73%, depois de o Santander elevar a recomendação da fabricante de bebidas para 'compra'. Em 2018, o papel acumula queda de mais de 18%, mas em novembro já subiu 1,5%.

*Com Estadão Conteúdo

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

De olho na Previdência

Onyx: “relatório da reforma vai permitir país incluir palavrinha previsibilidade”

“O Brasil estará equilibrado pelos próximos 10 anos ou 15 anos”, acrescentou Lorenzoni, apesar de Guedes ter dito na semana passada que, com o texto de Moreira, o próximo governo já teria de fazer outra reforma

perdido com os centavos?

Novo cofrinho de poupança? Neon anuncia função de investimento de trocados em CDB

Função que começa a ser implantada neste mês permitirá que usuários destinem parte de pagamentos no débito para aplicações automáticas em CDB

Mais magrinha

Petrobras negocia venda de participações em áreas onde descobriu gás em SE

Como o foco do seu plano de negócios atualmente é o pré-sal, localizado na região Sudeste do País, o investimento em outras áreas, como em Sergipe, está atrelado à adoção de soluções financeiras que não comprometam o orçamento da companhia e também não gerem mais dívida

EUA x China

Qual o custo da guerra comercial? Para a Huawei, serão US$ 30 bilhões a menos em receita

O presidente da Huawei, Ren Zhengfei, passou estimativas quanto aos impactos que a guerra comercial trará para a empresa. E tanto a receita quanto as vendas internacionais de smartphones serão fortemente afetadas

Grave crise

Odebrecht pode fazer pedido de recuperação judicial nesta segunda-feira

Com dívida de R$ 80 bilhões e com execuções em curso, a empresa está sem alternativas para resolver seu problema de liquidez financeira

em busca da previdência perfeita

Guedes quer ajustar relatório da reforma

Ministro vai buscar negociar ajustes no relatório da reforma da Previdência com o relator da proposta, deputado Samuel Moreira; o relator e o secretário Especial de Previdência, Rogerio Marinho, já conversaram informalmente neste fim de semana

Boas novas!

Nubank levanta R$ 375 milhões para financiar expansão e emplaca captação inédita

A fintech estreou a nova modalidade com uma oferta de R$ 75 milhões e que atraiu cinco investidores institucionais. Na mesma operação, o Nubank captou outros R$ 300 milhões via letras financeiras sênior

em busca do primeiro bilhão

Como Rihanna se tornou a artista feminina da música mais rica do mundo

Cantora pop acumulou uma fortuna de US$ 600 milhões, mas para isso ela teve de investir mais do que em música

segue o jogo

Caso Levy não atinge a Câmara, diz Rodrigo Maia

Maia fez o comentário em entrevista à emissora BandNews ao ser questionado sobre o pedido de demissão do agora ex-presidente do BNDES Joaquim Levy

Cortar ou não cortar?

Ex-diretores do BC se dividem sobre juros

Os que defendem ao menos um aceno ao corte no comunicado dão ênfase à avaliação da modelagem que considera a longa permanência da taxa de desemprego elevada e a ociosidade da economia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements