Menu
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Bolsa e dólar hoje

Brexit, realização e Petrobras fazem Ibovespa fechar no negativo

Com esse pacotão todo, a Bolsa encerrou o dia em baixa de 0,44%, com 94.055 pontos. O dólar fechou a terça-feira em alta de 0,76%, cotado a R$ 3,72

15 de janeiro de 2019
10:25 - atualizado às 19:11
O dólar reagiu à notícia de que o presidente só baterá o martelo em relação ao texto da Previdência na volta de Davos - Imagem: Seu Dinheiro

A Bolsa de Valores de São Paulo tirou o dia para oscilar. O motivo? A cautela do investidor. A manhã foi de alternância entre pequenos avanços e recuos, evidenciando a briga entre o persistente otimismo doméstico e o cenário externo desafiador. Mas durante a tarde, o Ibovespa foi para o vermelho. Às 15h47, chegou a perder os 94 mil pontos. A queda repentina foi provocada por um movimento mais forte de realização de lucros (uma vez que a elevação acumulada só em janeiro já passou de 7%). Houve também uma virada para o negativo das ações da Petrobras. Tudo isso levou o Ibovespa a renovar mínimas. E, no finalzinho do segundo tempo, também teve o parlamento britânico, que rejeitou o acordo do 'brexit'.  Com esse pacote todo, a Bolsa fechou em baixa de 0,44%, com 94.055 pontos. O dólar fechou a terça-feira em alta de 0,76%, cotado a R$ 3,72.

Câmbio

No câmbio, operadores relatam que o dólar - que já vinha em alta acompanhando o aumento da moeda americana globalmente - reagiu à notícia de que o presidente Jair Bolsonaro só baterá o martelo em relação ao texto da reforma da Previdência na sua volta de Davos (Suíça), no fim da semana que vem. Segundo o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, o governo continuará discutindo a proposta nos próximos dias e, antes de embarcar para o evento, Bolsonaro assistirá a uma apresentação da equipe. "Aí ele vai para lá com isso na cabeça, vai receber textos, vai pensar. Quando ele voltar, a gente vai conversar e acho que ele vai bater o martelo", afirmou.

Na onda do blues

Na sessão de hoje, as blue chips não brilharam. Encerraram todas no vermelho, com destaque para o recuo de 2,29% das units do Santander, que acumula valorização de 12,80% em janeiro. Em seguida, os papéis do Itaú Unibanco caíram 1,56% e do Banco do Brasil, 1,16%. As ações da Petrobras ON caíram (0,32%) e PN tiveram alta modesta (0,08%), depois de operarar em grande parte do dia em alta. Sucumbiram mesmo com as cotações do petróleo no mercado internacional subindo.

Suzano em primeiro

Maior alta do Ibovespa nesta tarde, Suzano ON disparou 8,46% hoje. Ontem, a companhia concluiu a fusão com a Fibria, anunciada pela primeira vez em março do ano passado. A última etapa da operação, nesta segunda-feira, foi realizada após a Suzano ter efetuado o pagamento de R$ 27,8 bilhões aos acionistas da Fibria, que passaram a deter participação na Suzano, nova marca da empresa.

Em relatório, o Bradesco BBI diz que com a conclusão do negócio, a Suzano deve se concentrar agora em seus passos estratégicos para gerar mais valor à empresa. Dessa forma, o banco reafirmou a recomendação dos papéis em ourperform (acima da média do mercado). "Vemos vários caminhos de geração de valor para a empresa pós-fusão, entre eles, crescimento por meio de projetos orgânicos e ou novas aquisições", diz o documento.

Varejo na boa

As ações da Via Varejo subiram 3,32% e e foi a segunda maior valorização do Ibovespa, após as vendas no varejo subirem 2,9% em novembro ante outubro, na série com ajuste sazonal, acima do teto do intervalo das estimativas de analistas. Na comparação com novembro de 2017, sem ajuste sazonal, as vendas do varejo tiveram alta de 4,4% em novembro de 2018.

Há dias  consecutivos Via Varejo ON tem sindo a maior alta do Ibovespa, Ontem, teve avanço de 6,87%. Analistas apontam as incertezas em relação à composição acionária da companhia, já que o Grupo Pão de Açúcar (GPA) tem manifestado interesse em vender sua participação na empresa. A estratégia do GPA de vender suas ações na Bolsa abre mais espaço para a família Klein dentro da Via Varejo.

Tiro na testa

A maior baixa do mercado, a  Taurus PN fechou amargando tombo de 22,19% enquanto a ON afundou 21,35%. Na espera pela flexibilização da posse de armas, os investidores iniciaram uma busca pelas ações da empresa, que só em janeiro subiram mais de 40%. Mas depois da assinatura do decreto, hoje, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, veio com um balde de água gelada: disse que está em estudo a abertura de mercado para a produção de armas no País, o que prejudicaria a indústria nacional. Segundo o líder do PSL na Câmara, deputado Delegado Waldir (PSL-GO), o assunto será discutido no Congresso, em votação que deve modificar o Estatuto do Desarmamento. "Não acho que o decreto seja ferramenta para quebrar o monopólio. Com a votação do Estatuto, a gente quebra o monopólio da Taurus, algo indispensável para acontecer no País", disse. "(A quebra do monopólio) continua sendo uma pauta da bancada da bala, que nós vamos discutir no Estatuto".

Cerveja atípica

As ações da cervejaria Ambev estiveram entre as mais negociadas do dia, perdendo apenas para as tradicionais Vale, Petrobras e Itaú Unibanco. Questionada pela B3 sobre negociações atípicas até 11 de janeiro, a Ambev diz desconhecer motivo para as oscilações registradas com suas ações. Porém, circulam notícias de que a controladora, AB InBev, considera a possibilidade de lançar uma oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) de ações na Ásia. "A administração da Companhia não tem conhecimento de ato ou fato relevante que possa justificar a movimentação das ações de sua emissão nos pregões da B3 realizados no período", esclarece a empresa, sobre o intervalo questionado de 27/12/2018 a 11/01 passado. Na data inicial, o volume negociado foi de cerca de R$ 190 milhões, ao preço de R$ 15,10 por ação; e na final, R$ 1,153 bilhão, com a ação valendo R$ 17,13. Hoje, as ações subiram 0,91%.

CCR

Depois de subir 2,76%, ontem, quando a CCR ViaSul se beneficiou da assinatura, na sexta-feira, de contrato de concessão com a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) para exploração de diversas rodovias localizadas no Rio Grande do Sul, o papel da companhia amargou a maior queda do dia: 3,86%.

Energia

A EDP Energias do Brasil subiu 2,27%, se destacando entre as elétricas, que operavam majoritariamente em queda. O índice de Energia Elétrica (que representa uma medida do comportamento agregado do segmento das companhias de energia elétrica listadas na B3) recuou 0,51%. Um analista que acompanha o setor e falou na condição de anonimato comentou que a EDP vinha registrando uma desempenho pior que o de outras elétricas sem motivos e agora o papel passa por uma correção. "O setor passou por um rali, influenciado pela curva de juros e pela expectativa de crescimento econômico, mas o papel da companhia não tinha se beneficiado do movimento. Não há por que EDP não ter performance em linha com o resto do setor", comentou. O profissional lembrou que a empresa vem entregando os projetos de transmissão antecipadamente e também se beneficia da perspectiva com o crescimento econômico.

Em relatório divulgado no início do ano, os analistas do Goldman Sachs classificaram a EDP como "o melhor veículo de investimento para navegar nos ventos econômicos favoráveis", tendo em vista os múltiplos em que a ação da companhia era negociada, em relação a seus pares.

Que papelão, hein?

Beneficiada pelo avanço do dólar, as ações da Klabin  ficaram entre as maiores altas do Ibovespa, com elevação das units de 2,92%. Fernando Bresciani, analista da Mirae Invest, diz que o preço dos ativos também reflete a perspectiva de crescimento da economia e o aumento das encomendas de embalagens. "Além disso, a empresa também vive momentos de desalavancagem, com o projeto Puma", afirma Bresciani. Em operação desde março de 2016, a unidade Puma da Klabin, construída no município de Ortigueira, na Região dos Campos Gerais, prevê aumento na capacidade instalada e tem impactado os resultados anuais da companhia

 

 

 *Com Estadão Conteúdo

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Captação de US$ 15 milhões

Dos tijolos aos bytes, BTG Pactual lança criptoativo com lastro em imóveis

A ideia do banco é proporcionar aos investidores do ReitBZ retorno com a recuperação dos ativos e a venda por um valor superior ao preço de aquisição. Lançamento envolve parceria com os gêmeos Winklevoss, que atuaram na criação do Facebook

Nova crise?

Flávio Bolsonaro diz que revista faz “ilação irresponsável” ao vinculá-lo à milícia

Reportagem obteve dois cheques de Flávio assinados por Valdeci: um de R$ 3,5 mil e outro no valor de R$ 5 mil; em nota, Flávio afirma que Val Meliga é tesoureira geral do PSL

Com pressão do mercado

Se reforma vier da Câmara em abril, entra no recesso aprovada, diz Alcolumbre

Para presidente do Senado Federal, proposta de reforma da Previdência pode estar aprovada até junho, caso o texto seja aprovado pela Câmara dos Deputados em abril

Clima otimista no governo

Expectativa é que aprovação da reforma ocorra no primeiro semestre, diz Guedes

Ministro da Economia demonstrou confiança com a articulação política no congresso e disse estar “sentindo ventos de otimismo” com a tramitação da proposta

Exile on Wall Street

Uma boa hora para comprar ativos geradores de renda

“Se uma empresa nunca teve meme, posts no Reclame Aqui e erros no meio do caminho, só há uma possibilidade: nunca teve cliente também.”

Imóveis

Qual o tamanho do mercado imobiliário no Brasil?

Parceria entre governo, registradores de imóveis e Fipe começa a responder essa questão de forma objetiva, melhorando a nota do país no ranking de facilidade de negócios do Banco Mundial

Mudanças na Previdência

Deputados querem segurar tramitação da reforma até proposta para militares sair

Para líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (GO), o governo deve ser rápido para não aparentar tratamento diferenciado

Exclusivo

O que pensa o deputado cotado para presidir a comissão especial da reforma da Previdência?

Deputado Mauro Benevides Filho defende alterações no regime de capitalização, aposentaria de professoras e BPC

Salto de 368%

Com Fibria, Suzano registra lucro de R$ 2,987 bilhões no 4º trimestre

Excluindo Fibria, companhia reverteu prejuízo e obteve lucro líquido de R$ 1,462 bilhão, indicando um salto de 308,5% ante lucro de R$ 358 milhões de igual período do ano anterior

Conteúdo patrocinado por Startse

Milionária sem sair da cama

O caso da inglesa que ficou milionária trabalhando de pijama no quarto – e o número de brasileiros que querem enriquecer da mesma forma.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu