Menu
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Luis Ottoni
Luis Ottoni
Jornalista formado pela Universidade Mackenzie e pós-graduando em negócios pela Fundação Getúlio Vargas. Atuou nas editorias de economia nos portais G1, da Rede Globo, e iG.
Mercados

Ibovespa vive ressaca após a festança no final da semana passada com pesquisa eleitoral desanimando o investidor

Após chegar a flertar com os 80 mil pontos na semana passada, índice fecha a segunda-feira em queda de quase 2%

24 de setembro de 2018
10:47 - atualizado às 17:26

A festança que o mercado fez no fim da semana passada trouxe uma ressaca daquelas nesta segunda-feira, 24. Uma enxurrada de notícias ruins invadiu as salas de negociações e fez o principal índice da bolsa de valores de São Paulo cair quase 2%.

Na política nacional, o destaque foi para a mais nova pesquisa do BTG Pactual que mostrou um cenário mais desafiador para Jair Bolsonaro (PSL) nas eleições. Lá fora o foco eram as fofocas de que o governo chinês teria cancelado viagens que faria aos Estados Unidos para negociar o fim da guerra comercial.

No fechamento do pregão, o Ibovespa caiu 1,84%, aos 77.948 pontos. Na sexta-feira, o índice fechou em alta de 1,70%, a 79.444.

Haddad cresce mais

A pesquisa eleitoral divulgada nesta madrugada pelo banco BTG Pactual mostrou Jair Bolsonaro (PSL) estagnado com 33% das intenções de voto. Ele ainda segue à frente de Fernando Haddad (PT), mas o petista voltou a mostrar força ao subir de 16% a 23%, o que coloca uma pá de cal nas esperanças de aliados de Bolsonaro de que ele poderia liquidar a fatura já no primeiro turno.

Já para o segundo turno, Bolsonaro perdeu pontos valiosos e viu seus adversários se fortalecer. Na disputa com Haddad, o candidato do PSL se mantém na liderança com 44% dos votos, mas Haddad vem logo em seguida, com 40%. Na pesquisa anterior, era 46% e 40%, respectivamente.

Contra Ciro Gomes, Bolsonaro está tecnicamente empatado, com 43% e 41%. A margem também caiu em um embate entre Alckmin e Bolsonaro, que têm 40% e 41%, respectivamente. Lembrando que Bolsonaro é visto por grande parte do mercado como o candidato mais competitivo contra a campanha do Partido dos Trabalhadores. Agora é aguardar o Ibope, que sai hoje à noite.

Para completar a angústia, o Boletim Focus , divulgado nesta manhã pelo Banco Central, prevê menor crescimento do PIB e aumento da inflação até 2019.

Lá fora

As tarifas impostas pelos EUA de 10% sobre US$ 200 bilhões em bens chineses entraram em vigor hoje. Horas depois, Pequim acusou Washington de “intimidação comercial” e acusou os EUA de tentar intimidar outros países para que façam suas vontades. O governo chinês disse, porém, estar disposto a retomar as conversas com os americanos “baseadas em respeito mútuo e igualdade”.

E as tensões parecem não ter hora para acabar. Circula desde cedo no mercado rumores de que o governo chinês teria cancelado uma viagem que faria aos Estados Unidos no próximo fim de semana para buscar uma trégua na guerra comercial.

Comentários
Leia também
Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu