Menu
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Esquenta dos mercados

Resultado do Ibope deve deixar mercados mais felizinhos nesta terça

Avanço de Jair Bolsonaro e mau desempenho de Haddad na pesquisa divulgada nesta segunda devem se refletir num otimismo maior, sobretudo nas ações de estatais

2 de outubro de 2018
7:30 - atualizado às 10:51
Bolsa caiu na segunda devido à ansiedade eleitoral, mas pode ver retomada nesta terça - Imagem: shutterstock

Depois de fechar ontem em queda, na contramão das bolsas no exterior, a bolsa brasileira deve ver bom desempenho nesta terça (02). O motivo: o avanço do candidato preferido do mercado, Jair Bolsonaro, na pesquisa Ibope divulgada ontem à noite, no "Jornal Nacional".

O Ibovespa abriu a semana em queda de 0,91%, aos 78.623 pontos, enquanto as bolsas americanas subiam em razão do acordo comercial selado por EUA, México e Canadá, mantendo este último no Nafta.

Com o alívio provocado pelo tratado, o dólar perdeu valor frente a diversas moedas, incluindo emergentes, mas no Brasil caiu apenas 0,52%, a R$ 4,0299. Por aqui, os mercados ainda seguiam cautelosos em razão das expectativas em torno da eleição e, sobretudo, da pesquisa Ibope a ser divulgada à noite.

Mercados devem se animar com Ibope

A última pesquisa Ibope mostrou um avanço de Jair Bolsonaro e uma piora de Haddad. Os protestos do fim de semana contra o capitão reformado do Exército parecem não ter tido o efeito desejado.

Enquanto isso, a campanha do petista sofre com a proibição da Justiça à entrevista de Lula pela "Folha" e com a delação premiada de Palocci, que afirmou que Lula sabia do "petrolão" desde 2007 e que esteve envolvido diretamente no esquema de loteamento de cargos entre 2003 e 2004.

Segundo o Ibope, Bolsonaro saltou de 27% para 31% nas intenções de voto e empatou com Haddad no segundo turno, aos 42%. Na pesquisa anterior, perdia por 42% a 38%.

Bolsonaro cresceu mais entre as mulheres do que entre os homens, sobretudo as de maior escolaridade, mas 51% delas ainda não votaria nele de jeito nenhum. Sua rejeição se manteve em 44%, enquanto a de Haddad cresceu para 38%. No primeiro turno, o ex-prefeito de São Paulo não esboçou crescimento, mantendo-se com 21% das intenções de voto.

O avanço do candidato do PSL deve animar os mercados nesta terça (02), já que suas promessas liberais agradam investidores. O impacto maior deve ser sentido nas ações de estatais, que sofreram na segunda-feira diante do temor de ingerência de um eventual governo petista.

E o que mais?

Hoje à noite será divulgado o resultado da pesquisa da Datafolha. No último levantamento, em 28 de setembro, Bolsonaro tinha 28% das intenções de voto contra 22% de Haddad, seguidos de Ciro (11%), Alckmin (10%) e Marina (5%). No segundo turno, Bolsonaro perdia de Haddad por 45%a 39%.

Às 9h, temos a divulgação da produção industrial de agosto, para a qual é esperada ligeira melhora de 0,3%, segundo a mediana das projeções do Broadcast, serviço de notícias do Estadão.

Às 11h serão divulgados os dados de setembro da Anfavea, a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores, que também pode ser encarado como um indicador de atividade.

Às 17h, ocorre a divulgação do IPC-Fipe, índice de inflação de que deve vir em 0,40%, segundo as projeções do Broadcast, próximo ao índice de agosto, que foi de 0,41%.

Lá fora, poucos eventos, com destaque para os dados de vendas de veículos nos EUA e o índice ISM de condições empresariais em Nova York (com previsão de forte piora para 56,8 em setembro, frente a 76,5 em agosto), e os dados de inflação de agosto na zona do euro pelo Producer Price Index (PPI).

*Com informações do Bom Dia Mercado, de Rosa Riscala. Para ler o Bom Dia Mercado na íntegra, acesse www.bomdiamercado.com.br

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Dia 17

Buona Sera, Queiroz

Presidente dá entrevista à emissora italiana e STF entra no caso Queiroz

Governo brasileiro no Fórum Econômico Mundial

O que dirá Paulo Guedes em Davos?

Ideia é atualizar as perspectivas com relação ao futuro do Brasil, transmitindo a imagem de uma democracia vibrante e que funciona bem

Estatal vai recorrer

Petrobras tem revés no Carf e pode pagar até R$ 1,5 bilhão em processo

Petroleira informou que aguarda a intimação oficial na via administrativa e que pretende recorrer da decisão

Meios de pagamento

Em negócio bilionário de fintechs, Fiserv compra First Data por US$ 22 bilhões

A união fortalece as companhias na disputa contra os novos competidores nesse mercado. First Data é dona da marca Bin de maquininhas de cartão no Brasil

Longo prazo

Enel vende por R$ 2,9 bilhões usinas renováveis à CGNEI, da China

Valor total da transação entre as companhias foi US$ 700 milhões (cerca de R$ 2,9 bilhões); as três usinas possuem contratos de venda de energia de longo prazo (PPAs) em vigor

Ex-motorista de Flávio Bolsonaro

STF suspende investigação sobre movimentações financeiras de Queiroz

Ex-motorista do senador eleito, Queiroz é investigado por transações atípicas

câmbio

O que o mercado futuro nos diz sobre o dólar?

Cotação da moeda americana, que fez mínimas a R$ 3,68 na semana passada, volta a mirar os R$ 3,80

Passo a passo

10 regras de bolso para quem quer investir sem ter trabalho

Não quer se tornar um ás dos investimentos? Tem preguiça? Não tem tempo para se dedicar? Seus problemas acabaram! Siga essas dicas para investir no modo “easy”

Vídeo

Desaceleração da China: por que o que acontece do outro lado do mundo importa para o investidor

Por que as bolsas ao redor do mundo são afetadas pelas perspectivas para a economia chinesa? E como os investimentos dos brasileiros são afetados pelo que acontece no gigante asiático? Entenda por que você também deveria ficar sempre de olho na China

Exile on Wall Street

Cinco passos para a real educação financeira

O mercado financeiro pertence aos praticantes: as pessoas aprendem e se educam a partir da prática; o conhecimento precisa emanar da prática para a teoria. E não o contrário.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu