Menu
2019-07-29T12:57:53+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
rombo

Contas públicas têm déficit primário de R$ 5,7 bi no primeiro semestre

Número equivale a 0,16% do PIB; déficit fiscal no primeiro semestre ocorreu em função do superávit de R$ 24,674 bilhões do governo central, segundo o BC

29 de julho de 2019
12:56 - atualizado às 12:57
notas de real
Notas e moedas de real - Imagem: Shutterstock

As contas do setor público acumularam um déficit primário de R$ 5,740 bilhões no primeiro semestre, o equivalente a 0,16% do Produto Interno Bruto (PIB), informou o Banco Central. O déficit fiscal no primeiro semestre ocorreu em função do superávit de R$ 24,674 bilhões do governo central (0,71% do PIB).

Os governos regionais (Estados e municípios) apresentaram um superávit de R$ 19,077 bilhões (0,55% do PIB) no período. Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 17,519 bilhões, os municípios tiveram um saldo positivo de R$ 1,558 bilhão. As empresas estatais registraram um resultado negativo de R$ 143 milhões no período.

Já o setor público consolidado (governo central, Estados, municípios e estatais, com exceção de Petrobras e Eletrobras) apresentou déficit primário de R$ 12,706 bilhões em junho, informou nesta segunda-feira, 29, o Banco Central (BC).

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O resultado representa o menor déficit para o mês desde junho de 2016, quando houve déficit de R$ 10,061 bilhões. Em maio, havia sido registrado déficit de R$ 13,008 bilhões.

O resultado primário consolidado do mês passado ficou dentro do intervalo das estimativas de analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Projeções Broadcast, que iam de déficit de R$ 15 bilhões a déficit de R$ 6 bilhões. A mediana estava negativa em R$ 11,1 bilhões.

O resultado fiscal de junho foi composto por um déficit de R$ 12,212 bilhões do governo central (Tesouro, Banco Central e INSS). Já os governos regionais (Estados e municípios) influenciaram negativamente o resultado com R$ 55 milhões no mês. Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 87 milhões, os municípios tiveram resultado negativo de R$ 143 milhões. As empresas estatais registraram déficit primário de R$ 439 milhões.

A meta de déficit primário do setor público consolidado considerada pelo governo é de R$ 132,0 bilhões para 2019. No caso do governo central, a meta é um déficit de R$ 139,0 bilhões.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Gasto público

O setor público consolidado teve gasto de R$ 17,396 bilhões com juros em junho, após esta despesa ter atingido R$ 34,550 bilhões em maio, informou nesta segunda-feira, 29, o Banco Central.

O governo central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) teve no mês passado despesas na conta de juros de R$ 12,678 bilhões. Os governos regionais registraram gasto de R$ 4,048 bilhões e as empresas estatais, de R$ 669 milhões.

No primeiro semestre, o gasto com juros somou US$ 181,112 bilhões, o que representa 5,18% do PIB.

Em 12 meses até junho, as despesas com juros atingiram R$ 357,320 bilhões (5,11% do PIB).

Déficit nominal

O setor público consolidado registrou um déficit nominal de R$ 30,102 bilhões em junho. Em maio, o resultado nominal havia sido deficitário em R$ 47,558 bilhões e, em junho de 2018, deficitário em R$ 57,941 bilhões.

No mês passado, o governo central registrou déficit nominal de R$ 24,891 bilhões. Os governos regionais tiveram saldo negativo de R$ 4,103 bilhões, enquanto as empresas estatais registraram déficit nominal de R$ 1,108 bilhão.

No primeiro semestre, o déficit nominal somou R$ 186,852 bilhões, o que equivale a 5,35% do PIB.

Em 12 meses até junho, há déficit nominal de R$ 456,894 bilhões, ou 6,54% do PIB.

Dívida bruta

A Dívida Bruta do Governo Geral fechou junho aos R$ 5,499 trilhões, o que representa 78,7% do Produto Interno Bruto (PIB). O porcentual é igual ao verificado em maio. No melhor momento da série, em dezembro de 2013, a dívida bruta chegou a 51,5% do PIB.

A Dívida Bruta do Governo Geral - que abrange o governo federal, os governos estaduais e municipais, excluindo o Banco Central e as empresas estatais - é uma das principais referências para avaliação, por parte das agências globais de rating, da capacidade de solvência do País. Na prática, quanto maior a dívida, maior o risco de calote por parte do Brasil.

O BC informou ainda que a Dívida Líquida do Setor Público (DLSP) passou de 54,7% para 55,2% do PIB em junho de 2019. A DLSP atingiu R$ 3,860 trilhões.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

clima tenso

Europeus se dividem sobre risco ao Mercosul

Decisão do presidente francês, Emmanuel Macron, de obstruir um acordo comercial entre a União Europeia e o grupo Mercosul divide opiniões entre líderes mundiais

no g7

Acordo comercial com os EUA não será fácil, diz primeiro-ministro britânico

Boris Johnson citou carnes bovina e de cordeiro, travesseiros e fitas métricas como alguns dos produtos britânicos que têm entrada dificultada nos mercados dos EUA

um unicórnio entre os jovens

Tiktok: o app que faz sucesso entre a geração Z e fez da sua dona a startup mais valiosa do mundo

ByteDance é considerada a startup com o maior valor de mercado do mundo – são US$ 75 bilhões; estratégia se divide em diversas frentes, incluindo um app que ganha cada vez mais força entre jovens nascidos em meados dos anos 90 para cá

guerra comercial não para

Trump ameaça usar autoridade de emergência contra a China

Anúncio chinês de elevar as tarifas sobre US$ 75 bilhões em importações norte-americanas deixou o presidente dos EUA enfurecido

analisando a conjuntura

Recuperação esperada da economia global não aconteceu, diz presidente do Banco da Inglaterra

Mark Carney falou logo depois que o presidente Trump anunciou que estava endurecendo as tarifas sobre as importações chinesas

vem mais mudanças por aí?

Equipe econômica estuda atrelar remuneração da poupança à inflação

Após criar crédito imobiliário corrigido pelo IPCA, governo quer dissociar a rentabilidade da caderneta da Selic, para que a poupança acompanhe os indicadores usados nos empréstimos para a compra da casa própria

bombou na semana

MAIS LIDAS: Loucura, loucura, loucura!

De todos os programas criados pelos governos petistas, um dos mais polêmicos sem dúvida é o Bolsa Empresário, como ficou conhecida a política de financiamentos do BNDES a grandes empresas com juros bem camaradas. A estimativa é que os subsídios, ou seja, os recursos públicos usados para tornar esses empréstimos mais baratos, superaram os de […]

dinheiro na conta

Zuckerberg vende US$ 296 milhões em ações do Facebook em um mês

Desde abril, o CEO do Facebook não disponibilizava os papéis que detinha ao mercado; no ano, o bilionário vendeu 2,9 milhões de ações

olhos lá na frente

SulAmérica vende operações à Allianz por R$ 3 bi e ganha fôlego para crescer

Investimento é o maior já feito pela seguradora no Brasil e a coloca no patamar mais alto do que já teve

acusação de jornal

Amazon vende milhares de produtos irregulares nos EUA

Wall Street Journal diz que identificou na loja online brinquedos e medicamentos que eram vendidos sem os devidos avisos sobre os riscos de saúde a crianças

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements