Menu
2019-08-15T20:47:15+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Dívida

Conselho da Caixa autoriza pagamento de R$ 7,35 bilhões do IHCD

IHCDs foram usados pelo governo da presidente Dilma Rousseff para elevar o volume de recursos em instituições públicas

15 de agosto de 2019
20:47
Pedro Guimaraes, presidente da Caixa Econômica Federal
Presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães - Imagem: Clauber Cleber Caetano/PR

O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, informou que recebeu autorização do conselho do banco para pagar ao Tesouro mais R$ 7,35 bilhões referentes à dívida com Instrumentos Híbridos de Capital e Dívida (IHCD). Com os outros R$ 3 bilhões já pagos em junho, a Caixa completa agora um total de R$ 10,35 bilhões quitados. Isso corresponde a 25% dos R$ 40 bilhões devidos pelo banco.

Os IHCD foram usados pelo governo da presidente Dilma Rousseff para elevar o volume de recursos em instituições públicas. Até o fim do ano, conforme Guimarães, a Caixa planeja pagar mais R$ 10 bilhões.

"Já pagamos R$ 3 bilhões e agora vamos pagar R$ 7,35 bilhões. Estamos completando 25% de pagamento dos R$ 40 bilhões de IHCD", resumiu Guimarães, em coletiva de imprensa. Segundo ele, no próximo balanço o banco pretende fazer um detalhamento dos custos destas linhas para a Caixa.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

"O IHCD custa 20% ao ano, com o lucro atual da Caixa. Se o lucro continuar a subir, o custo pode ser mais que isso. Quanto maior o lucro, maior o custo da linha", afirmou Guimarães. "Se o lucro continuar a subir, o custo do IHCD pode ser maior."

De acordo com Guimarães, é importante para a Caixa promover o pagamento desta dívida, porque isso gerará economia "sensível" nas despesas. "O pagamento de R$ 10,35 bilhões de IHCD reduz em R$ 2 bilhões por ano o custo", afirmou. "Estamos despedalando, estamos pagando dívidas caras, de mais de três vezes a Selic (a taxa básica de juros)." Atualmente, a Selic está em 6,00% ao ano.

O presidente da Caixa pontuou ainda que a instituição conseguirá pagar os R$ 7,35 bilhões de agora "sem nenhum evento de liquidez no balanço, sem a venda (de ações) da Petrobras", afirmou. A venda dos papéis da Petrobras pela Caixa movimentou R$ 7 bilhões. O lucro da venda, no entanto, ainda não foi divulgado. "Por que um banco tem que ter ação de uma empresa de petróleo dentro do patrimônio?", comentou Guimarães. "Ao vender ações da Petrobras, tivemos impacto positivo em resultado e governança", acrescentou, afirmando que o próprio Banco Central vinha aconselhando a venda.

De acordo com Guimarães, a Caixa está pagando os instrumentos híbridos por meio de seu resultado, que "tem sido forte". "O receio no passado é que tivéssemos problema de solvência, mas não há isso", disse. "O índice de Basileia da Caixa está ao redor de 20%."

Guimarães afirmou ainda que o momento do pagamento de outros R$ 10 bilhões até o fim do ano dependerá de negociações feitas atualmente pela Caixa. "Se conseguíssemos os R$ 10 bilhões imediatamente, seria o ideal. Mas depende de renegociação na parte de seguros e cartões. Temos ainda a (venda de ações da) Petrobras", pontuou. Segundo ele, porém, ainda que não ocorram receitas não recorrentes, até 31 de dezembro o banco pagará os R$ 10 bilhões de IHCD.

"Não precisamos de resultado extraordinário para pagar o IHCD. O foco da Caixa é claro: temos total tranquilidade para pagar", disse o presidente. Sobre os demais R$ 20 bilhões que ainda restarão após 2019, Guimarães pontuou que eles têm um custo menor que os instrumentos pagos este ano.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Luz no fim do túnel?

Trump: ‘estamos indo muito bem com a China, e conversando’

Membros da equipe econômica norte-americana afirmam que negociadores das duas maiores economias do mundo irão conversar na próxima semana

Tem que adiar isso daí

Vitorioso nas prévias eleitorais argentinas, Fernández defende renegociação de acordo com o FMI

Alberto Fernández afirmou que o acordo para o pagamento de dívidas junto ao Fundo Monetário Internacional é “impossível de cumprir”

Opinião polêmica

Senadora Simone Tebet: ‘Bolsonaro ainda não vestiu o terno de presidente’

Referindo-se ao presidente, senadora do MDB afirmou “jamais imaginei que pudéssemos chegar onde chegamos”

Na hora de prestar contas

Presidente do Senado briga na Justiça para manter sigilo de gastos parlamentares

Destinadas a cobrir despesas relativas ao exercício do mandato, as cotas variam entre R$ 30 mil e R$ 45 mil, a depender do Estado do congressista

Nem tão hermanos assim

Bolsonaro volta a falar sobre Argentina e diz que país está cada vez mais próximo da Venezuela

Presidente usou sua conta no Twitter para fazer novos comentários sobre o processo sucessório na Argentina

Seu Dinheiro no domingo

Liberais não fazem pacotes

Dentro de mais alguns dias conheceremos o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre. O resultado será magro e há quem fale em recessão técnica. Na sequência veremos uma nova onda de críticas e demandas na linha: “o governo tem quem fazer alguma coisa! Tem que impulsionar a demanda! Esse BC está errado!”. Sinto desapontar […]

Trilhando caminhos

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos sobre ser um novo empresário

Executivos falam sobre os comportamentos que um jovem ingressante numa grande empresa deve ter para trilhar um caminho profissional de sucesso

Crise partidária

Pedro Simon, ex-governador do RS: ‘existe o risco de o MDB desaparecer’

Em entrevista ao Estadão, o filiado ao MDB desde 1965 diz que seu partido precisa fazer uma “profunda reflexão”

Barrado na embaixada?

Consultoria do Senado diz que indicação de Eduardo Bolsonaro configura nepotismo e senadores se articulam para rejeitar seu nome

Parecer foi embasado no entendimento da Súmula Vinculante nº 13, do Supremo Tribunal Federal, que trata sobre nepotismo

Analisando a situação dos hermanos

Crise Argentina, feitiço do tempo

Os grandes desafios econômicos de Maurício Macri também parecem reimpressões de velhos e bem conhecidos problemas argentinos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements