Menu
2019-12-04T09:33:05-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
uma fatia maior

Congresso deve dobrar o valor do fundo eleitoral proposto pelo governo

O valor é R$ 1,8 bilhões superior à proposta encaminhada pelo governo, que foi de R$ 2 bilhões.

4 de dezembro de 2019
9:31 - atualizado às 9:33
deputados
Plenário da Câmara dos Deputados. - Imagem: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

O Congresso deve dobrar o valor do fundo eleitoral proposto pelo governo de Jair Bolsonaro. O relator do projeto de Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2020, deputado Domingos Neto (PSD-CE), finalizou a proposta nesta terça-feira, 3) e destinou R$ 3,8 bilhões de recursos públicos para gastos em campanhas eleitorais no ano que vem.

O valor é R$ 1,8 bilhões superior à proposta encaminhada pelo governo, que foi de R$ 2 bilhões.

O aumento de aproximadamente 120% do montante desembolsado nas eleições do ano passado, quando os partidos receberam R$ 1,7 bilhão da União, foi objeto de acordo entre quase todos os partidos da Câmara dos Deputados.

Apenas Cidadania, Novo, Rede, Podemos e PSOL se posicionaram contra o aumento. Reservadamente, líderes partidários afirmaram ao jornal O Estado de S. Paulo que a proposta do governo era inviável.

O fundo eleitoral é alimentado com dinheiro do Tesouro e se destina ao financiamento das campanhas dos candidatos. Foi criado em 2017 para compensar as perdas impostas por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que dois anos antes, em 2015, proibiu doações de pessoas jurídicas.

A distribuição da verba para candidatos fica a critério das cúpulas partidárias, que, em geral, privilegiam políticos com mandato. Existe, ainda, o Fundo Partidário, que banca atividades do dia a dia das legendas.

O projeto que está sendo discutido agora ainda depende da aprovação dos parlamentares, mas a maioria dos líderes atua para que a quantia destinada ao fundo eleitoral seja a proposta por Domingos Neto.

Como mostrou o jornal, o presidente do PSD, Gilberto Kassab, secretário licenciado da Casa Civil no governo de João Doria (PSDB), e o deputado Paulinho da Força (SP), que comanda o Solidariedade, lideram essa articulação.

O valor final do fundo ainda precisa ser votado pela Comissão Mista de Orçamento e pelo Congresso. O relator afirmou que os recursos extras virão da receita adicional aprovada pelos parlamentares, de R$ 7 bilhões, com base no pagamento de dividendos das empresas estatais. Domingos Neto assegurou que nenhum recurso da saúde ou educação será transferido para essa finalidade.

Guedes

Desde o início das negociações do Orçamento, a equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, era contra elevar a verba para o financiamento público das campanhas eleitorais. Antes mesmo de o Palácio do Planalto encaminhar o primeiro esboço do Orçamento, Guedes chegou a dizer a líderes que, por ele, só haveria a correção inflacionária em cima do valor pago na última eleição.

A vontade do ministro da Economia ficou no caminho e já na primeira proposta o governo apresentou nova cifra, aumentando o fundo para R$ 2,5 bilhões, com o objetivo de alimentar as campanhas eleitorais do ano que vem.

O valor, porém, caiu para R$ 2 bilhões após ser constatado erro no cálculo inicial feito pelo Ministério da Economia. Na ocasião, o partido Novo já havia apontado a falha.

Em setembro, durante a minirreforma eleitoral, o Congresso acabou com a vinculação obrigatória dos 30% das emendas no cálculo, abrindo brecha para que deputados e senadores aumentassem a quantia destinada a campanhas sem um critério definido. Este trecho da minirreforma foi vetado pelo presidente Bolsonaro, mas acabou sendo derrubado pelo Congresso na semana passada.

O líder do Novo, Marcel Van Hattem (RS), anunciou que vai tentar reverter a decisão. "É uma imagem que se passa para a sociedade muito ruim, num momento em que a gente continua numa crise. Não só mantiveram aquilo que está previsto como praticamente dobraram. Vamos tentar emendar e denunciar isso", afirmou Van Hattem.

Desde que o Supremo proibiu que empresas bancassem campanhas, os líderes partidários aumentam sistematicamente o montante de recursos públicos destinados a elas. Na época, a Corte entendeu que a doação empresarial violava princípios democráticos da igualdade de forças na disputa eleitoral, representando captura do processo político pelo poder econômico.

Propaganda

Na sessão desta terça, o Congresso manteve o veto de Bolsonaro ao trecho da minirreforma eleitoral aprovada neste ano que recria a propaganda partidária em rádio e TV. Somente em 2018, o tempo reservado a essas aparições dos candidatos custou aos cofres públicos R$ 1 bilhão. Em quatro anos, o ciclo de eleições provocou uma perda de arrecadação da ordem de R$ 2,216 bilhões, segundo dados da Receita Federal divulgados à época.

O Congresso ainda precisa analisar os vetos de Bolsonaro a outros trechos da minirreforma eleitoral, como o artigo que permite uso de dinheiro público para pagamento de despesas dos partidos e a possibilidade de pagamento de multas eleitorais com recursos públicos do Fundo Partidário.

*Com informações do jornal O Estado de S. Paulo e Estadão Conteúdo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Credit Suisse recomenda compra de ação do BMG após queda de 28% desde IPO

Os analistas do banco suíço – que foi um dos bancos coordenadores do IPO – iniciaram a cobertura das ações do BMG com preço-alvo de R$ 12,50, o que representa um potencial de alta de 50%

de olho no dólar

Fundo Verde vê medo do câmbio como infundado, mas zera posição vendida em dólar

Em novembro o fundo teve um retorno zerado e abaixo do CDI, que teve um desempenho de 0,38%. No acumulado do ano o Verde ainda tem um desempenho de 11,19%, acima dos 5,57% do índice de referência

Mercados hoje

Ibovespa tem leve alta e dá continuidade ao rali dos últimos dias; dólar fica estável

O Ibovespa abriu o pregão desta segunda-feira em alta, dando continuidade aos ganhos da semana passada. O dólar à vista oscila perto do zero a zero, com um leve viés negativo.

hora do planejamento

Após reforma da Previdência, brasileiro revê hábitos de poupança

Pesquisa encomendada pelo C6 Bank ao Ibope Inteligência mostra que 33% das pessoas com acesso à internet afirmam ter mudado seus hábitos de poupança

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta segunda-feira

As taxas do Tesouro Direto abriram em alta nesta sexta-feira (6). O Tesouro IPCA+ 2024 (NTN-B Principal) é negociado com taxa de 2,26% ao ano mais IPCA, por um valor mínimo de R$ 58,64. O Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2050 (NTN-B) é negociado com taxa de 3,51% ao ano mais IPCA e aplicação mínima […]

na expectativa

Mercado eleva estimativa para inflação e PIB em 2019

Boletim Focus prevê IPCA a 3,84% neste ano – a projeção da semana passada era de 3,52%; PIB foi revisto para de 0,99% para 1,10%

Só daqui 60 dias

Congresso prorroga vigência de MP que institui 13º para bolsa família

MPs têm validade já desde a edição pelo governo federal, mas precisam ser aprovadas pelo Congresso Nacional para terem a vigência confirmada, ou perdem efeito

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

No radar: Gol tenta de novo recomprar o Smiles, mercados e IPO da XP

A Gol anunciou hoje cedo mais uma oferta para recomprar as ações dos minoritários da Smiles. Hoje trago também notícias sobre novas ofertas de ações e 3 formas de investir no IPO da XP. O que você precisa saber hoje: Mercados • O Ibovespa subiu 2,69% na semana passada e fechou em 111.125,75 pontos, uma nova máxima. […]

mudança na casa

Gol faz nova tentativa de incorporar a Smiles

Empresa afirma que não vai negociar com a administração da controlada, nem submeter a proposta ao conselho independente da companhia

guerra comercial

China busca resultado ‘satisfatório’ em negociações comerciais com EUA

Na coletiva de hoje, outra autoridade do Ministério de Comércio chinês, Li Xingqian, disse que Pequim vai continuar reduzindo tarifas sobre produtos externos para impulsionar suas importações

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements