Menu
2019-11-14T15:15:13-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

Comprados e vendidos disputam dólar a R$ 4,20 de olho no BC

Depois de um breve ajuste de baixa, dólar voltou a subir e já testou os R$ 4,20 no mercado futuro. Grande pergunta continua sendo se o Banco Central (BC) atuará ou não

14 de novembro de 2019
11:58 - atualizado às 15:15
Boxe-Lutadores-Corner
Imagem: Shutterstock

Comprados e vendidos estão, novamente, em uma acirrada disputa no mercado de dólar. A linha a ser observada nessa batalha é a barreira técnica e psicológica de R$ 4,20, que marca a máxima histórica nominal do mercado de câmbio.

Nesta quinta-feira, tivemos um ajuste de baixa na abertura no mercado à vista, algo não surpreendente tendo em vista que houve um descolamento como mercado futuro no pregão de ontem, provocado, vejam só, por anúncio do Banco Central do Chile.

Depois de ver o peso fazer mínimas históricas, o BC chileno anunciou atuação no mercado, no volume de US$ 4 bilhões em operações de swap. Quem reagiu prontamente foi o dólar futuro no mercado brasileiro, que reduziu bruscamente o ritmo de alta.

Por aqui, como já dissemos, segue a expectativa com relação ao que o nosso Banco Central (BC) poderá fazer caso essa linha de R$ 4,20 seja rompida para cima. No mercado futuro, no começo da tarde, a cotação bateu R$ 4,203. No mercado à vista, a máxima do dia foi renovada em R$ 4,1988. Por volta das 15h10, o dólar comercial subia 0,22%, a R$ 4,1947 (veja nossa cobertura de mercados).

Já dissemos, mas não custa reforçar, que o BC não atua para defender linha de preço ou tentar mudar a tendência do mercado. O BC entra no câmbio quando detecta movimentos de falta de liquidez ou variações muito dispares de moedas semelhantes ao real.

No entanto, no mercado, a linha é de R$ 4,20 é o que determina compras e vendas e a eventual atuação do BC é que ditará o alívio do vendido ou tristeza do comprado.

Aqui temos uma assimetria de percepção, por assim dizer. Se o BC atua no R$ 4,20, como fez em agosto, cria uma "quase certeza" no vendido, que ele sempre será "salvo". Se não atua, corre o risco de ver uma arrancada na cotação, com vendidos cobrindo posição e comprados dobrando a aposta.

Olhando além do famoso “bate carteira” do dia a dia, temos que o conjunto de vetores que influi na formação de preço é desfavorável ao real. A liquidez em dólar no mercado local está escassa e não é de hoje.

Já mostramos que o fluxo cambial, em 12 meses, capta a maior saída de dólares do país desde que abandonamos o regime de bandas cambiais em 1999, coisa na casa dos US$ 40 bilhões. Boa parte da saída reflete a troca de dívida externa por interna de empresas, entre elas a Petrobras.

Há também o quase fim das operações de arbitragem de juros com real, reflexo da queda da Selic e no estreitamento entre juros locais e externos.

Mais recentemente, no lado das expectativas, tivemos uma perspectiva de ingresso de dólares frustrada com o leilão do pré-sal, o que obrigou boa parte dos agentes a rever posicionamentos. Junto disso, tivemos agravamento de problemas políticos na região, notadamente no Chile (e vimos com isso pesa na cotação) e Bolívia.

Além disso, estamos entrando em um período sazonalmente negativo em termos de fluxo. Empresas e investidores fecham balanços e elevam as remessas para fora do país. Junto disso, a balança comercial, que já não está nada vibrante, também tem desempenho mais fraco nesse período do ano (sazonalidade de safras).

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Sorriso amarelo

Veneno numa mão, antídoto na outra: a estratégia da Gol para incorporar o Smiles

A nova proposta da Gol para a incorporação do Smiles é atrativa para os atuais acionistas da companhia de fidelidade, mas deixa clara a turbulência na relação entre as empresas

a conta do benefício

Gigantes do Vale Silício deixam de pagar US$ 100 bilhões em impostos em uma década

Seis das principais empresas do Vale do Silício têm se beneficiado de estruturas governamentais ainda não preparadas para lidar com os serviços oferecidos por elas. Amazon, Facebook, Google, Netflix, Apple e Microsoft — cujo valor de mercado somado é de R$ 4,5 trilhões — deixaram de pagar ao menos de US$ 100,2 bilhões em impostos […]

OLHO NAS COTAÇÕES

BTG Pactual eleva preço-alvo das ações de Lojas Americanas e B2W, após Investor Day

No caso das Lojas Americanas, a previsão de alta é de 54,2% em relação ao fechamento da última sexta-feira. Já no caso da B2W, a valorização seria de 20,5%

Vitreo zera taxa de performance de fundos para investir no IPO da XP

Com a decisão, a Vitreo se tornou, na minha opinião, a melhor forma de você investir nas ações da XP. Resta agora saber se a gestora conseguirá participar da oferta, que acontece na bolsa norte-americana Nasdaq

banco central americano

Ex-presidente do Fed, Paul Volcker morre aos 92 anos

Volcker foi presidente do Fed entre 1979 e 1987 e, antes disso, havia comandado o a distrital do Fed de Nova York

Credit Suisse recomenda compra de ação do BMG após queda de 28% desde IPO

Os analistas do banco suíço – que foi um dos bancos coordenadores do IPO – iniciaram a cobertura das ações do BMG com preço-alvo de R$ 12,50, o que representa um potencial de alta de 50%

de olho no dólar

Fundo Verde vê medo do câmbio como infundado, mas zera posição vendida em dólar

Em novembro o fundo teve um retorno zerado e abaixo do CDI, que teve um desempenho de 0,38%. No acumulado do ano o Verde ainda tem um desempenho de 11,19%, acima dos 5,57% do índice de referência

Mercados hoje

Ibovespa tem leve alta e dá continuidade ao rali dos últimos dias; dólar fica estável

O Ibovespa abriu o pregão desta segunda-feira em alta, dando continuidade aos ganhos da semana passada. O dólar à vista oscila perto do zero a zero, com um leve viés negativo.

hora do planejamento

Após reforma da Previdência, brasileiro revê hábitos de poupança

Pesquisa encomendada pelo C6 Bank ao Ibope Inteligência mostra que 33% das pessoas com acesso à internet afirmam ter mudado seus hábitos de poupança

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta segunda-feira

As taxas do Tesouro Direto abriram em alta nesta sexta-feira (6). O Tesouro IPCA+ 2024 (NTN-B Principal) é negociado com taxa de 2,26% ao ano mais IPCA, por um valor mínimo de R$ 58,64. O Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2050 (NTN-B) é negociado com taxa de 3,51% ao ano mais IPCA e aplicação mínima […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements