Menu
Angela Bittencourt
Blog da Angela
Angela Bittencourt
é jornalista e editora da Empiricus
2019-03-25T12:04:19+00:00
Blog da Angela

Como negociar com um capitão?

Não vejo com bons olhos a relação do presidente com o Congresso. E não vejo mesmo! Essa conversa de que ele não vai negociar NA-DA é conversa para boi dormir. O presidente pode não negociar, mas alguém vai e em seu nome… de outro jeito não vale.  

25 de março de 2019
11:54 - atualizado às 12:04
O presidente Jair Bolsonaro
O presidente Jair Bolsonaro - Imagem: Palácio do Planalto/Flickr

Quantos amigos você tem? Olha, eu não tenho muitos, e entre os poucos que tenho, um está quase abandonando o bote. A coisa foi assim, o Eduardo não me deu trégua na quinta-feira. O Edu é cheio de convicção. E não quis me ouvir. Apelei até para a minha idade, sabe? Naquela de inspirar algum respeito… eu posso ser mãe dele. Mas o Eduardo nem deu bola. Eu gosto dele, é um amigo, e me preocupa que se apresente (dia sim e no outro também) como “fiador" do presidente Bolsonaro. Ele se acha…

Não votei no Bolsonaro. Acho que o Edu não me perdoa por isso. Sei que é feio contar que anulei meu voto no ano passado. Mas lá, de frente para a urna, me pareceu melhor esperar o governo começar para, depois, escolher “um lado”.

Na quinta-feira (21), eu disse para o Edu que não vejo com bons olhos a relação do presidente com o Congresso. E não vejo mesmo! Essa conversa de que ele não vai negociar NA-DA é conversa para boi dormir. O presidente pode não negociar, mas alguém vai e em seu nome... de outro jeito não vale.

Só espero que não seja nenhum daqueles filhos dele. Uns trapalhões. Eu aprendi, nesta minha longa vida de jornalista, que Congresso é coisa para “profissa”. Coisa para ministro, secretário, gente descolada. Sabe como é...?

Falei para o Edu que a reforma da Previdência periga não resolver nada. Ele acha bem o contrário. Amarrou a cara. Disse que a reforma está “no papo”!

Meu amigo (quase ex) acredita no interesse dos políticos que, diz ele, precisam agradar à maioria e, por isso, cedem. Não fosse assim, diz o Edu, os políticos nem estariam eleitos. Concordo com ele nesse ponto.

Ainda que no fim das contas a reforma da Previdência tenha um final feliz, até lá o presidente vai ter trabalho. O Paulo Guedes, então, nem se fala.

Se o governo já está neste pé, imagine os investidores...

Eu estou de olho para ver o que os políticos querem mudar na reforma para que fique mais branda para os funcionários públicos e para os militares. Os investidores também estão de olho... E ficam de cabelo em pé, principalmente aqueles quem nem moram no Brasil.

Penso que entendo alguns investidores e alguns devem pensar como eu. Será que o Brasil só tem a fazer a reforma da Previdência? O resto vem por milagre? Não seria melhor o governo ir tocando outros assuntos fora do Congresso? Alguma coisa que traz emprego? Gente empregada come melhor, dorme melhor e pensa melhor. Dizer que gente empregada não faz bobagem é uma bobagem. Mas faz menos.

Há dez dias, o governo leiloou 12 terminais de aeroportos e foi um baita sucesso. Arrecadou 2,38 bilhões de reais, mas, de início, poderia ter arrecadado apenas 219 milhões. O interesse foi grande, principalmente, de empresas estrangeiras. Na sexta-feira (22), o governo fez outros leilões. Desta vez, de áreas para armazenagem de combustíveis em portos na Paraíba e no Espírito Santo e entrou mais uma grana. Foram 219 milhões de reais, quando o governo esperava menos, 199 milhões.

Esse negócio de privatização, desde que feito direitinho, com regras claras, é o melhor que o governo tem a fazer, até porque não fica dependendo do Congresso.

O presidente Bolsonaro vive dizendo, e até já disse lá fora, nos EUA, quando visitou o Trump, que a reforma da Previdência é para garantir a aposentadoria das “próximas gerações”. Não é bem assim. Não dá para levar tudo o que o presidente fala ao pé da letra. Ele é espontâneo e usa a força da expressão. Aquelas frases de impacto que faz todo mundo prestar atenção.

Quando a nova Previdência for aprovada, ela vai indicar que o Brasil estará nos trinques quando o futuro chegar. E todo mundo sabe, você com certeza, que um Brasil menos endividado e mais confiante no futuro vai animar o investidor a trazer mais dinheiro para cá e até a construir fábricas. Mas e até lá?

Pulga atrás da orelha

Juntar dinheiro não é fácil. Eu até exagero. Tenho medo de que o meu futuro seja muito maior do que o dinheiro que tenho juntado. Minhas amigas têm parentes com mais de 100 anos!

Na semana passada, o meu chefe (sabe o Felipe Miranda?) me deixou com a pulga atrás da orelha. Acho que você leu, porque ele é mais lido que eu, mas vou repetir. O Felipe disse que se os “fundamentos” são bons, alguns eventos políticos só fazem ruído. Então decidi falar com uns entendidos. Nem perguntei para o Felipe para ele não pensar que deu emprego para a pessoa errada. Eu!

Entendi que o meu chefe quis dizer que os investidores se salvam, apesar das brigalhadas, dos desentendimentos entre o presidente, os filhos dele, os políticos e os juízes. Não dá para esquecer desses porque também aprontam.

O Felipe pode ter razão, mas eu sou desconfiada...

Um dos gestores que consultei disse que “fundamentos e senso de oportunidade” são variáveis importantes para o retorno do investimento. E que atendem interesses diferentes. Parece verdade.

Para o investidor de longo prazo, os fundamentos são as informações que mais interessam, disse o gestor. Já para os investidores de curto prazo, senso de oportunidade é o mais importante.

No longo prazo, a estrutura de uma economia ou sua consistência pode ser vista em vários indicadores. No longo prazo, o que conta é ter a certeza que o Brasil vai para a frente.

No curto prazo, interessa a brigalhada envolvendo Rodrigo Maia (DEM-RJ), Sérgio Moro, o vereador Carlos Bolsonaro e até o presidente, que disse, com outras palavras, que a reforma da Previdência é um problema do Congresso.

Será? Ele venceu a eleição porque disse que iria botar a casa em ordem... E, você sabe, presidente que não tem voz no Congresso acaba devendo para o eleitor. Tem decisão que o presidente não toma sozinho, por maior que seja a vontade.

Agora, veja bem! Eu não disse que presidente da República deve “comprar” apoio no Congresso. O presidente, qualquer um, deve “conquistar” apoio porque o seu programa econômico é bom, etc. e tal. O resto é chororô.

Mas voltando ao ponto, na semana passada os ativos financeiros mudaram radicalmente de posição e as guinadas favorecem as aplicações de curto prazo. Tem gente que gosta, claro, ainda que correndo riscos.

E um desses riscos, até comum, sabe qual é?

É comprar um ativo pensando que será fácil passá-lo adiante (quando seu preço estiver mais elevado) e não conseguir fazer isso.

Aqueles investidores que perceberam, na semana passada, que o diz-que-diz no Twitter entre autoridades estava aumentando de volume poderiam ter comprado dólar mais barato para vender a 3,90 reais, como era cotada a moeda americana, na sexta. Nem precisava ter comprado muito antes. Quem, por exemplo, comprou o dólar cedinho e vendeu no fim do dia ganhou 2,6 por cento. Outra guinada, mas ao contrário, deu o Ibovespa. Na terça-feira (19), o índice bateu novo recorde, cotado a 100.439 pontos. Na sexta, porém, caiu mais de 3 por cento, para 93.735 pontos.

O segundo gestor com quem falei sobre ruídos políticos e fundamentos foi em outra linha. Interessante também.

Ele explicou que a política é muito importante e pode estar por trás de muito ganho ou perda nos mercados.

No caso do Brasil, a reforma da Previdência está no Congresso e o projeto do governo provocará divergências entre parlamentares até ser aprovado, o que não será tão rápido. E a disputa entre os que gostam das propostas do governo e aqueles que querem outras propostas podem interferir no preço do dólar, do Ibovespa e também na taxa de juros.

Até propina faz diferença

O gestor que falou comigo na sexta-feira deu um exemplo externo de ruídos políticos que afetam os mercados: a divergência entre o presidente americano, Donald Trump, e os congressistas por causa do muro que ele quer construir na fronteira com o México. Para construir o muro, o presidente precisa de dinheiro e o Congresso não quer dar. Essa novela dura meses, e quando Trump fala mais grosso o dólar sai do lugar. A Bolsa também, mas o dólar é batata porque, como todos sabem, o dólar é a moeda dos Estados Unidos.

A política também influencia a estabilidade ou a manutenção de regras em um país. Condições que os governos estabelecem para fechar negócios, assinar contratos, por exemplo, podem alterar preços de outros ativos além de dólar, Bolsa e juros. Esse é o caso das privatizações de patrimônio da União, de Estados e municípios e também das empresas estatais.

O Congresso pode não estar diretamente ligado às privatizações, mas, indiretamente, pode estar porque é lá que as leis são feitas ou modificadas e podem ser contestadas posteriormente e afetar os preços do que está sendo vendido. Pode até inviabilizar as operações.

A adoção, concessão e mesmo a retirada de benefícios fiscais são decisões em que os congressistas atuam e podem impactar o retorno financeiro de setores da economia e até de empresas individualmente.

E tem ainda a questão da propina que conhecemos porque já aconteceu no passado recente do Brasil. A propina, que pode ser paga direta ou indiretamente por quem deseja garantir algum benefício em contratos, públicos ou privados, tende a trazer vantagens para empresas ou setores.

O investidor precisa mesmo é ficar esperto, procurar estar bem-informado sobre o que acontece no país, na sua cidade, na empresa onde trabalha e, principalmente, saber muito bem que riscos pode estar correndo quando escolhe este ou aquele investimento.

É preciso ficar claro, tim-tim por tim-tim, que enquanto deputados e senadores aprendem a negociar com o capitão (e vice-versa), semanas como a passada, de muitos altos e baixos no mercado financeiro, poderão ser mais frequentes e perturbadoras. Podem até dar a impressão de que nada mudou no país. E mudou! A começar pelo Congresso.

O Congresso precisa mostrar sua cara. Muita gente nova foi eleita e muitos políticos antigos foram embora. Com a renovação que ocorreu na Câmara e no Senado, e a geração de políticos que está chegando às duas Casas, líderes agora desconhecidos vão surgir e, com eles, velhas práticas devem desaparecer. Não é do dia para a noite. E nada acontecerá se as novas forças em Brasília não pisarem na água...

Aprender a negociar com o capitão é um desafio e uma necessidade. E o capitão deve dar uma chance para que esse aprendizado prospere. O capitão deve lutar? Claro que deve, mas talvez tenha primeiro que recuar para, então, avançar.

Nesta segunda-feira, os mercados voltarão toda sua atenção à Brasília para conferir o restabelecimento (ou não) de alguma harmonia entre os poderes Executivo e Legislativo. É improvável que a arrancada do dólar e a forte queda do Ibovespa, na sexta, sejam revertidas em uma sessão, inclusive, porque a semana reserva eventos importantes para a formação de preços dos ativos financeiros. Hoje, o Ibovespa Futuro abriu em queda de 1,6 por cento e, às 9h21, a baixa estava reduzida a 0,8 por centro com o índice aos 92.855 pontos.Nesta semana, o ministro da Economia, Paulo Guedes, comparece duas vezes ao Congresso. Na terça falará na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara e, na quarta, será o centro da reunião conjunta da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) e Comissão de Direitos Humanos (CDH).

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Roupa nova

Banco Inter dará início às negociações com units na bolsa na sexta-feira

Os certificados de ações terão o código BIDI11 e representam duas ações preferenciais (PN) e uma ordinária (ON) do Banco Inter, que também vai aderir ao Nível 2 de governança da bolsa e estuda captar R$ 1 bilhão em uma oferta de ações

Vai uma carona aí?

Uber completa cinco anos de Brasil com 2,6 bilhões de viagens

Se você acha que anda muito de Uber, olha só isso: o usuário que mais usou o Uber no Brasil nesses últimos cinco anos fez mais de 5 mil viagens pelo app, o que corresponde a cerca de 3 viagens de Uber por dia. Haja boleto!

De olho na Venezuela

Bolsonaro: “É importante buscar solução para Venezuela, até Evo se posicionou

Segundo o presidente, não ficou surpreso com o posicionamento de Morales, uma vez que o chefe de Estado boliviano já havia dados sinais positivos quando decidiu prender o italiano Cesare Battisti

Ainda sobre Eduardo

Para Mourão, indicação de Eduardo para embaixada nos EUA está dentro do padrão

“Dentro das regras da escolha para quem não é da carreira diplomática, ele está dentro do padrão. É uma decisão do presidente. Decisão a gente não discute”, disse.

Fracasso de crítica

A base de assinantes da Netflix cresceu menos que o esperado — e o mercado reagiu mal

Os resultados trimestrais da Netflix decepcionaram o mercado, em especial os números de expansão de novos usuários. Como resultado, as ações despencaram no after market de Nova York

Seu Dinheiro na sua noite

Posto Ipiranga entre o FGTS e a reforma

As histórias que mexeram com o Seu Dinheiro hoje

Há limite para o Magalu?

Ações do Magazine Luiza já subiram mais de 30% neste ano. Para o Bradesco BBI, há espaço para mais

Apesar dos ganhos expressivos dos papéis do Magazine Luiza nos últimos anos, o Bradesco BBI acredita que os papéis ainda podem subir mais, uma vez que a empresa possui boas perspectivas para surfar a nova onda do e-commerce

opinião de peso

FMI: Brasil deve atuar com limitada intervenção no câmbio ante volatilidade

Na avaliação do Fundo, as autoridades brasileiras devem manter “fortes amortecedores” para o caso de eventos globais desestabilizadores

mais do que peso real

Argentina estudará mudanças para criação de moeda única do Mercosul, diz ministro

Diferentemente do que Guedes havia sinalizado, Dujovne apontou para a criação de uma moeda única para todo o Mercosul

saldo

Fluxo cambial total em julho até dia 12 é negativo em US$ 1,227 bi

Canal financeiro apresentou saídas líquidas de US$ 188 milhões no período, resultado de aportes no valor de US$ 20,941 bilhões e de retiradas no total de US$ 21,130 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements