Menu
Ivan Sant’Anna
Seu Mentor de Investimentos
Ivan Sant’Anna
É trader no mercado financeiro e autor da Inversa
Seu Mentor de Investimentos

Começou o terceiro turno

Com os sinais conflitantes de Bolsonaro e sua equipe, é necessário pensar no período entre a eleição e a posse, no qual são definidos os principais nomes do governo, suas ideias e linhas de atuação

17 de outubro de 2018
14:08 - atualizado às 14:20
Jair Bolsonaro - Imagem: Wilton Júnior/Estadão Conteúdo

Com a eleição de Jair Bolsonaro já garantida e precificada nos mercados de ações e de dólar, acho bom o caro amigo leitor começar a pensar no terceiro turno. Refiro-me ao período entre a eleição e a posse, no qual são definidos os principais nomes do governo, suas ideias e linhas de atuação.

É lógico que fatores externos poderão influenciar as bolsas e o câmbio no Brasil, mas sobre esses fundamentos Bolsonaro e seus assessores não têm a menor ingerência.

Muitas coisas poderão agradar os eleitores do capitão, tal como a revogação do estatuto do desarmamento, mas terão pouca ou nenhuma influência nos mercados.

O que traders e investidores em geral querem saber é como será tratado o déficit público, qual será a política de privatizações, como e em que dimensão a máquina governamental será enxugada, qual será a política externa, que mudanças tributárias irão ocorrer, como atuará o Banco Central, enfim, aquilo que impactará o mercado de ações.

Desde que se tornou um fenômeno eleitoral, Jair Bolsonaro e seus principais assessores enviaram sinais conflitantes ao mercado. Paulo Guedes, que parece ser o indicado para ocupar o ministério da Economia (reunindo Fazenda e Planejamento), já declarou que gostaria de privatizar a Petrobras, a Caixa Econômica Federal, o Banco do Brasil e a Eletrobras.

Bolsonaro descartou a ideia, dizendo que setores estratégicos continuarão sendo estatais. Disse que vai privatizar as empresas inúteis criadas pelos petistas para abrigar petistas. Isso é quase uma obrigação. Só que tem mais efeito psicológico do que prático.

No exterior

Outra definição importante será o relacionamento do Brasil com a China. Até agora, o capitão vem se mostrando pró-Estados Unidos e antichinês.

Uma de suas frases preferidas é que a China compre “no Brasil” mas não “o Brasil”. Essa declaração é meio ingênua. Querer exportar para a China todo mundo quis. E por todo mundo estou me referindo a Michel Temer, Dilma Rousseff, Lula, Fernando Henrique, José Sarney e os militares.

Os chineses, ávidos por investir mundo afora, deveriam ser bem-vindos se quiserem construir portos, hidrovias, hidrelétricas, ferrovias, rodovias, obras de saneamento, etc. É o que estão fazendo na Ásia, por exemplo.

Entre as economias que mais crescem no mundo estão as do Vietnã, Camboja, Mianmar e Laos, todas acima de 6% ao ano. Com investimento chinês.

É até meio infantil da minha parte mencionar isso, mas a China jamais poderá pôr nas costas uma ferrovia ou porto que construiu no Brasil e levá-lo embora.

Erro afobado

Foi um erro de Jair Bolsonaro dizer afobadamente, sem consultar os especialistas do Itamaraty, que irá mudar a embaixada brasileira em Israel de Tel Aviv para Jerusalém.

Os únicos países que fizeram isso até agora foram os Estados Unidos e a Guatemala. Deve ter alguma razão prática para que a União Europeia e a Grã-Bretanha, por exemplo, não tenham acompanhado os americanos.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Dia 17

Buona Sera, Queiroz

Presidente dá entrevista à emissora italiana e STF entra no caso Queiroz

Governo brasileiro no Fórum Econômico Mundial

O que dirá Paulo Guedes em Davos?

Ideia é atualizar as perspectivas com relação ao futuro do Brasil, transmitindo a imagem de uma democracia vibrante e que funciona bem

Estatal vai recorrer

Petrobras tem revés no Carf e pode pagar até R$ 1,5 bilhão em processo

Petroleira informou que aguarda a intimação oficial na via administrativa e que pretende recorrer da decisão

Meios de pagamento

Em negócio bilionário de fintechs, Fiserv compra First Data por US$ 22 bilhões

A união fortalece as companhias na disputa contra os novos competidores nesse mercado. First Data é dona da marca Bin de maquininhas de cartão no Brasil

Longo prazo

Enel vende por R$ 2,9 bilhões usinas renováveis à CGNEI, da China

Valor total da transação entre as companhias foi US$ 700 milhões (cerca de R$ 2,9 bilhões); as três usinas possuem contratos de venda de energia de longo prazo (PPAs) em vigor

Ex-motorista de Flávio Bolsonaro

STF suspende investigação sobre movimentações financeiras de Queiroz

Ex-motorista do senador eleito, Queiroz é investigado por transações atípicas

câmbio

O que o mercado futuro nos diz sobre o dólar?

Cotação da moeda americana, que fez mínimas a R$ 3,68 na semana passada, volta a mirar os R$ 3,80

Passo a passo

10 regras de bolso para quem quer investir sem ter trabalho

Não quer se tornar um ás dos investimentos? Tem preguiça? Não tem tempo para se dedicar? Seus problemas acabaram! Siga essas dicas para investir no modo “easy”

Vídeo

Desaceleração da China: por que o que acontece do outro lado do mundo importa para o investidor

Por que as bolsas ao redor do mundo são afetadas pelas perspectivas para a economia chinesa? E como os investimentos dos brasileiros são afetados pelo que acontece no gigante asiático? Entenda por que você também deveria ficar sempre de olho na China

Exile on Wall Street

Cinco passos para a real educação financeira

O mercado financeiro pertence aos praticantes: as pessoas aprendem e se educam a partir da prática; o conhecimento precisa emanar da prática para a teoria. E não o contrário.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu