Menu
2019-01-17T20:11:52+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Novo Governo

No início do governo, Bolsonaro é bem avaliado por 40% da população

Pesquisa XP Ipespe também mostra que 63% esperam que o novo presidente faça um mandato ótimo ou bom. Prioridade deve ser segurança pública

17 de janeiro de 2019
10:54 - atualizado às 20:11
Jair Bolsonaro Itamaraty 16 01 19
Presidente Jair Bolsonaro discursa em almoço oferecido ao presidente da Argentina, Mauricio Macri. - Imagem: Alan Santos/PR

Nova rodada da pesquisa XP Ipespe mostra que 40% da população avalia o governo Jair Bolsonaro como ótimo ou bom nos seus primeiros dias. Para 29%, esse início de gestão é regular, 20% avaliam como ruim ou péssimo e 11% não souberam opinar.

Foram realizadas 1.000 entrevistas telefônicas entre os dias 9 e 11 de janeiro. A abrangência é nacional e a margem de erro é de 3,2 pontos percentuais.

Segundo o relatório da pesquisa, essa aprovação de 40% reforça a existência de um período de lua de mel do novo presidente com a população. Tratamos desse tema ao falar dos desafios dos 100 primeiros dias, métrica de avaliação de governo que tem razões históricas e práticas.

Já a expectativa positiva com relação ao governo segue aumentando, com 63% esperando um mandando ótimo ou bom, contra 59% em dezembro e 57% em novembro. A expectativa negativa caiu de 20% no fim do ano passado para 15% agora.

Para a maior parcela dos entrevistados (58%), Bolsonaro deveria eleger a área de segurança pública como foco das primeiras medidas de seu governo. Na sequência estão as reformas econômicas, com 33% e, por último, questões relativas a valores e costumes, com 5%.

O primeiro ato do governo se confirmou nesta semana e, de certa forma, conversa com a questão de segurança. Bolsonaro cumpriu promessa de campanha e fez uma flexibilização na posse de armas de fogo e disse que isso seria apenas o começo.

Na área econômica seguem as discussões sobre a reforma da Previdência, mas o texto deve ser conhecido apenas em fevereiro ou, na melhor das hipóteses, após o presidente voltar do Fórum Econômico Mundial de Davos (Suíça), onde ele se apresenta à comunidade financeira internacional.

Já o item mais importante para avaliar o andamento da economia, segundo 55%, é a taxa de desemprego. Um dos indicadores que mais demora a reagir às alterações no cenário macroeconômico e mostra o desafio do governo em manter avaliações e expectativas positivas em alta. Para 18%, o item mais relevante é a inflação, seguido de situação financeira da família (14%). O comportamento da bolsa é um bom indicador para apenas 9%.

Congresso

A pesquisa também capta uma variação significativa na avaliação da população sobre o Congresso Nacional, que toma posse em fevereiro. A visão ainda é predominantemente negativa, com 37% de ruim e péssimo, 34% de regular e apenas 17% de ótimo e bom. Mas em dezembro, 63% dos entrevistados viam o Legislativo de forma negativa.

Para tentar resolver os problemas do país, 79% da amostra acredita que Bolsonaro deve dialogar e dividir as decisões com o Congresso. Apenas 16% avaliam que o melhor caminho é concentrar a tomada de decisões.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Personalidades

Os entrevistados também foram convidados a dar notas para 11 personalidades políticas. O ministro da Justiça, Sergio Moro, teve a melhor média, com 7,3, ficando na frente de Bolsonaro, com 6,7%. A pior nota foi do presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), com 3,8%.

Caso Coaf

A sondagem também trouxe uma pergunta para medir o conhecimento dos entrevistados sobre o caso envolvendo Flávio Bolsonaro, filho do presidente, e movimentações financeiras suspeitas de seu motorista, Fabrício Queiroz, captadas pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

Para 63% dos entrevistados que tomaram conhecimento, o evento não alterou a opinião sobre o presidente. Para 14%, o caso teve impacto na avaliação sobre o presidente e 21% não tomaram conhecimento.

A culpa é de quem?

Questionados sobre quem seria o maior responsável pela situação econômica atual, 34% apontam o governo Lula, 21% o governo Dilma, 16% o governo Temer, 11% fatores externos e 3% o governo Bolsonaro. Os dados são interessantes, pois transmitem a ideia de uma consciência sobre “causas e consequências” de más decisões de política econômica.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Vem que vem!

Banco N26, o “Nubank alemão”, levanta mais US$ 170 mi e diz que o seu próximo destino pode ser o Brasil

Com isso, ele elevou o seu valor de mercado para US$ 3,5 milhões e passou a figurar entre as startups europeias mais valiosas e entre as dez principais fintechs do mundo

De volta para o dono

Lava Jato recupera mais R$ 67 mi no exterior

Os valores foram transferidos para contas judiciais vinculadas ao processo e integram os mais de R$ 13 bilhões que são alvo de recuperação pela Lava Jato ao longo de cinco anos de operação, destaca a Procuradoria

Seu Dinheiro na sua noite

O herói improvável

As histórias que mexeram com o Seu Dinheiro hoje

De olho nos valores

Preço médio dos imóveis residenciais sobe 0,36% em junho em dez capitais

A pesquisa mostrou que, no mês, todas as dez capitais pesquisadas tiveram alta nos preços médios: Brasília (0,04%), Fortaleza (0,06%), Salvador (0,08%), Porto Alegre (0,16%), Rio de Janeiro (0,18%), Belo Horizonte (0,19%), Curitiba (0,19%), Goiânia (0,22%), Recife (0,38%) e São Paulo (0,68%)

DE OLHO NO GRÁFICO

Bitcoin em nova alta e S&P no sinal amarelo

Fausto Botelho está estupidamente otimista com o bitcoin, que pode ter uma nova onda de valorização. Já o S&P, principal índice americano, pode trazer um terremoto para o resto do mundo

De olho nos próximos recebidos

Preparação de atendimento pela Caixa contribuiu para adiamento de saque do FGTS

Em 2017, para que 25,9 milhões de trabalhadores retirassem R$ 44 bilhões das contas inativas (de contratos anteriores) do FGTS, a Caixa preparou um esquema de atendimento que previu a abertura das agências mais cedo e nos fins de semana no período, que foi de 10 de março a 31 de julho

Entenda o caso

Depois de fixar o preço dos papéis em R$ 1,10 no follow-on, ações da Tecnisa despencam mais de 9%

O mais provável é que a queda vertiginosa esteja associada ao fato de que o papel esteja se ajustando ao preço estipulado na oferta de ações

A hora é agora

Como consultar o seu saldo do FGTS

Medida que injeta até R$ 30 bilhões na economia deve ser anunciada na próxima semana. Saiba como consultar o seu saldo do FGTS

Novidades na prateleira

RCI Brasil, das montadoras Renault e Nissan, passa a oferecer CDB com liquidez diária e rentabilidade de 102% do CDI

A desvantagem é que o valor inicial de aplicação do investimento é um pouco alto. No caso do Banco Sofisa, por exemplo, o valor inicial de aplicação é de R$ 1. Já no Inter e no C6 Bank, a aplicação inicial é de R$ 100

Aos números

Economia com reforma da Previdência após 1º turno fica em R$ 914,3 bilhões

Impacto fiscal ao longo de 10 anos sobe a R$ 933,5 bilhões, considerando aumento CSLL sobre os bancos. MP de fraudes pode render outros R$ 200 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements