Menu
2019-02-22T17:50:03+00:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Captação de US$ 15 milhões

Dos tijolos aos bytes, BTG Pactual lança criptoativo com lastro em imóveis

A ideia do banco é proporcionar aos investidores do ReitBZ retorno com a recuperação dos ativos e a venda por um valor superior ao preço de aquisição. Lançamento envolve parceria com os gêmeos Winklevoss, que atuaram na criação do Facebook

22 de fevereiro de 2019
14:32 - atualizado às 17:50
cripto imóveis
Imagem: Shutterstock

Você com certeza já ouviu falar nas criptomoedas, como o bitcoin. Mas e em “criptoimóveis”? O BTG Pactual uniu esses dois mercados tão antagônicos entre si ao lançar o ReitBZ.

Trata-se de um criptoativo que terá lastro em imóveis com problemas, como inadimplência, localizados em São Paulo e no Rio. A ideia é proporcionar aos investidores retorno com a recuperação dos ativos e a venda por um valor superior ao preço de aquisição.

O lançamento inclui ainda uma parceria com os gêmeos Cameron e Tyler Winklevoss, conhecidos por atuarem na criação do Facebook.

A oferta do ReitBZ será a primeira realizada por um banco de investimento com o uso da tecnologia blockchain, a mesma que viabilizou o bitcoin. O objetivo do BTG é captar até US$ 15 milhões.

Mas se você ficou interessado, não adianta procurar o banco ou alguma corretora de criptomoedas porque o criptoativo não estará disponível para investidores brasileiros.

A escolha do banco foi realizar essa primeira operação da forma mais rápida e prática possível, por isso a oferta não será realizada por aqui, segundo me contou André Portilho, sócio do BTG.

“A legislação ainda é cara e demorada, mas conversamos com os reguladores, que estão muito abertos e querendo fomentar inovação, e a ideia é futuramente fazer no Brasil”, afirmou.

Como funciona?

Na superfície, o ReitBZ não é muito diferente de um fundo imobiliário tradicional. O banco optou por realizar a captação com a criação de um criptoativo pela possibilidade de realizar uma oferta global de forma mais eficiente e com menor custo, segundo Portilho.

“Eu não consigo vender um fundo imobiliário para um investidor em Cingapura. Com o blockchain isso é possível”, diz o sócio do BTG.

A tecnologia e a maior eficiência permitiram ainda ao banco reduzir a aplicação mínima para US$ 10 mil. O que amplia o alcance de um investimento mais sofisticado e, pelas formas tradicionais, estaria acessível apenas a investidores com mais dinheiro. A expectativa é de um retorno bem superior ao investimento em imóveis tradicionais, segundo Portilho.

Da mesma forma, a tecnologia permite ao BTG ter um controle sobre quem vai investir nos ativos, em um processo semelhante ao de uma abertura de conta no banco.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Como investir e como receber?

O ReitBZ não é uma moeda virtual, e sim um ativo comparável a um valor mobiliário, como uma ação, só que estruturado no formato de "security token". Tanto o investimento no criptoativo como o pagamento da rentabilidade aos detentores do ReitBZ serão realizados por meio de uma criptomoeda.

É aí que entram os gêmeos Winklevoss. Depois do litígio com Mark Zuckerberg, fundador do Facebook, eles investiram no mundo das criptomoedas e criaram o Gemini dollar. Ao contrário de divisas virtuais como o bitcoin, o Gemini possui lastro no dólar "real". Isso significa que 1 Gemini sempre vale 1 dólar e não está sujeito à volatilidade típica do bitcoin.

"Tanto nós como os Winklevoss temos a visão de que essa tecnologia só tem futuro se for feita de forma regulada, com segurança e compliance", afirma Portilho.

Com o retorno obtido com a venda dos imóveis na carteira, o BTG vai distribuir 50% em dividendos aos detentores do ReitBZ, pagos em Gemini dollar, e a outra metade será reinvestida em novos ativos.

Para quem quiser comprar ou vender o ativo depois da oferta, o BTG fará o papel de formador de mercado do ReitBZ, que será negociado em uma plataforma própria. "Ainda não existe uma bolsa ou plataforma com requerimento pra negociar esse tipo de ativo", diz Portilho.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

preço da violência

Ataque à Aramco, na Arábia Saudita, pode afetar 5% da produção mundial de petróleo

Ataques à Aramco ocorrem em meio à escalada das tensões entre os rebeldes houthis, aliados do Irã, com a Arábia Saudita, apoiada pelos EUA

Proteção para a sua carteira

Ao escalar sua seleção de ações, pense duas vezes antes de colocar Vale e Suzano na defesa

As ações das exportadoras Vale e Suzano, clássicas opções defensivas para um cenário de dólar forte, acumulam desempenho negativo no ano, pressionadas pelos preços do minério e da celulose em baixa. Se esses papéis já não têm mais o mesmo apelo defensivo de antes, quais ativos da bolsa podem ocupar o miolo da zaga do seu portfólio?

quem disse que tá ruim?

Novatas de tecnologia na bolsa americana têm desempenho acima do S&P 500 – mesmo levando em conta Uber e Lyft

Levantamento feito por publicação americana leva em conta 13 IPOs de tecnologia deste ano nas bolsas e mostram que os papéis, juntos, valorizaram mais que o S&P 500

tensão

Drones atacam instalações de petroleira na Arábia Saudita

Reivindicado pelos rebeldes houthis que combatem a intervenção saudita no vizinho Iêmen, ataque atingiu duas refinarias da Aramco

oportunidades à vista

Brasil consegue abertura do mercado egípcio para lácteos e Bolsonaro comemora

Produtores brasileiros poderão exportar, já a partir de outubro, produtos como leite em pó e queijos para o mercado egípcio

unicórnio vai à bolsa

Startup de escritórios compartilhados WeWork reduz poderes do CEO

Prestes a estrear na bolsa, a WeWork enfrenta a preocupações de investidores por conta de seu modelo de negócio.

olha a dupla aí

Com IPO da C&A e avanço da Amazon, mercado espera aceleração de investimentos no varejo

Especialistas avaliam a oferta pública inicial de ações da rede de lojas de vestuário e a escalada da varejista fundada por Jeff Bezos

novela com o bilionário

Executivo das criptomoedas pagou US$ 4,6 milhões por almoço com Warren Buffett – mas encontro pode não acontecer

CEO da Tron, Justin Sun, venceu leilão beneficente que promove um encontro com o lendário investidor, mas história teve desdobramentos inesperados

olhos lá na frente

Mineradora tem projeto de R$ 9,1 bi com megabarragem no Norte de MG

Projeto prevê uma das maiores barragens de rejeitos do País, mas é condenado por entidades como o Movimento dos Atingidos por Barragens; empresa afirma que o modelo é seguro

o melhor do seu dinheiro

MAIS LIDAS: Uma empresa que vale zero?

Mais lida da semana, matéria conta as duras críticas de um analista quanto ao negócio da Tesla, do bilionário Elon Musk. Veja outras notícias que bombaram no Seu Dinheiro nos últimos sete dias.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements